OPINIÃO

15 coisas que você já ouviu sobre feminismo, mas que não passam de mentiras

10/01/2017 11:01 BRST | Atualizado 10/01/2017 11:01 BRST
shelma1 via Getty Images
International Women's Day poster. EPS 10 vector.

'O feminismo é odiado porque mulheres são odiadas'

A frase acima é da escritora e feminista radical, Andrea Dworkin.

Por ser um movimento revolucionário que se propõe a questionar, criticar e quebrar de vez com a estrutura patriarcal dominante que oprime mulheres, é esperado que o feminismo incomode. E tem que incomodar mesmo.

Porém, é comum que pessoas distorçam o real significado da luta feminista e a classifique de forma equivocada -- por desconhecimento ou por desinformação -- o que é contraproducente para o movimento e para as conquistas que ele quer alcançar.

Ainda que o feminismo tenha ganhado força nos últimos tempos, até mesmo dentro de espaço midiáticos, a demonização de mulheres feministas é gritante.

Pensando nisto, aqui está uma lista com as 15 mentiras que provavelmente você já ouviu sobre o movimento feminista -- e que precisam ser esclarecidas.

1. 'Feminismo é o contrário de machismo'

Licença, eu tenho que ir vomitar

Não. Nada disso. A gente explica: o feminismo é um movimento social e político de luta contra a estrutura patriarcal, que é o conjunto de relações sociais que estabelecem uma forma de hierarquia, controle e opressão nas relações entre homens e mulheres. Já o machismo é o modo como essas estruturas são reproduzidas em sociedade. Feminismo não oprime, pelo contrário, a luta é por libertação e por direitos básicos.

2. 'Feminismo são só essas meninas que andam de peito de fora'

Isso é sexista e absurdo

O sexismo na sociedade naturaliza que homens possam andar sem camisa, mas mulheres precisam se cobrir pela sexualização de seus seios. Devido a isso, algumas mulheres feministas acreditam que marchar nas ruas com os seios de fora é uma forma de "escracho" a esse padrão. No entanto, isto não é consenso dentro do movimento feminista, que é plural e tem vertentes de luta diferentes. A vertente que mais se enquadra nesse tipo de protesto é a do feminismo liberal, que se viabiliza na Marcha das Vadias, por exemplo.

3. 'Feminista é suja e não tem vaidade'

Eu não me importo.

Pra começo de conversa, acreditar que mulheres precisam necessariamente ser vaidosas é machismo. Por quê? Porque isso reforça a ideia de que mulheres são "itens decorativos", que só valem pela sua estética -- que, além de tudo, precisa estar no padrão branco e magro -- para "enfeitar o ambiente".

O feminismo faz com que você enxergue as amarras estéticas e simbólicas que a sociedade te põe, como a depilação e a maquiagem, por exemplo. O movimento não te proíbe de nada, mas te faz entender que você não precisa dessas coisas para se sentir bem consigo mesma -- você sentir essa necessidade é algo emblemático pela opressão que sofremos, e não é sua culpa.

Não se depilar, não usar maquiagem e se importar menos com a sua estética não te faz suja. Mas atenção: Se depilar e usar maquiagem também não te faz nem mais, nem menos feminista. O intuito da luta é desenvolver a criticidade para entender e lutar contra o que está por trás de tudo isso.

4. 'As feministas querem legalizar o aborto para praticar 'sexo ilícito''

O feminismo luta pela legalização do aborto, não pelo ato de abortar. E essa luta não é por "sexo ilícito", mas sim pela vida de mulheres, já que, embora o aborto seja legalmente permitido em três casos no Brasil, a prática é completamente outra.

Uma mulher de classe média é capaz de abortar de modo seguro em uma clínica por valores que variam entre 5 e 15 mil reais, enquanto mulheres pobres correm sérios riscos de vida e de serem presas como criminosas. O aborto clandestino é a quinta causa de mortalidade materna no Brasil. A cada ano, há mais de 200 mil atendimentos no Sistema Único de Saúde (SUS) por complicações pós-aborto, a maioria deles por procedimentos induzidos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são realizados mais de 1 milhão de abortos inseguros por ano no País.

Para debater este assunto, é necessário deixar opiniões pessoais referentes ao ato de abortar de lado e entender que este é um assunto de saúde pública! -- e é isto que o feminismo faz.

5. "Feministas odeiam crianças e mães"

O feminismo enxerga mães como o que elas de fato são: Mulheres, cheias de complexidade que não tem características maternais inatas. Dessa forma, o movimento entende que mulheres não nasceram para serem mães, como a sociedade impõe. Ter filhos deveria ser uma escolha, diferente do que acontece na realidade e essa pressão social que diz que "para uma mulher ser completa, ela precisa ser mãe", chama-se maternidade compulsória.

Entender isso, contudo, não implica na demonização de mães e filhos, pelo contrário. O feminismo acolhe tanto mães como suas crias -- já que a partir do momento que uma mulher se torna mãe, ela acaba sendo ainda mais marginalizada em tantos espaços.

6. "Mulheres se tornam feministas por serem "mal amadas" e nunca "terem conquistado um homem"

Mr. Oak, eu não quero um marido. Eu odiaria ser a propriedade de um homem.

Mulheres são seres autônomos, vocês queiram ou não!

Essa frase é lesbofóbica porque exclui mulheres lésbicas que não se relacionam afetivamente com homens. Além disso, demonstra o longo caminho que temos para garantir nosso direito de ser reconhecida como uma pessoa completa e independente, que não precisa ser validada por um relacionamento ou por um homem.

7. "Toda feminista é lésbica"

Primeiro de tudo: Ser chamada de lésbica não é demérito ou xingamento.

Isso posto, é preciso entender que essa frase não é verdade e demonstra a dificuldade que a sociedade tem de reconhecer o verdadeiro companheirismo entre mulheres -- já que somos ensinadas à uma eterna competição umas com as outras.

Dentro do movimento feminista há pluralidade de orientações sexuais, são mulheres heteros, lésbicas e bis que lutam em diferentes frentes contra os machismos diários que atingem a todas, ainda que de formas específicas.

8. "Feminista só é contra assédio quando é feito por homem feio"

Já foram feitas inúmeras pesquisas que quebram com esta mentira, mais de 80% das mulheres se sentem incomodadas com assédio e cantadas. Feministas lutam contra o assédio seja ele como for e da onde vier, porque além de ser crime, ele faz parte da cultura do estupro que violenta mulheres todos os dias.

O HuffPost Brasil fez um vídeo que mostra o que as mulheres estão mais cansadas de ouvir nas ruas.

9. "Feministas odeiam homens"

Homens, o mundo não gira ao redor de vocês. O feminismo, como explicado, é a luta de mulheres por libertação de estruturas sociais que as oprimem. Ponto.

10. 'Feminismo busca a IGUALDADE entre homens e mulheres'

Você deveria prestar atenção.Talvez você possa aprender algo.

Esse é um equívoco comum. Porém, como a feminista negra, Bell Hooks, já questionou em seus textos: A partir do momento em que vivemos em uma "supremacia branca, capitalista e de estrutura de classes patriarcal", a quais homens as mulheres almejariam se equiparar?

O intuito da luta feminista, portanto, é ir nas raízes das opressões e desigualdades sociais, para libertar, de fato, todas as mulheres. Pensar em se igualar ao que hoje é construído como homem, é pensar em se tornar opressor. Assim sendo, o movimento pretende a desconstrução de todas as formas de opressão.

11. 'Esse negócio de feminismo está ficando CHATO, né?'

Lide com isso

Sabe o que é chato? Ter sua intelectualidade questionada, ser inferiorizada e chamada de louca. Sabe o que é ainda pior? Não poder andar na rua sem medo de ser assediada, estuprada e morta.

As estatísticas falam -- e chocam -- por elas mesmas: Um mulher é violentada sexualmente a cada 11 minutos; uma em cada cinco mulheres é ou será vítima de abuso sexual durante sua vida; a cada uma hora e meia uma mulher é morta pelo fato de ser mulher.

O que está CHATO mesmo é a misoginia e o machismo.

12. 'Que as feministas são pagas pra militar'

Vamos lá: Desde o começo este texto mostra ponto a ponto o que consiste a luta feminista e como o feminismo incomoda por querer lutar contra a status quo da sociedade.

Assim sendo, quem pagaria para que mulheres fizessem revolução e acabassem com todo o sistema que as oprime, que inclui o sistema capitalista de exploração de classes e o racismo?

Dentre todas as mentiras que contam sobre o feminismo, esta certamente é a mais risível. Porque diante da realidade socioeconômica e política que se encontram as mulheres na sociedade, chegando a ganhar até 30% menos que homens para fazer o mesmo trabalho, fora os outros pontos citados acima, quem dera se elas ganhassem para lutar contra isso, não?

13. 'Feminismo é só uma fase, depois essas meninas percebem que não faz sentido'

Feminismo não é brincadeira, não é "rolê", não é uma fase da adolescência -- como o saudoso estilo emo.

O feminismo só seria passível de acabar a partir do momento em que vivêssemos numa sociedade onde não existisse mais nenhuma opressão e desigualdade entre os sexos.

14. 'Um homem pode ser feminista'

Não existem homens feministas porque o feminismo é uma luta de mulheres contra umaestrutura socialque dá privilégios aos homens e as oprime -- sendo que o agente opressor dessa realidade é o homem.

A sociedade é construída dessa forma, portanto é impossível abrir mão de tal privilégio sozinho, com escolhas individuais e pontuais. O que um homem pode (e deve) fazer é tentar, ao máximo desconstruir seu próprio machismo e de seus amigos homens -- respeitando que a luta feminista é protagonizada por mulheres.

Pensar que homens podem ser feministas é paternalizar uma luta que vai diretamente contra esse comportamento.

15. 'Não existe machismo, é só mimimi dessas feminazi'

Se alguém usa o termo "feminazi" para desqualificar a luta feminista isso só demonstra o quanto ela se faz necessária. No mais, esta imagem da Hermione sendo diva e o resto do texto dão conta de dar o recado.

LEIA MAIS:

- Comunidades de mulheres: Ambientes férteis para o crescimento conjunto

- Quer aprender o bê-a-bá do feminismo? A gente ensina

- Por que política e misoginia combinam tanto?

Também no HuffPost Brasil:

Por que o feminismo é importante