OPINIÃO

O medo de pedalar e o porquê de perdê-lo

03/05/2014 02:41 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:28 -02
fixedgear/Flickr

Minha namorada tem medo de andar de bicicleta em São Paulo.

No lugar dela eu também teria: pouco experiente, o tráfego selvagem dos carros não a deixa ter segurança suficiente para sair de bike da sua casa até o Ibirapuera, por exemplo. Ela não é a única das pessoas mais próximas de mim que se sente assim em relação ao trânsito paulistano.

Desde que me mudei para São Paulo e comecei a andar de bicicleta por aqui já perdi a conta de quantas vezes eu quase fui atropelado -- e de como a culpa foi sempre minha, ciclista desavisado que "deveria andar na calçada".

A falta de ciclovias na capital paulista não é um problema apenas desta cidade. Um levantamento de março deste ano apontou que as vias próprias para bicicletas são apenas 1% da malha viária das capitais. Na cidade onde eu morava antes de São Paulo, Florianópolis, as poucas ciclovias existentes são exemplos de mal planejamento e a falta de mais espaços como este já fez a cidade pagar um valor alto demais.

A raiz deste problema é conhecida: a cultura do carro é incentivada desde os anos 1990 pelo governo, que se vê obrigado a continuar fomentando uma indústria que é parte substancial do nosso PIB. Tudo isto aliado ao fato de que o carro ainda é sinônimo de status no Brasil e a bicicleta apenas mais um instrumento de lazer inofensivo (e que, claro, deve ser mantida distante, em parques e espaços próprios para este tipo de lazer).

Este medo latente de transitar de bicicleta nas ruas e avenidas das cidades em que vivemos faz com que este meio de transporte, tão caro a um desenvolvimento urbano de qualidade, fique de escanteio.

É importante acabar com este medo para reeducar a sociedade. Assim, mais pessoas sairão de casa de bicicleta deixando a cidade menos poluída, barulhenta e muito mais dinâmica. Por consequência, mais feliz.

É claro, é algo que infelizmente caminha a passos de formiga. Falta infraestrutura para as bicicletas nos espaços públicos e empresas, falta falar sobre e falta preparo por parte das pessoas. Este último item, porém, parece menos distante de mudar.

Há alguns anos o povo do Bike Anjo vem voluntariamente ajudando mais pessoas a descobrir como pedalar mais e melhor e com mais independência. Além do trabalho diário ajudando outras pessoas a usar a bicicleta, nesta semana o Bike Anjo promove o Dia de Ir de Bike ao Trabalho, a versão brasileira do Bike to Work Day, realizada sempre em maio em diversos países. No Brasil é sempre na segunda sexta do mês. Para se envolver é fácil: basta querer ir de bike ao trabalho e deixar o nome aqui neste site que tem todas as informações sobre o evento.

E aproveitar que é final de semana para tirar a bike de casa pra treinar e ir perdendo o medo, não é?