OPINIÃO

Empoderamento feminino?

11/03/2016 22:26 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:40 -02
shelma1 via Getty Images
International Women's Day poster. EPS 10 vector.

Termo que tomou as capas de revistas, manchetes de jornais e levantou o debate urgente: a necessidade de promover a equidade de gênero e combater a violência contra a mulher, em suas múltiplas formas, que ultrapassam a violência física.

Uma mulher é agredida quando tem que escutar calada as cantadas obscenas de desconhecidos em espaços públicos. É agredida quando é puxada pelo braço ou pela cintura na balada contra a sua vontade. Agredida quando seu salário é menor do que o do colega homem que exerce a mesma função. Quando precisa pensar duas vezes antes de sair na rua sozinha. Uma mulher é agredida quando sua opinião é desacreditada apenas por ser a opinião de uma mulher.

O movimento que ficou conhecido como Primavera das Mulheres ganhou as ruas, a mídia e as redes sociais por meio de atos em defesa do direito das mulheres, com diversas agendas de reivindicações. O empoderamento surge quando há empatia entre mulheres, revelando-se a sororidade: um pacto de reconhecimento entre mulheres, sendo uma dimensão ética, política e prática do feminismo contemporâneo. É o que faz uma mulher dirigindo avistar outra na rua, caminhando, à noite e oferecer carona, ajuda, apoio ao menor sinal de perigo.

Fica claro que se trata de um fenômeno eminentemente coletivo e de caráter abrangente. "Nenhuma mais a ser violentada!" ou "Mexeu com uma, mexeu com todas!" é o grito dessas mulheres. O empoderamento feminino é o que você pode fazer para fortalecer mais mulheres a serem livres e terem voz para decidir - sobre seus corpos, seus gostos, seus atos, enfim, sobre si mesmas.

Sem dúvida o movimento pela humanização dos nascimentos é um exemplo desta nova forma de fazer feminismo, promovendo a informação para que as mulheres possam ter mais escolhas sobre processos que são exclusivos de seu corpo e que ficaram há anos relegados ao domínio médico-masculino, como gestação, parto e amamentação.

Iniciativas em favor do empoderamento feminino como a recente aprovação da Lei do Feminicídio no Brasil, que torna crime hediondo o assassinato de mulheres apenas por serem mulheres; a promoção dos princípios de empoderamento de mulheres criados pela ONU em 2010 para o setor empresarial; ou levar 7 milhões de estudantes brasileiros a pensar o tema "A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira", como fez o ENEM em seu tema de redação em 2015, devem ser fortalecidas.

O empoderamento feminino é o inverso do silenciamento e da apatia.

"Nós percebemos a importância de nossa voz quando somos silenciadas" Malala Yousafzai, prêmio Nobel da Paz, ativista em defesa dos direitos humanos das mulheres e do acesso à educação.

*Escrito com Michelle Magrini, cientista social em formação, editora de conteúdo para redes sociais por acaso, ativista por convicção, ainda nômade por natureza.