OPINIÃO

Sobre lançar e vender livros para amigos e leitores

Não queira vender livros por amizade; isso não terá o efeito que você esperava quando abdicou parte de sua vida para escrever.

16/02/2017 14:44 -02 | Atualizado 07/04/2017 19:19 -03
Getty Images/iStockphoto
Escritor trata da relação entre obras publicadas e amigos não-leitores.

Após vinte anos publicando livros, aprendi algumas pequenas coisas.

Duas delas reparto aqui, porque talvez sejam úteis para uma meia dúzia de três ou quatro que começam a se arriscar no mesmo caminho.

A primeira é sobre a noite autógrafos.

Aprenda que aquela pessoa que não foi ao lançamento dificilmente comprará seu livro depois.

Não nutra esperanças no caso da velha promessa: "ah, eu não vou poder ir, mas quero comprar depois, e autografado".

Esse tipo de pessoa até existe, mas não lota um fiat mille. E se o livro for de poesia, elas cabem numa moto.

A outra coisa é pensar em ter leitores, e não compradores de livros.

Portanto, dispense do desembolso aquele seu grande parceiro, que te adora, que você adora, mas que o último livro que ele leu foi no segundo ano da faculdade. E mesmo assim no resumo.

É sério, não queira vender livros por amizade; isso não terá o efeito que você esperava quando abdicou parte de sua vida para ficar na frente de um computador. O único efeito será o numérico.

Tenho grandes amigos, e mesmo parentes que considero, que jamais leram uma única linha que escrevi nestes mais de trinta anos de ofício.

Não deixaram de ser meus amigos, e jamais deixarão. Não por isso.

Agora, tenho leitores com quem provavelmente nunca me sentarei numa mesa de bar.

Mas que são uma das razões do meu trabalho.

Acervo particular

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública.

LEIA MAIS:

- O discurso de Temer no Dia da Mulher é uma visita ao século passado

- Homem comum, preso especial

Os 18 melhores livros de ficção de 2016