profile image

Aina Cruz

Redatora, tradutora, roteirista e blogueira

Aina Cruz é mestre em Tradução e Literatura pela USP e se intitula uma “artesã das palavras”. É redatora, tradutora, roteirista e blogueira. Como pesquisadora leiga das nuances da alma humana, roteirizou o documentário Recalculando Rotas: trajetórias para o amor contemporâneo e idealizou o projeto Toda memória conta uma história. É apaixonada por narrativas, curiosa por natureza, feminista por bom-senso e questionadora por vocação.
Jutta Kuss via Getty Images

Amo, logo, existo

Ao contrário, o amor, dessa vez, me fortaleceu, me encheu de possibilidades, riu das minhas trapalhadas e trouxe sorvete sempre. O amor instalou-se na minha casa sorrateiro, orgânico e sustentável. Fez macarrão à bolonhesa para o jantar. Fez playlist, foi comigo para Paraty, procurou casa e reside comigo agora na Vila Anglo - nosso pedacinho de interior na enorme São Paulo caótica.
13/01/2017 18:21 -02
Bodhi Hill via Getty Images

Eu ainda viverei os meus melhores dias

Eu, que tanto andei, que tanto mudei de profissão, de turma, de caso, de sonho, de gosto, de estilo, hoje, acho que estou autorizada a ousar dizer que permanecer pode ser uma grande aventura. Nessa existência volátil pós-moderna é preciso ter realmente coragem para arrumar as malas da permanência e aprontar o dia de não mais partir, afinal, construir o seu dia a dia com a solidez que só os novos sonhos desiludidos podem ter, pode ser tão mágico quanto fazer uma volta ao mundo.
22/07/2016 11:45 -03
Yuji Sakai via Getty Images

Carta aberta ao que apressadamente chamei de 'amor'

Caro amor (ou minha ideia romântica daquilo que possa vir a ser, quem sabe, algo parecido com isso que dizem ser amor), desculpe incomodá-lo assim, de madrugada, com essa carta. Mas é que não consigo parar de pensar nas pessoas que amei e, com as quais, não entendo porque, infelizmente, não permaneci.
16/02/2016 10:35 -02
Reprodução

Este discurso me ensinou o que é ser mulher no século XXI

Que a vida possa fluir para nós todos de maneira mais verdadeira, não determinada por aquilo que carregamos entre as pernas - esse trocinho aí é um mero detalhe. Afinal, o que realmente importa é que somos todos seres humanos - nascidos para brilhar e não para morrer de fome (existencial), como já disse Caetano.
11/08/2015 20:09 -03
Samuel Jackson/500px

Todo ser apaixonad@ é um tanto brega

Quem ama vê o que não está. Acredita no que não vê. Porque o amor é o tipo de fé que todos podem ter. O amor é o Deus de todas as religiões, povos, épocas. Em nome dele matamos. Em seu favor, morremos. Há quem diga que ele é um mito... Eu não sei se acredito.
30/06/2015 18:34 -03
davidfg/Flickr

Teoria das pessoas complexas

As pessoas complexas raramente sabem o que querem, mas frequentemente sabem o que não querem. É um tipo de gente que não sabe comer a vida pelas bordas e já enfia a colher, com tudo, no meio da sopa. Arriscam queimar a língua, porque sabem que se queimar, passa.
02/06/2015 15:09 -03
distelfliege/Flickr

Não seja mole. Dê duro no amor

Quando se ultrapassa os 25 anos de idade, a sua bagagem de frustrações já é tamanha, que parece completamente kamikaze se jogar na vida, no sonho, no amor, na alegria ou em qualquer coisa que não seja padronizada linha por linha, que fuja ao nosso controle e a nossa lógica.
29/04/2015 15:36 -03
Reprodução/Youtube.com

Sou mais um affair monocromático do que '50 tons de cinza'

Ai, Meu Deus! Eu assisti ao filme "50 Tons de Cinza". Desculpem-me se inicio o texto já de forma tão hiperbólica, mas é que só apelando para esse tipo de interjeição para demonstrar o que foi assisti-lo. Eu já tinha algumas ressalvas ao best-seller de Erika Leonard James, mas nunca imaginei que tanta bobagem junta poderia resultar em um grande sucesso!
27/02/2015 18:01 -03
divulgação

Por que você tem de ver e rever o filme 'Frances Ha'

O filme retrata com humor e delicadeza a frustração das expectativas. Trata da vida das pessoas comuns, dessa gente como a gente. Porque os filmes, os livros, os seriados sempre insistem em retratar as narrativas de extremo sucesso, a trajetória dos gênios e, no fim das contas, essas histórias só aumentam a nossa frustração diante de nossas possibilidades e de nossas vidas, pois o mundo é composto, de forma geral, por pessoas de QI normal, de habilidades medianas, de possibilidades suadas, de mais esforço do que de brilhantismo.
14/01/2015 16:03 -02