COMPORTAMENTO
02/02/2018 20:06 -02 | Atualizado 05/02/2018 13:56 -02

Glitter no Carnaval sem poluir: O guia para preparar o seu bioglitter em casa

Gente é para brilhar!

Divulgação/Studio Coletti
Aprenda a fazer glitter em casa.

É um caminho sem volta. Você decide cobrir o seu corpo de brilho e não há mais espaço para outra coisa na pele durante o Carnaval que não seja glitter. A festa é tão boa que você chega em casa um verdadeiro arco-íris; afinal, quanto mais colorido melhor. E a primeira preocupação que você tem ao final da folia é o trabalhão que vai dar para limpar todo aquele pozinho colorido do corpo.

Mas você tem ideia do que acontece com o meio ambiente quando você descarta o glitter? Ou ao menos sabe do que o brilhinho é feito?

As pequenas partículas que enfeitam os foliões são feitas de plástico e alumínio. Ao ser descartado, o glitter escorre pelos ralos da casa de cada folião. Por ter até cinco milímetros de diâmetro, o microplástico não consegue ser filtrado e cai nos oceanos.

Eles entram para a cadeia alimentar ao serem ingeridos por peixes e até por humanos. De acordo com um estudo publicado em 2015, existem entre 15 e 51 trilhões de micropartículas nos mares que afetam a fauna marinha atualmente.

Glitter Biodegradável

O efeito do glitter na poluição dos mares chamou a atenção de alguns foliões preocupados com o impacto ambiental, especialmente durante o Carnaval. A jornalista Camila Gregori decidiu produzir o seu próprio glitter com materiais biodegradáveis.

"Em 2016 eu fiz um curso de cosméticos naturais e comecei a mudar a maneira como eu consumo esses produtos. Isso me levou a repensar o uso de glitter no Carnaval. Comecei a testar receitas veganas à base de ágar-ágar em casa e tem dado certo. Por ser um produto feito de algas marinhas, o ágar-ágar dissolve em contato com a água e não polui os oceanos", compartilha Gregori em entrevista ao HuffPost Brasil.

O movimento tímido, mas engajado, virou negócio para alguns foliões. A carioca Frances Sansão começou a vender bioglitter artesanal para os seus amigos em 2016. Hoje, ela é reponsável pela marca Pura BioGlitter.

"Comecei a fazer em casa porque vi que no Brasil não existia um glitter biodegradável. Nos Estados Unidos eles já usam o bioglitter nas indústrias, feito à base de celulose. Mas aqui ainda não se discute sobre isso. A busca por glitter só aumenta. É uma moda que veio para ficar, não só no Rio, mas no País inteiro. Agora imagine milhões de foliões usando glitter por uma semana?", argumenta a empreendedora morada da capital fluminense, em entrevista ao HuffPost Brasil.

A marca vende o glitter sustentável com preços que variam de R$10 a R$32. O alto custo comparado ao glitter tradicional se deve, de acordo com Sansão, à dificuldade de encontrar fornecedores de matéria-prima de qualidade. Em sua receita, a carioca utiliza uma pasta feita de algas marinhas e pó de rochas.

"Temos que unir esforços para que a mudança aconteça. Todos os gestos individuais voltados para um consumo mais consciente fazem a diferença no resultado final, que é coletivo. Se temos opções mais sustentáveis, por que vamos encher nosso banheiro de plástico tóxico?", questiona Letícia Sanchez, gerente da Lush Brasil, marca de cosméticos naturais e livre de testes em animais.

Para diminuir o impacto da cadeia produtiva, a Lush passou a usar em suas receitas a mica sintética, que simula o brilho da mica natural.

"A decisão se deu após algumas dificuldades em relação ao fornecimento de mica natural, já que as empresas de mica não podiam mais garantir que não havia trabalho infantil envolvido na produção do ingrediente", explica.

Divulgação/Pura Bioglitter

Mas como preparar o seu bioglitter em casa? Teste esta receita

Passo 1: Escolha a sua base

Pode ser feita com pó de gelatina incolor (encontrado em supermercados), mas se preferir uma opção vegana teste o pó de ágar-ágar, também conhecido como gelatina vegetal (vendido em lojas de produtos naturais).

Passo 2: Misture

Faça uma pasta do pó com os corantes de sua preferência. Opte por compostos biodegradáveis como pó de beterraba, cúrcuma, spirulina e urucum. Se quiser um efeito mais brilhoso, adicione o pó de mica, um mineral natural.

Passo 3: Deixe secar

Espalhe a pasta em uma camada fina sob um tapete de silicone. Deixe secar integralmente. Isso pode durar até 36 horas.

Passo 4: Triture

Com a pasta completamente seca, triture em um mixer (processador menor) para ter o efeito da purpurina.

Dicas para evitar que o seu glitter polua os oceanos

Se você ama usar o brilhinho na folia, evite retirá-lo com água. O ideal é usar algum óleo ou creme na pele, limpá-la bem com um algodão e só depois ir para o chuveiro. Assim você evita que as micropartículas de plástico entrem na corrente de água.

Onde comprar bioglitter

Selecionamos algumas marcas que produzem bioglitter e entregam em todo o Brasil:

Glitra Bio

Brilhow

Zim Color

Caminito

Agora é só brilhar!

'Glitter designer': A profissão 'bombante' deste Carnaval