OPINIÃO

Por que a tal tinta spray da Volvo é uma (velha) bobagem

07/04/2015 10:18 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:44 -02
divulgação

Tenho recebido dezenas de menções e inboxes sobre uma tal tinta spray para ciclistas, lançada pela Volvo (sim, uma tradicional fabricante de carros). Normalmente um produto novo ou uma publicidade não atraem muito minha atenção, mas o volume de pessoas - ou melhor, o volume de CICLISTAS - compartilhando esta suposta "invenção incrível da Volvo" me despertou interesse imediato. Vamos ao produto-propaganda:

Agora que vocês viram (ou reviram) o vídeo, cá entre nós, esse produto não é fabuloso, sensacional, incrível, inventivo e, por que não, revolucionário pensando na segurança dos ciclistas? NÃÃÃÃÃÃÃÃO! Claro que não!

Aliás, estou até preocupado com a quantidade de ciclistas repercutindo esta bobagem travestida de inventividade. Apenas para refrescar a memória e relembrar alguns conceitos e ideias, listei minhas impressões sobre o produto e as reais intenções por trás dele:

- Culpem as vítimas! É mais fácil do que mexer no status quo de um trânsito que mata 65 mil pessoas por ano no Brasil. Ao invés de buscarmos soluções que mudem o paradigma do trânsito violento, seguimos culpando os mais frágeis na cadeia violenta dos modais de transporte.

- A ideia do spray da Volvo é tão nova quanto o filme Tempos Modernos, de Charlie Chaplin. No início do Século XX, quando a indústria automobilística surgiu com vigor e os carros começaram a ocupar o lugar das carroças e dos bondes, foi preciso transformar as vítimas (pessoas atropeladas) em atrasos da modernidade, do desenvolvimento, da era do motor. E as mortes, bem, sempre foram uma espécie de efeito colateral do desenvolvimentismo, meros acidentes. A indústria automobilística, que passou a ceifar a vida de milhões de pessoas nas ruas, teve de criar suas estratégias de comunicação para não sofrer retaliações e, quem sabe, ter seus produtos manchados pelo sangue das ruas. Foi aí que começou uma longa e (ainda) duradoura campanha para regrar a urbe e seus habitantes segundo a cultura e o comportamento do automóvel e de seu condutor. Um pouco de história AQUI.

2015-04-06-1428360619-9425942-Obbey.jpg

Mas o que isto tem a ver com o spray da Volvo? TUDO! É a própria indústria automobilística reproduzindo o que ela sempre fez: colocando a culpa da segurança nos outros atores do trânsito. Quantos Volvos será que não matam pedestres e ciclistas todos os anos? O que a Volvo tem feito para isto acabar?

- Dizer que a segurança do ciclista está nele e nos equipamentos de proteção que ele usa é a mesma coisa do que dizer que uma mulher de saia está "pedindo" para ser molestada. Ora, tão bizarro quanto culpar um ciclista por seu atropelamento é culpar uma mulher vítima de estupro por usar uma saia.

- O Código de Trânsito Brasileiro já resolveu a questão. Por que é tão difícil entender?

Art. 29 § 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.

- Esqueça capacete, cotoveleiras, joelheiras, armadura, tinta spray da Volvo, etc. A melhor maneira de não ser atropelado é NÃO SER ATROPELADO. A segurança do ciclista e do pedestre está na relação dos modos motorizados e pesados com eles. Vamos mudar nossa forma de comunicar e cobrar de quem de fato merece ser cobrado?

- Dar publicidade ao perigo não promove o uso de bicicleta. Ciclistas, vamos abandonar a cultura e a publicidade do medo? Por que você pedala? Faça uma lista com os dez principais motivos que o fazem subir numa bicicleta e verá que nenhum deles tem a ver com a necessidade de uma tinta spray da Volvo. Aqui texto muito didático sobre a cultura do medo.

- Mas estar visível também não é uma medida de segurança d@ ciclista? Sem dúvida a visibilidade d@ ciclista é importante, mas é uma preocupação de cada um e os refletivos são obrigatórios por lei (não, o spray da Volvo não está incluído no Código de Trânsito). Estes itens de proteção aplicados ao ciclista ou à bicicleta funcionam mais como uma precaução para casos absolutamente excepcionais. Vejam, como exemplo, os casos mais recentes de atropelamento de ciclistas. Todos, repito, TODOS foram causados por imprudência ou tentativa de homicídio de motoristas. Será que o spray da Volvo devolveria o braço do David? O spray da Volvo teria desviado o ônibus que matou a Julie Dias na Paulista? Ou será que o spray da Volvo teria freado o carro do viciado em velocidade Thor Batista, que explodiu o corpo do ciclista Wanderson, no interior do Rio de Janeiro?

Concluindo, deixo aqui uma dica para a empresa Volvo: que tal uma tinta spray para maus motoristas? Ou melhor, um dispositivo que dê um choque no ânus de um motorista quando ele for dar uma fechada em um ciclista ou quando não parar para um pedestre ou quando estiver acima da velocidade? Não seria mais útil para a segurança de todos no trânsito?

VEJA TAMBÉM:

Tipos de bicicletas