profile image

Guilherme Fasolin

Mestrando em Relações Internacionais na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Mestrando em Relações Internacionais na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi membro do Programa de Formação Complementar da Missão do Brasil junto à Organização das Nações Unidas e demais Organismos Internacionais em Genebra. Escreve sobre temas relativos à Política Externa Brasileira, Economia e Política Internacional.
ASSOCIATED PRESS

Temer e o retorno do liberalismo condicionado na política externa brasileira

É por esses motivos que a política externa de Temer reflete a visão das mesmas elites pertencentes à comunidade de política externa que orientaram a inserção internacional de FHC duas décadas atrás: setores do executivo, congresso, liderança empresariais, grupos de interesses que percebem que pela "insuficiência" de poder do País no cenário internacional a busca por credibilidade, e a postura defensiva daí decorrente correspondem a melhor estratégia de inserção internacional do Brasil.
13/06/2016 16:53 -03
ASSOCIATED PRESS

O 'plano Temer' é a chance de recuperar a credibilidade internacional do Brasil

À luz do atual cenário e com o impeachment em curso, Temer conduzirá a diplomacia nacional. De maneira geral, espera-se que o novo presidente adote uma mudança rápida e substantiva nas agendas externa e doméstica que, somada a urgência por resultados imediatos, irá levá-lo de início a estruturar a política externa brasileira em torno da noção de "inserção competitiva" do Brasil ao núcleo dinâmico da economia mundial.
29/04/2016 21:37 -03
ASSOCIATED PRESS

Brics e Diplomacia Pública

A morte dos Brics - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul-, foi amplamente anunciada pela mídia nacional e internacional, nos últimos meses. A profunda recessão econômica enfrentada por Brasil e Rússia, a ascensão dos TICKS - novo acrônimo a agrupar Tailândia, Índia, China e Coreia do Sul, e o encerramento do fundo de investimentos exclusivo para os Brics, criado pelo Banco Goldman Sachs, foram os marcos notáveis dessa conclusão. De modo geral, tal abordagem reflete que o pensado papel dos Brics como propulsor do crescimento global erodiu-se.
28/03/2016 15:49 -03