OPINIÃO

Mais dinheiro no bolso

05/03/2014 10:23 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

A psicologia pode explicar muito sobre nossa maneira de lidar com o dinheiro. Sabe aquele pacote que você contratou de TV a cabo, com uma infinidade de canais, mas só assiste às tradicionais emissoras abertas? Pois é, você (e muita gente) está pagando por um serviço sem utilizá-lo de verdade. Resultado: problema na saúde do seu orçamento, ou seja, dinheiro que não sobra ou saldo negativo no banco.

A preguiça e o comodismo explicam bem esse comportamento. É como a história da dieta ou de qualquer mudança trabalhosa. Sempre tentamos adiar e, mais do que isso, nos apegamos a determinados hábitos. Colocar os gastos na ponta do lápis é a melhor forma de enxergar o que dá pra economizar no fim do mês. Deixe a preguiça de lado e faça o exercício, recomendado por professores de finanças pessoais, separe o orçamento em quatro grupos:

  • A (alimentação): gastos com compras no supermercado principalmente.
  • B (básico): contas básicas, como água, luz, telefone, condomínio e eventualmente aluguel.
  • C (contornável): despesas que podem ser cortadas ou diminuídas, como TV a cabo, academia e outras.
  • D (desnecessário): gastos inúteis, como manter uma conta corrente no banco sem utilizá-la.

Feito o exercício, lembre-se de que ele precisa ser frequente. Nada de começar e deixar de lado. Vale a pena planejar o orçamento, se possível, para o ano inteiro, alterando uma coisa ou outra ao longo dos meses. Outra dica é pesquisar os pacotes de celular, as opções oferecidas pelo seu banco e, se não der certo, busque os serviços de defesa do consumidor.

Esse foi o post de inauguração do blog. A ideia é trazer aqui formas simples, sem complicação, de lidar com planejamento financeiro, dívidas e investimentos. Economia sem enrosco, esse é o lema. Fiquem à vontade para sugerir temas ou levantar perguntas.

Até a próxima!