OPINIÃO

Ensinar exige reflexão crítica sobre a prática

28/08/2015 17:05 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:33 -02

O professor democrático sabe que a reflexão crítica é o ponto de partida para a prática docente. E ele sabe também que essa iniciativa, por si só, não é suficiente.

Na verdade, o primeiro passo para superar a ingenuidade é a autocrítica. É por isso que a arrogância não produz sujeitos críticos. Mas ingênuos, porque são incapazes de se superar.

Ao se imaginar o portador indiscutível da verdade e ao estar convicto de que aquela fração de conhecimento que ele domina já é suficiente, o arrogante tende a reproduzir os erros que não admite - porque não os enxerga - imaginando que são acertos.

Por isso é que, na formação permanente dos professores, o momento fundamental é o da reflexão crítica sobre a prática. É pensando criticamente a prática de hoje ou de ontem que se pode melhorar a própria atuação.

Assista ao vídeo:

A série Pedagogia da Autonomia apresenta didaticamente cada um dos capítulos e subcapítulos do livro de Paulo Freire. Para acompanhar os vídeos, inscreva-se no canal do prof. André Azevedo da Fonseca no YouTube ou favorite este blog para receber as notificações.

Confira a lista completa dos vídeos sobre Paulo Freire.


Eles defendem debater gênero nas escolas