OPINIÃO

Maquiagem natural: a beleza por trás do instinto reprodutor

07/04/2016 16:43 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
katyau via Getty Images
Beautiful Lipstick. Hand drawn watercolor vector. Beauty illustration.

A maquiagem é um recurso usado, ao que se saiba, para "melhorar" a aparência de algo.

Nos dias atuais, a maquiagem é quase um costume exclusivo das mulheres, ao ponto de, quando se sabe de um homem que faz uso de maquiagem, ele é imediatamente taxado de afeminado. Mas a origem da maquiagem, embora um tanto obscura, pode dar certas dicas do motivo pelo qual as pessoas sentem a necessidade de melhorar a sua imagem.

Há indícios de que os humanos usavam maquiagem desde os tempos mais remotos, antes mesmo de surgirem as cidades e as civilizações, quando ainda viviam nas savanas e se protegiam à noite em cavernas. A pintura corporal não era exclusividade feminina, ao que parece. Homens e mulheres pintavam o corpo para as mais diversas funções, como se disfarçar entre a vegetação, se camuflando para usar o fator surpresa na hora da caça.

Outros usos dos antigos incluíam dar um senso de pertencimento a um determinado grupo que vivia em determinada área. Com a distinção dos seus membros através da pintura, o risco de atacar uma pessoa que pertencesse à mesma tribo durante uma altercação por itens básicos de sobrevivência diminuía. Com o passar do tempo, as pessoas podem ter passado a se pintar para celebrar acontecimentos também.

Acredita-se que o uso de pinturas no corpo para "embelezar" só tenha surgido mais tarde. Pode ter sido durante uma época em que houve maior escassez de alimentos. Com a escassez, as pessoas estavam um pouco mais enfraquecidas pela fome, com aparência cansada e abatida. Isso estaria afetando também o instinto sexual, fazendo com que as pessoas passassem a escolher os seus parceiros pela aparência, dando preferência àqueles que estivessem com, digamos, uma "carinha" mais descansada, saudável.

Diversos estudos vem especulando que, apesar do período fértil humano ser muito mais tênue e difícil de detectar, já se sabe que as mulheres, na ovulação, apresentam determinadas características que somem ou diminuem em outros dias do ciclo. Os principais sinais de que a mulher está ovulando, por exemplo, são a mudança da textura do muco vaginal (que passa de gelatinoso e opaco para uma consistência de "clara de ovo", mais fina, elástica e transparente) e o aumento da temperatura corporal.

O método de Billings explica melhor o ciclo menstrual, que tem o seu início no 1º dia de fluxo. Enquanto só vem aquela "borrinha" de café, ainda não é o início do ciclo menstrual. A partir do 8º dia do ciclo, começa o período no qual a mulher pode ovular. A razão pela qual a duração do ciclo pode variar até em uma mulher com ciclo regular é que a ovulação pode ocorrer em dias distintos a cada mês, entre o 8º e o 18º dia do ciclo menstrual. O que parece ser mais regular é o dia em que a menstruação pode reaparecer no próximo ciclo. Se não houver fecundação do óvulo, o ciclo recomeçará entre 14 e 16 dias após a ovulaçao (a liberação do óvulo) .

Poucos sabem que a mulher adquire o que pode ser chamado de "maquiagem natural" quando está no seu período mais fértil do mês, ou seja, entre os dias 8 e 18 do ciclo mesntrual, é possível notar as mudanças externas no corpo feminino que denotam que ela está no seu período mais fértil, tornando-a "mais atraente". E o que seria mais atraente? Seria mais bonita? Não exatamente. O conceito de beleza é abstrato, mas a atração existiria em nível genético. Esperma sendo atraído pela "presença" de um óvulo disponível para fecundação.

Portanto, estando um óvulo disponível, já que foi liberado pelos ovários e está iniciando a sua descida pelas trompas, que é onde ocorre a fecundação, a mulher mostrará os sinais de que isso ocorre.

Muitos anos de civilização esconderam esses sinais, mas eles estão lá. Os bicos dos seios se tornam mais escuros, os seios mais cheios, os quadris ligeiramente mais largos (a análise da largura dos quadris é, inclusive, um recurso extremamente usado por arqueólogos para detectar o sexo de restos mortais - mulheres carregam as mudanças da gravidez no corpo, como um quadril mais alargado).

No rosto também podem ser percebidas estas mudanças sutis, porém bem distintas. Escurecimento em volta dos olhos, talvez devido a um aumento do fluxo sanguíneo (daí surgindo o uso de lápis e rímel), maçãs rosadas (que justificaria a criação do blush), lábios avermelhados (explicando a existência do batom) e uma tonalidade jovem e nivelada no resto do rosto (que pode ser conseguida artificialmente com a base, o corretivo e o pó compacto).

Explicado o que pode mudar na aparência da mulher durante o seu período mais fértil, é hora de analisar o porque se usa maquiagem "artificial". Afinal, se a mulher possui uma maquiagem natural, pra que ela precisa usar a maquiagem artificial? Esse costume pode perfeitamente ter começado em uma das épocas de vacas magras, com falta de alimentos. Ao escolher parceiras que tivessem aparência mais fértil, as chances de se reproduzir eram maiores.

Sendo assim, é possível que houvesse a consciência de que se uma mulher que não estivesse nos seus melhores dias, apesar de estar fértil, usasse a "aparência fértil", "mais atraente", ela tivesse maiores chances de conseguir um parceiro e se reproduzir.

Com o passar do tempo, "imitar" uma aparência fértil acabou virou um hábito, e as pessoas (no antigo Egito, homens também se maquiavam, inclusive com rímel ao redor dos olhos) passaram a procurar exibir a tal aparência fértil em qualquer data do ano.

Durante o Holocausto, na 2ª Guerra Mundial, foi possível detectar esse comportamento em uma situação de extrema gravidade. As prisioneiras judias dos campos de concentração, que estavam já macilentas com tanta privação, usaram "maquiagem" para a sua própria sobrevivência. As que estavam mais doentes eram sumariamente levadas para as câmaras de gás. Para evitar ou adiar ao máximo tal destino, soube-se que muitas furavam a ponta de um dedo para retirar uma gota de sangue, que era usada nas bochechas, lábios e à volta dos olhos para que pudessem enganar os seus algozes aparentando estar mais saudáveis do que realmente estavam. O que seria aparentar estar mais saudável? Nada mais, nada menos do que imitar a aparência que se adquire quando se está no perído fértil, associando assim o "estar atraente" com o "estar bonita" e "estar saudável".

Não é à toa que até mesmo as mulheres que não usam maquiagem normalmente se sentem compelidas a "botar uma corzinha no rosto" nos dias em que se sentem mais cansadas, abatidas. É como se quisessem mostrar que estão saudáveis ou que ainda tem gás para trabalhar. É um instinto natural de se mostrar "atraente", no sentido de ser "útil" para a "tribo" a que pertence como uma boa "transmissora" de genes.

LEIA MAIS:

- A cantada que você que você acha 'engraçadinha' não é elogio. É assédio

- Por que as mulheres vão ao banheiro juntas

Também no HuffPost Brasil:

Sem maquiagem... e maravilhosas!