ENTRETENIMENTO
08/02/2018 17:33 -02 | Atualizado 09/02/2018 10:23 -02

Roteiros para quem sabe curtir #4: O que fazer no Recife e Olinda antes, durante e no pós-Carnaval

É hora de aproveitar os blocos de rua, dos inevitáveis frevo e do maracatu e dos bonecos de corpos e cabeças enormes.

É impossível pensar no Carnaval pernambucano e logo não lembrar dos blocos de rua, dos inevitáveis frevo e do maracatu e dos bonecos de corpos e cabeças enormes. Outra característica de Olinda e do Recife é que praticamente todas as festas são "open". Sim, nada de gastar com entrada, fila, camarotes ou coisas do tipo. Claro, as opções existem. O tradicional Galo da Madrugada, por exemplo, ganha cada vez mais opções de camarotes. Mas, em sua mais pura essência, o Carnaval pernambucano é da rua, nascido e criado para ser democrático.

Para além dos blocos, que forram as ruas de recordes de foliões - o Galo da Madrugada segue como o maior do planeta -, há ainda uma série de shows no Marco Zero, no Recife Antigo. É lá que Alceu Valença, Elba Ramalho e um sem fim de artistas desfilam seus hits. Também uma fez gratuita.

Portanto, a dica é comece pelas ladeiras de Olinda (cidade vizinha, distante 8 km de Recife) com os cerca de 500 blocos de rua e volte para capital pernambucana para terminar a noite com alguns dos artistas mais importantes do País.

DICAS SIMPLIFICADAS

DIA 4 DE FEVEREIRO

Olinda Beer

Onde e quando:​ Centro de Convenções de Pernambuco, 9h

DIA 10 DE FEVEREIRO

Galo da Madrugada

Onde e quando:​ Forte das Cinco Pontas, 7h (concentração)

Hoje a Mangueira entra

Onde e quando: ​Rua Coronel Joaquim Cavalcante, 12h (concentração)

DIA 11 DE FEVEREIRO

Enquanto Isso na Sala da justiça

Onde e quando:​ Alto da Sé, 10h (concentração)

DIA 12 DE FEVEREIRO

Pitombeira dos Quatro Cantos

Onde e quando:​ Praça 12 de março, 8h (concentração)

Encontro de Maracatus de Baque Solto

Onde e quando:​ Praça Ilumiaria Zumbi, Olinda, 10h (concentração)

DIA 13 DE FEVEREIRO

Ceroula

Onde e quando:​ Av. Joaquim Nabuco, 1392, Olinda, 12h (concentração)

DIA 14 DE FEVEREIRO

Bacalhau do Batata

Onde e quando:​ Alta da Sé, Olinda, 7h (concentração)

Getty Images

ONDE COMER:

RECIFE

Entre Amigos Bode

O que: ​Famoso pelo fondue sertaneja (cubos de carne de bode mais macaxeira frita e fatias de linguiça mergulhados em queijo de coalho no pão italiano)

Onde:​ Rua Marquês de Valença, 30, Boa Viagem

Leite

O que: ​Peixes e frutos do mar. Com 135 anos de vida, é um dos mais antigos do País

Onde:​ Praça Joaquim Nabuco, 147, Santo Antônio

Just Madá

O que: Lanches

Onde:​ Avenida Conselheiro Aguiar, 1360, loja 31, Boa Viagem

Reteteu Comida Honesta

O que: ​Moquecas, carnes e a famosa porção de pastéis de caranguejo

Onde: ​Rua Professor Otávio de Freitas, 256, Encruzilhada

OLINDA

Casa de Noca

O que: ​Comida brasileira

Onde:​ Rua Bertioga, 243

Bodega de Véia

O que: ​Lanches e porções

Onde:​ Rua do Amparo, 212

Naylê Comedoria

O que: ​Carne de sol é um dos destaques

Onde:​ Rua do Amparo, 71

DICAS DETALHADAS

Getty Images

DIA 4 DE FEVEREIRO

Para o pré-Carnaval, que tal uma passada pelo já tradicional Olinda Beer? São 21 anos de festa na que é uma das mais conhecidas festas que antecedem o Carnaval recifense. Todos os anos, milhares se juntam para acompanhar shows dos artistas que sabem como poucos festejar os quatro dias de folia. Neste ano, a festa, que tem ingressos que variam de R$ 40 a R$ 240, contará com Anitta, Marília Mendonça, Léo Santana, Wesley Safadão e Bell Marques.

DIA 10 DE FEVEREIRO

AFP

Nada é mais simbólico para o Carnaval de rua brasileiro que o Galo da Madrugada. Considerado o maior bloco do mundo, o Galo levou o título de maior bloco carnavalesco do mundo (Guinness Book) em 1995 e a ele só cresce. Já são 38 anos desde o primeiro desfile, que contou com cerca de 70 foliões. Para este, a expectativa é da presença de mais de 2 milhões de pessoas. O Galo começa em frente ao Forte das Cinco Pontas e segue para a Rua Imperial, Praça Sérgio Loreto (sede do Galo), passando ainda pelas avenidas Dantas Barreto e Guararapes.

O nome parece piada, mas o Hoje a Mangueira Entra é coisa séria. O bloco, como você pode suspeitar, presta homenagem à tradicional escola de samba carioca, a tradicionalíssima verde e rosa Mangueira. Prepare a roupa mangueirense e as pernas para as ladeiras de Olinda. É garantia de ótima música e muita folia.

DIA 11 DE FEVEREIRO

Mais um bloco que confirma o excelente tino pernambucano para nomes carnavalescos. O Enquanto Isso na Sala da Justiça nasceu em 1994 de uma conversa entre amigos fãs de super-heróis. A coisa, como você pode imaginar, pegou. E, bem, aguarde para hilárias investidas dos heróis e heroínas. Desde 2012, a festa ganhou trechos encenados, digamos assim. Já houve o beijo entre Homem-Aranha e Mary Jane - com direito a rapel do alto da caixa d'água da Sé, em Olinda. O que será que o personagem da Marvel vai aprontar neste ano?

DIA 12 DE FEVEREIRO

Um dos mais tradicionais de Olinda e também do Brasil. Nascido em 1947, o Pitombeira nasceu com os foliões tomando as ladeiras com galhos de pitomba. O desfile acontece no quarteirão conhecido como Quatro Cantos de Olinda, ponto dos mais concorridos da cidade durante os dias de Carnaval. Destaque para a orquestra do bloco, que é receita certa para não deixar ninguém parado. Aguarde pelo tradicional hino da troça, composto por Alex Caldas 65 atrás.

No mesmo dia, acontecem os desfiles de maracatus rurais de diversas regiões pernambucanas. O ​Encontro de Maracatus de Baque Solto é a pedida certa para quem quer sentir a música pulsando no coração e participar de um​ verdadeiro espetáculo a céu aberto. O frevo é o mais conhecido fora do estado, mas que já presenciou o Baque Solto sabe que a oportunidade é única e encantadora.

DIA 13 DE FEVEREIRO

Mas um pedaço da história do Carnaval nordestino e brasileiro. A Ceroula de Olinda nasceu da união de cinco foliões no já distante ano de 1962. O nome surgiu como uma espécie de provocação ao então existente Troça de Pijama. Cinquenta e seis anos depois, cabe ao mestre Oséas e à orquestra composta por 38 músicos comandar o arrastão. Mais uma atração sob medida para quem quer deseja conhecer o que há de mais típico no Carnaval pernambucano.

DIA 14 DE FEVEREIRO

Quem disse que Quarta-feira de Cinzas precisa ser triste? Logo cedo, o bloco O Bacalhau do Batata arrasta milhares de foliões pelas ruas para aproveitar os últimos instantes da festa de Carnaval mais democrática do País. Mas de onde vem o tal bacalhau? Bem, diz a lenda que o bloco nasceu da ideia de um garçom que trabalhava durante todo o Carnaval. Para aliviar o estresse de ter perdido a festa, o bloco surgiu em plena Quarta-feira de Cinzas, quando ele podia, enfim, botar o pé na frevo e balançar no frevo. O apelido do garçom? Batata. Anos depois, mal sabe o garçom que ele é responsável pelo menor pós-Carnaval pernambucano.

Getty Images