profile image

Marco Mondaini

Historiador, é professor associado da UFPE

Marco Mondaini possui Graduação em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990), Mestrado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (1995), Doutorado em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998), com pesquisas feitas no Instituto Gramsci de Roma/Itália (1997), Pós- Doutorado junto ao Departamento de Teoria e História do Direito da Universidade de Florença/Itália (2009) e Estágio Sênior na Universidade Eduardo Mondlane/Moçambique (2013/2014). Atualmente é Professor Associado do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), fazendo parte do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS). É líder do Núcleo de Estudos Comunicação e Direitos Humanos (NCDH) e pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Políticas Sociais e Direitos Sociais (NEPPS). É autor de Direitos humanos (São Paulo: Contexto/UNESCO, 2006), Direitos humanos no Brasil (São Paulo: Contexto/UNESCO, 2009), Enrico Berlinguer. Democracia, valor universal (Brasília/Rio de Janeiro: Fundação Astrojildo Pereira/Contraponto, 2009), Do stalinismo à democracia. Palmiro Togliatti e a construção da via italiana ao socialismo (Brasília/Rio de Janeiro: Fundação Astrojildo Pereira/Contraponto, 2011) e Democracia e direitos humanos sob fogo cruzado (Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013), entre outros livros, capítulos de livro e artigos.
Ueslei Marcelino / Reuters

3 décadas em apenas um dia

Nesse domingo, 17 de abril de 2016, a Câmara dos Deputados decidirá que projeto de nação será implementado no Brasil nos próximos anos, talvez nas próximas décadas. Em apenas uma sessão, os deputados federais, ao votarem favoravelmente ou contrariamente à abertura do processo de impeachment da presidente da república Dilma Rousseff, estarão escolhendo (dando-se ou não conta inteiramente do fato) qual dos dois caminhos experimentados nos últimos 30 anos da nossa história política estará autorizado a liderar o País.
17/04/2016 02:28 -03
Igo Estrela via Getty Images

Convidaram o Lula para dançar e ele aceitou

É possível sim que, caso o plenário do STF reverta a decisão tomada por Gilmar Mendes, tenha início o terceiro mandato de Lula. Mas, se isso vier a acontecer, a responsabilidade caberá menos à vontade de poder do ex-presidente do que à impaciência pouco democrática da oposição.
23/03/2016 11:47 -03