OPINIÃO

Contagioso

10/03/2015 19:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

O pessimismo no Brasil em 2015 é contagioso. As mensagens de preocupação que circulam dentro do país também são sentidas no exterior. Estive em Londres na semana passada e me fizeram muitas perguntas sobre a seca, sobre a situação econômica, sobre as consequências financeiras e políticas do caso Petrobrás. A percepção do Brasil, dentro e fora, é bem diferente em comparação a dois anos atrás, quando estava me preparando para chegar aqui. O Brasil continua sendo um país sem miséria, mas em 2015 o povo está um pouco pessimista.

De volta ao Brasil, escolhi nesta semana, em Recife, o Embaixador UK do Ciência Sem Fronteiras para 2015. Já escrevi sobre o sucesso desse programa, que levou para o meu país mais de 10 mil estudantes de todo o Brasil, a segunda maior quantidade dentre todos os países anfitriões, e o primeiro lugar em termos de satisfação. Queremos manter uma boa relação com todos os estudantes que estiveram no Reino Unido, e já estamos fazendo isso via Facebook.

2015-03-10-1426016551-5576548-image.jpg

Os quatro finalistas eram todos excelentes Embaixadores do Brasil. Além dos estudos, eles tinham aproveitado ao máximo a experiência de estar fora durante um ano. Um construiu um carro elétrico; outra ganhou uma medalha numa competição nacional de ginástica e conseguiu dominar o sotaque de Glasgow, um dos mais ricos e complexos do país; outro se tornou guia para facilitar a chegada de novos estudantes estrangeiros, apesar do fato de ele próprio ter chegado ao Reino Unido apenas algumas semanas antes. De todas as declarações ao júri, a minha preferida foi a de um finalista à pergunta: "o que você aprendeu no Reino Unido?" - "aprendi a cozinhar".

O contraste entre o otimismo desses estudantes e as mensagens de pessimismo generalizado no Brasil é grande. A conjuntura é difícil. Mas, um país que investe no seu futuro, vai recolher os bons frutos que está semeando agora. Os finalistas para a posição de Embaixador UK do Ciência Sem Fronteiras vão ter, além de qualificações em medicina, engenharia e computação, uma capacidade linguística invejável numa língua não só falada por meus compatriotas, mas também por quase todo o mundo, e a experiência de ter conhecido uma outra cultura. Para eles o Brasil - e o mundo - está cheio de oportunidades. O que foi contagioso nessas pessoas, ao contrário do cenário brasileiro, foi otimismo.