OPINIÃO

Quando ele tem razão

29/01/2017 18:20 -02 | Atualizado 31/01/2017 18:21 -02

Saímos na quinta e ele estava na vibe de conversar. Não de bater papo, mas de CONVERSAR.

Conversar sobre a vida, sobre sentimentos... Sobre a gente, sobre mim.

Não sou uma pessoa que CONVERSA. É péssimo pra vida, eu sei, mas embora tente não me saio bem em nesta modalidade de interação (com as pessoas que amo). Geralmente termino muito irritada, chorando e com a sensação de que MAIS UMA VEZ não consegui falar nada que gostaria.

Converso uma vez por semana com uma pessoa paga pra isso (terapeuta); converso muito raramente com minha melhor amiga...

Sim, sou praticamente uma concha e acho que contar isso pra vocês é uma tentativa racional do meu consciente em trabalhar um aspecto bem problemático do meu eu.

Então, quando preciso MUITO dizer alguma coisa para o Mário, eu mando um e-mail. Devo ter mandado uns 4 ao longo dos nossos quase 11 anos de relacionamento.

Então, quinta... Ele disse que tinha algumas coisas para falar e perguntou se eu estava a fim de ouvir. Eu não estava, claro! Por que, né? Conversar é para os fortes.

Mas assenti e conversamos longamente. Na verdade ele falou, falou; eu ouvi, ouvi...

O cerne era: estou trabalhando demais.

Ele disse que entende que estou em um momento profissional incrível, mas que preciso me cuidar também, cuidar da casa, não fazer nada...

Transcrição literal: - Você precisa se reconectar com a casa, cuidar da sua saúde, não fazer nada, correr...

Mário disse que estou desconectada com a casa e eu PRECISO dizer que ele tem alguma razão. Ou toda razão.

Ouvir do marido que preciso me reconectar com a casa.

Logo eu, a feminista libertária que ~não queria casar nem ter filhos~.

Detesto quando ele tem razão. Lá vou eu escrever um e-mail...

LEIA MAIS:

- As definições de maternidade foram atualizadas

- 'Você não é minha mãe!': A frase que toda madrasta tem medo de ouvir

Também no HuffPost Brasil:

5 maneiras de cultivar a felicidade