OPINIÃO

Quando o meme vale mais que a saúde da população

Quando a porta não abre por dentro, a militância poderia se beneficiar de notícias trágicas assim pra atrair mais gente pro movimento.

19/03/2017 12:06 -03 | Atualizado 19/03/2017 13:13 -03
Phil Clarke Hill via Getty Images
"A população em geral consome carne porque é algo cultural. As pessoas simplesmente não veem outra possibilidade"

A carne é vendida estragada. A maioria da população não é vegana ou vegetariana. Isso certamente causa doenças irreparáveis. Comer carne é não respeitar os animais, segundo vegetarianos e veganos. É uma visão de mundo, de vida, de respeito aos animais e ao meio ambiente, já que o consumo de carne causa vários danos ao meio ambiente. Dentre eles, um desperdício de água absurdo para produzir 1 kg de carne vermelha.

Diante dessa notícia de carne adulterada e podre, poderia acontecer uma grande revolução: as pessoas poderiam deixar de comer carne ou, pelo menos, diminuir o consumo. Um gancho incrível pra colocar em prática um estilo de vida que não maltrata animais. Quando a porta não abre por dentro, a militância poderia se beneficiar de notícias trágicas assim pra atrair mais gente pro movimento.

No entanto, tenho visto piadas em torno de um acontecimento que pode causar doença ou até matar a população. Eu me sinto muito confortável em falar sobre isso porque jamais fiz piada com veganos ou vegetarianos. Pelo contrário, sempre admirei e tenho um pezinho lá na porta do vegetarianismo que só precisa de um empurrãozinho. Elogio sempre as pessoas que deixaram de consumir carne, porque eu sei que é um ato de nadar contra a maré, é revolucionário, requer informação e uma busca louvável por uma nova forma de se alimentar, o que é fantástico.

A população em geral consome carne porque é algo cultural. As pessoas simplesmente não veem outra possibilidade. Diferente de mim, que tenho acesso à informação e tenho procurado mudar de acordo com as minhas possibilidades, a maioria nem imagina que pode viver sem carne.

Vou citar alguns exemplos práticos.

- Eu faço meu molho de tomate caseiro. Diante da notícia de pelo de roedor no molho de tomate industrializado, eu me indignei com a indústria e aproveitei o cenário pra dar a receita do molho que uso. Minha crítica é à indústria e à publicidade, que molda o consumidor menos informado. Não cabia piada diante de um acontecimento que prejudicava a saúde das pessoas.

- Eu faço suco natural para os meus filhos, sem açúcar e sem conservante. Diante da notícia de que o Ades continha soda cáustica, eu me indignei com a indústria e aproveitei o cenário pra dizer que é melhor tomar água ou fazer suco da fruta em casa. Minha crítica é à indústria e à publicidade, que molda o consumidor menos informado. Não cabia piada diante de um acontecimento que prejudicava a saúde das pessoas.

- No meu segundo parto, corri atrás de um parto que respeitasse a fisiologia e respeitasse meu filho. Diante da notícia de que "cesáreas desnecessárias impactam na mortalidade materna e na mortalidade infantil", eu me indignei com a indústria de nascimentos e aproveitei o cenário pra dizer que parto normal é possível e aproveitei pra esclarecer o que é violência obstétrica. Minha crítica é à indústria cesarista, que incute na mulher o medo de parir. Não cabia piada diante de um acontecimento que prejudica a saúde das pessoas.

Diante das mais variadas piadas, memes e zoações veganas, eu só posso corroborar meu post anterior sobre elitismo vegano. Acham-se seres superiores porque conseguiram ver a luz. Uma lástima não aproveitarem da situação pra trazer mais gente pro movimento. Na verdade, pra mim, fica claro que, apesar da preocupação com a crueldade animal, a preocupação com a saúde da humanidade não importa. Parece que o que importa é pregar e ver mais gente dizendo amém.

Rir de uma população que adoece e morre por culpa de grandes corporações é tão cruel quanto comer cadáver animal.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública.

Proteína não precisa vir da carne