OPINIÃO

O Dia dos Mortos

08/04/2016 16:52 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
ASSOCIATED PRESS
Zahra Hamid, 15, carries recyclable items at a garbage dump in Baghdad, Iraq, Thursday, March 3, 2016. Most workers in the garbage dump are widows and orphans who live below the poverty line. Zahra Hamid, who lost her father in a car bomb explosion left her school to support her family. (AP Photo/Karim Kadim)

Eu amaria poder conversar com alguém que já morreu e perguntar-lhe qual é a mensagem que ele teria para oferecer para os ditos VIVOS.

Você já deve ter ouvido e, até mesmo, falado ou a seguinte frase: "Para morrer basta estar vivo!" e é a partir dela que quero deixar minha reflexão. Porque ela é a profunda e verdadeira expressão de como muitos povos estão vivendo, principalmente os chamados "modernos".

Desde muito pequena encarei a forma pela qual morremos como nada evolutivo, ao contrário do que muitos gurus, yogues e representantes de Deus afirmam. Meu ser acredita que morrer de doenças, traumas, etc. É algo que já deveríamos ter superado se não ocasionássemos tanto sofrimento a todas as espécies desse planeta.

Pode ficar indignado, sim. Eu penso que morrer das mais diversas doenças é uma demonstração do quanto temos que transformar. Matar ou violentar alguém tem um peso de monstruosidade que, nem preciso dizer, mostra que não passamos por nenhuma evolução.

E quero deixar um detalhe neste artigo. Estou olhando o morrer ou a morte como algo racional, sem enfocar a espiritualidade nesta minha humilde reflexão. Ao longo da minha vida, tenho observado que ninguém quer morrer, sequer o mais equilibrado espiritualista quer morrer.

A maioria finge que está pronta, acreditando nas doutrinas que, ao longo da história, fantasiam e iludem. Porque o trabalho é aqui - viemos para esse planeta curar as mais inescrupulosas misérias.

Vou apontar a primeira delas que é a sexualidade e o prazer, a maior das causas de violência que existem no mundo e em todos os momentos históricos. Elas foram incentivadas por muitos homens e ainda o são. Todas as etnias têm históricos de abusos, de forçar o outro ao sexo das mais depravadas formas. Está aqui a primeira causa que mata, que abusa, que violenta.

Se você entende o que estou falando sabe que, no mais remoto momento da história, o sexo é algo que nunca uma humanidade inteira conseguiu chegar a um consenso de respeito ao outro. Faça um breve retorno e tente imaginar quantos foram mortos por sexo, quando alguém que detinha o poder da situação abusou de alguém, invadindo um corpo sem permissão.

A segunda é sobre as doenças. Por que criamos tantas doenças? Sim, nós fabricamos as doenças. Não acredito e não suporto ouvir dizerem que existe um Deus que castiga e envia as pragas/doenças. A humanidade sempre quer arrumar uma desculpa e não encarar de frente que é responsável por todas as misérias, mas é muito mais fácil jogar a culpa numa divindade egoica, que fica brincando de lego com os humanos, com criancinhas sendo abusadas e tantas outras violências inaceitáveis.

E saindo da doença só posso ir para a terceira: a fome. O ser humano é o responsável pela fome também, porque ele tem FOME de TER. Entre os mais simples e os mais eruditos, vamos encontrar famintos. (Você deve estar resmungando, mas no final vai ver que tenho razão).

O planeta está repleto de famintos, porém como o paladar é viciante, amargo ou doce demais, as pessoas perderam o respeito pela terra, pelos frutos vindo da mãe terra e, encantados pelo conforto dos alimentos de aromas artificiais, muita embalagem e pouco nutriente, são incapazes de ouvirem o coração, porque esses alimentos artificiais só criam dependências e doenças, inclusive as do déficit de atenção. Negar alimentos saudáveis para o corpo é um forma de morrer.

Estou apenas enumerando nossas misérias porque acredito que seja um maneira de exemplificar, mas confesso que, para mim, todas estão na mesma ordem de importância. Então, a quarta forma que está matando em doses homeopáticas há décadas (e o mais interessante é que muitos não aceitam a homeopatia como tratamento), é a ignorância de tratamentos que já deveriam ter sido transformados há muito tempo.

Muitos médicos estão aliados a insana indústria de doenças, a indústria farmacêutica, "trata" de modo a detonar a saúde da humanidade. Volte um pouquinho ao passado - se tudo evolui, por que temos que ser dependentes de remédios que causam mais males do que vida?

Quantas sequelas foram e estão sendo deixadas por interesse econômico? Todo o médico deveria, antes de medicar, avaliar elementos como hidratação, nutrição e postura física do paciente. Medicar alguém e não conhecer o grau de hidratação da pessoa é, sim, um incentivo à morte desse paciente.

Na quinta reflexão que também ao longo da história tem matado e separado muitos povos, sim, a religião. E venho observando, desde muito cedo, os integrantes que se dizem representantes de Deus. Para mim, tem sido muito sofrido porque desde adolescente eu me perguntava: "Por que ele não fala para a comunidade não comer tantas besteiras; por que não se fala que estão todos adoecendo?". As pessoas que vieram na missão de cura falaram da alimentação e sexualidade. Quem não alerta seus seguidores quanto a isso está equivocado. O grande problema da humanidade sempre esteve ligado à sexualidade, alimentação e higiene.

E, por falar em higiene, é com ela que vou fechar. A falta de higiene tem matado muitos povos ao longo da história e somente por meio de uma ferramenta, podemos parar de morrer por falta de higiene: educação. Por meio da educação, sem preconceito, podemos avançar e vencer a morte.

Não fique deprimido. Todos os humanos estão entrelaçados nessa forma nada evolutiva de morrer. Por que ainda somos atraídos a essa forma de matar e morrer.

Até breve.

LEIA MAIS:

- A senhorinha vendedora de salgadinhos populares na marginal Tietê

- O meu voto é como meu corpo: eu faço dele o que quiser

Também no HuffPost Brasil:

Pobreza mundial