OPINIÃO

Antes de reforma trabalhista, o Brasil precisa erradicar a escravidão

O que eu, auditora fiscal do trabalho, já presenciei em empresas no Acre e no Rio de Janeiro.

04/05/2017 23:49 -03 | Atualizado 04/05/2017 23:50 -03
SuperStock
A aquarela "Um Jantar Brasileiro", de Jean-Baptiste Debret, expressa a desigualdade do Brasil escravocrata de 1800.

Eu sou auditora fiscal do Ministério do Trabalho desde janeiro de 2007, quando tomei posse lá no Acre. Sou da área de saúde e segurança no trabalho. Eu fiscalizo o atendimento da legislação trabalhista, em especial das normas regulamentadoras. Elas tratam de questões como exames de saúde, uso de equipamentos de proteção individual, medidas de proteção coletiva e outras particularidades ligadas à saúde do trabalhador.

Para isso visito as empresas, faço uma inspeção no local, muitas vezes notifico para a regularização de problemas encontrados, noutras autuo a empresa. Além disso, exerço outras funções, entre elas a análise de acidentes de trabalho fatais ou graves (que deixam o trabalhador mutilado, ou incapacitado para o trabalho).

De lá para cá percorri muita estrada e vi de quase tudo. Apesar de ter minha vida tranquila, ganhar um bom salário e ter estabilidade, estou sempre conectada com um mundo que nem sequer fazia parte do meu universo de imaginação.

Estou dentro do processo produtivo de tudo o que se possa imaginar, de vassouras a cerveja, de garrafas de vidro a tijolos. Por isso acho que sou habilitada a dizer que o que se propõe atualmente e que estão chamando de "reforma trabalhista" é uma crueldade sem limites e em nada vai melhorar a vida da massa de trabalhadores da qual é formado nosso país.

Acho absurdo falar em flexibilização de leis trabalhistas num país que ainda cultiva a escravidão. É provável que a maioria, se não todas as pessoas que estão lendo isto não tenham a consciência de que o Brasil ainda é sim um país escravocrata, e que muitas atividades econômicas ainda se baseiam na exploração de mão de obra degradante.

No geral, não são pessoas acorrentadas, levando chibatadas. Por isso muita gente ignora essa situação. São pessoas privadas de seu direito de ir e vir, sem o mínimo que permita que o indivíduo durma, acorde, coma, se vista. Nem estou falando de lazer ou saúde.

Eu já vi isso de perto e tive o estômago embrulhado por viver num tempo que permite que um ser humano igualzinho a mim seja tratado desta forma. Na nossa vida urbana, de quem foi à escola, não existe essa imagem. O pior que vemos são os mendigos.

Mas esse tipo de "trabalho" é pior do que mendicância, pois essas pessoas estão lutando por um mínimo de dignidade sem ter ideia de que não há como chegar lá por este caminho.

É muito fácil falar que a legislação trabalhista é muito pesada, e é verdade. Mas ela é muito pesada porque infelizmente a realidade é muito cruel com um percentual gigante da população. É um absurdo que uma norma precise obrigar a fornecer papel higiênico, pois todos sabem que isso é básico.

Mas sabem que se não tiver a norma, em muitas empresas não se fornece nem sequer banheiro? Sabem quantas vezes já autuei empresas por não dar banheiro? Quantas pessoas já encontrei que faziam xixi e cocô no chão? Ou bebendo água até do chão por não ter água potável?? Ou outras coisas no mesmo nível de bizarrice.

E a quantidade de amputados, mutilados e mortos em acidentes banais e que poderiam FACILMENTE ser evitados? Em geral (sério, a maioria) de empresas terceirizadas, ganhando uma merreca, trabalhando jornadas exaustivas. Estou falando com a propriedade de quem convive com isso tudo.

Eu acho fundamental uma reforma trabalhista, mas ela necessariamente tem que ser precedida de uma reforma política. Essa corja que está toda envolvida em escândalos, que já tem dinheiro que garante gerações e gerações sem fazer esforço, não pode ser quem vai determinar a precarização de direitos que não lhes dizem respeito.

Nesse âmbito, não se pode legislar em causa própria. A reforma trabalhista tem que vir sim, já que a CLT é da década de 40, mas quando as condições de trabalho já não forem mais parecidas com as da década de 40.

Primeiro, se acaba com a escravidão de verdade e garante um mínimo do mínimo para sobreviver; depois sim, baseado num modelo de sucesso, reforma a CLT.

É óbvio que esses que estão aí mamando na população, donos do poder, vão fazer de tudo para não perder a bocada. Assim como a reforma da Previdência. É lóóógico que é urgente uma reforma previdenciária, só não é ESSA que está sendo proposta.

Nos plantões de informações trabalhistas que já fiz aos montes, chegava aquele senhorzinho da lavoura com cara de 80 anos. Na hora de preencher a ficha, o cara não tinha nem 50 anos de idade, apesar da aparência.

Castigado pelo trabalho pesado, pelas jornadas, pelas doenças, o sujeito envelhece. É chocante isso. Não é nosso mundo. Nós nos limitamos a viver em confortáveis casas de alvenaria, sem saber pelo que passou o garoto que estava na olaria fazendo os tijolos.

Porque essas pessoas submetidas a jornadas exaustivas e adoecendo todos os dias no trabalho não terão trabalho aos 50, menos ainda vida aos 70.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- Além da polêmica da remuneração com comida: O que propõe a bancada ruralista para o trabalhador do campo

- Os famosos que defendem a CLT e protestam contra a reforma trabalhista de Temer

O Dia do Trabalho no Brasil e no mundo