profile image

Pedrinho Fonseca

Pedrinho Fonseca é pai de João, Irene e Teresa. Escreve para e por eles

Nasci três vezes depois de já existir. Da primeira vez, João. Da segunda vez, Irene. Da terceira vez, Teresa. E cada vez que um filho ou as filhas entraram na minha vida, ganhava mais tantas razões para, em vida, renascer. Eles me ajudaram a desfazer verdades absolutas, amenizar convicções, abrir o coração para o novo. Essas três criaturas não me ensinaram a ser pai. Me ensinaram a ser gente. Foi para elas que, há alguns anos, criei uma trincheira muito particular de afeto. Do Seu Pai é um blog de pai para filhos e, sobretudo, é o que talvez eu possa deixar como a melhor herança para eles. Memória. Para que, no futuro, eles revisitem seus percursos e saibam de onde vieram. – Pedrinho Fonseca é pai de João, Irene e Teresa. Casado com Lua. Escritor, fotógrafo e roteirista.
Reprodução/Facebook

Irene e Teresa,

Filhas, olhem sempre uma para a outra. Mas olhem fundo. Nos olhos, nos gestos, nos movimentos. O olhar da compreensão e do que chamamos de empatia, que é a simpatia maior que há. Olhar para a outra tão profundamente que a outra seja capaz de ver através dos olhos de uma. Reconhecer a outra para conhecer-se melhor.
28/06/2016 17:45 -03
Pedrinho Fonseca

É preciso ir muito longe para se chegar mais perto

É lá que a gente consegue ver o cheiro das coisas. A fumaça que estala o milho. As estrelas cadentes que nós mesmos acendemos na fogueira. O amarelo-dourado de que vem sob a canela, na canjica. São visões e antevisões. Fechem os olhos. Se digo pé-de-moleque, vocês não vem um garoto descalço. Vocês salivam. Esse São João não é santo.
15/06/2016 12:21 -03
Pedrinho Fonseca

João,

O que eles não sabem, filho, é que uma surra derruba, machuca, dói. Mas quando a gente acorda e revê o filme da vida, compreende que essa é a única forma de diálogo que eles conhecem. E que enquanto eles batem, apanham. Apanham muito. Eticamente, moralmente, humanamente. Hoje, eles devem estar doloridos. Amanhã, eles não mais estarão onde estão. E nós estaremos aqui, mergulhando nas águas calmas da consciência limpa.
16/05/2016 19:23 -03
Pedrinho Fonseca

Irene,

Minhas duas metades estão por completo contigo, filha. Esta que tenta aprender a ser pai, esta que desaprendeu a ser homem. Obrigado por me ensinar a ser gente. Conte comigo.
16/05/2016 19:16 -03
Pedrinho Fonseca

João,

Homens de preto fazendo justiça com as próprias mãos sujas. Representantes que não nos representam. Investigações conduzidas por quem precisa ser investigado. Louvor a deus no que deveria ser tão somente o templo da cidadania. Homenagens a torturadores. Mulheres sendo verbalmente violentadas por canalhas em rede nacional. Jornalistas silenciosos. Desde que você nasceu, filho, não havia ainda aparecido um vento tão frio.
05/05/2016 09:30 -03