ENTRETENIMENTO
16/01/2018 09:39 -02 | Atualizado 16/01/2018 09:47 -02

Estes 14 cineastas estão na briga pelo Oscar de Melhor Direção em 2018

Greta Gerwig, Patty Jenkins ou Dee Rees vai se tornar a quinta mulher já indicada para esse prêmio?

A24/Warner Bros/Universal

Faltando alguns dias até o anúncio dos candidatos ao Oscar, a discussão travada todos os anos voltou a emergir: será que uma mulher fará parte dos finalistas na categoria de Melhor Direção?

Nos 89 anos de história dos prêmios da Academia, apenas quatro mulheres estiveram entre os indicados: Lina Wertmuller, Jane Campion, Sofia Coppola e Kathryn Bigelow. Algumas outras são possibilidades para a lista de finalistas de 2018, que, é claro, será dominada por homens. O Globo de Ouro não indicou nenhuma diretora mulher, mas a Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood não tem eleitores que também façam parte da Academia, de modo que a possibilidade de prever resultados do Oscar a partir dos do Globo de Ouro é pequena.

Seja qual for a lista de finalistas a ser anunciada quando a votação do Oscar começar, em 23 de janeiro, a categoria de melhor direção inclui vários nomes de primeira grandeza. Mesmo os candidatos menos experientes já conquistaram o respeito de Hollywood. Quais serão os cinco cineastas que receberão a honra de ser os finalistas deste ano? Segue uma lista de nomes possíveis, classificados segundo suas chances de ser escolhidos.

  • 14 Alexander Payne, Pequena Grande Vida
    Paramount Pictures
    A Academia ama Alexander Payne. Cada um de seus filmes desde "Eleição", de 1999, foi indicado por seu roteiro, direção e/ou atores. Isso apontaria para um futuro brilhante para "Pequena Grande Vida", não fosse pelo fato de ser o filme mais divisivo criado por Payne até hoje. Na verdade, muitas das críticas são negativas. Mesmo assim, o National Board of Review, organização nacional de críticos de cinema, citou o filme como um dos dez melhores do ano. Se Payne entrar para a lista de finalistas, será um reconhecimento de sua reputação excelente.
  • 13 Joe Wright, O Destino de Uma Nação
    Focus Features
    "O Destino de Uma Nação" satisfaz várias das exigências da lista tradicional dos filmes reconhecidos pelo Oscar: é um filme de época, do tempo da Segunda Guerra Mundial, com atuações magníficas dos atores e direção metódica. Mas é possível que as entidades premiadoras estejam deixando de lado as apostas seguras como esta, já que "O Destino de Uma Nação" não teve bons resultados nos prêmios precursores. Não constitui bom presságio para Joe Wright, que provavelmente gostaria que a Academia se redimisse depois de não tê-lo indicado como diretor por "Desejo e Reparação", que foi indicado a melhor filme.
  • 12 Dee Rees, Lágrimas Sobre o Mississippi
    Netflix
    "Mudbound" foi visto como possível candidato ao Oscar assim que estreou no festival Sundance, em janeiro. Mas então foi comprado pelo Netflix, levantando dúvidas quanto às suas perspectivas de prêmios, em vista do posicionamento de Hollywood contra os serviços de streaming. Mesmo assim, o filme continuou como segundo favorito ao longo da temporada de premiações, fato que mantém o nome da diretora Dee Rees no pool de possíveis indicados. A diversificação recente dos membros da Academia pode acabar lhe dando justamente o empurrãozinho que ela necessita.
  • 11 Patty Jenkins, Mulher Maravilha
    Warner Bros
    Ainda em julho a Warner Bros começou a planejar uma campanha forte para levar seu blockbuster feminista tremendamente popular para a disputa por prêmios. Até agora o esforço não rendeu muitos frutos. A resistência da Academia a filmes de grande orçamento que fazem parte de franquias não vai beneficiar "Mulher Maravilha", mas quem sabe o filme se saia bem se as consequências do escândalo de assédio sexual obrigarem a organização a honrar uma mulher.
  • 10 Sean Baker, Projeto Flórida
    A24
    Sean Baker é antitradicional de todas as maneiras possíveis – ele é a nova guarda de Hollywood. O diretor gosta de histórias sobre marginalização que sejam relatadas muito longe de qualquer coisa que se assemelhe à máquina habitual dos estúdios. Num primeiro momento, "Projeto Flórida" parecia um pouco pequeno demais para os Oscar. Mas o filme se saiu bem nas bilheterias, muito bem mesmo nas listas do fim de ano e em premiações que dão o tom para o Oscar. Baker já levou para casa alguns prêmios de direção, de modo que já é bem mais do que apenas um brilho distante no olhar do Oscar.
  • 9 Paul Thomas Anderson, Trama Fantasma
    Focus Features
    "Trama Fantasma" pulou o circuito dos festivais, de modo que não precisou abrir caminho por meses de zunzunzum. Depois de finalmente ser exibido, em dezembro, as críticas que recebeu foram efusivas. Embora sua dramaticidade pareça um pouco esdrúxula e elíptica demais para os eleitores convencionais da Academia, vale lembrar que dois dos filmes mais esdrúxulos e elípticos de Paul Thomas Anderson -- "Magnólia" e "Vício Inerente" – receberam indicações por seus roteiros. Esta pode ser a segunda vez que o diretor fica de fora das indicações na categoria de direção, depois de "Sangue Negro."
  • 8 Martin McDonagh, Três Anúncios Para Um Crime
    Fox Searchlight
    A corrida pelo Oscar de melhor filme em 2018 ainda não tem um favorito evidente, e algumas pessoas se apegam à ideia de que "Três Anúncios para um Crime" possa ser esse favorito. O filme recebeu o prêmio de público do Festival de Cinema de Toronto, visto como um dos indicadores de tendências da temporada de premiações. Mas a narrativa em torno do filme de Martin McDonagh mudou nas últimas semanas, quando muitos críticos começaram a analisar o retrato bizarro feito do racismo interiorano. Dramaturgo respeitado que foi indicado anteriormente pelo roteiro de "Na Mira do Chefe", McDonagh talvez tenha que contentar-se em ser reconhecido na categoria de melhor roteiro original.
  • 7 Ridley Scott, Todo o Dinheiro do Mundo
    Sony Pictures
    Eis o super-herói que a categoria necessita. Grandes nomes de Hollywood vão adorar as histórias de Ridley Scott correndo para refilmar "Todo o Dinheiro do Mundo" com Christopher Plummer no papel representado originalmente por Kevin Spacey, acusado de ser predador sexual. Em uma reviravolta sem precedentes, Scott mesmo assim conseguiu levar o filme aos cinemas dentro do prazo previsto. Um diretor não poderia pensar em divulgação melhor que essa. Mesmo que "Todo o Dinheiro do Mundo" não seja excepcional, o diretor, que já foi indicado três vezes, é visto como um dos veteranos mais respeitados da indústria e acaba de validar sua estatura.
  • 6 Luca Guadagnino, Me Chame Pelo Seu Nome
    Sony Pictures Classics
    Precisamos falar de como é possível alguém assistir a "Me Chame Pelo Seu Nome" e não adorar a efervescência sensual de cada quadro. O sensível romance gay criado por Luca Guadagnino é um dos lançamentos mais aclamados do ano. Mas, sem a injeção de gás adicional da ressonância política pontual, o filme terá que concorrer por seus próprios méritos. É agradável dizer isso sobre um filme com personagens gays, mas há um porém: outro filme gay, "Moonlight" – Sob a luz do luar" recebeu o Oscar de melhor filme em 2017, razão por que pode ser mais fácil deixar "Me Chame" de lado. Guadagnino já levou para casa inúmeros prêmios independentes, mas foi omitido da lista de finalistas do Globo de Ouro.
  • 5 Grega Gerwig, Lady Bird - A Hora de Voar
    A24
    Greta Gerwig é nossa grande esperança de conseguir que uma diretora original mulher seja indicada para melhor direção. O trabalho de direção em "Lady Bird" não se anuncia com a espécie de grandeza que costuma chamar a atenção nesta categoria, mas o misto de comédia e drama sobre uma jovem em processo de amadurecimento é tão amado pelo público que Gerwig não vai precisar de truques visuais excepcionais para nos convencer de sua habilidade. Ela já tem uma indicação para melhor roteiro praticamente garantida; será que isso significa que os eleitores do Oscar vão ignorá-la na direção? Foi o que fez o Globo de Ouro, mas a Academia talvez seja mais proativa para evitar sinais de misoginia no ano do movimento "Me Too".
  • 4 Steven Spielberg, The Post - A Guerra Secreta
    Fox
    É fácil achar que o lugar de Steven Spielberg entre os indicados a melhor diretor é garantido. Ninguém que trabalha com tanta frequência quanto ele cria filmes tão constantemente bons (estamos olhando para você, Woody Allen). De fato, Spielberg abandonou o que estava fazendo para apressar a produção de "The Post" para que filme pudesse chegar aos cinemas este ano, com seus temas tão relevantes para o momento atual: liberdade de imprensa, liderança feminina, autoridades governamentais corruptas. Funcionou. O filme é o melhor de Spielberg desde... bem, desde qualquer dos filmes do diretor que você acha que tenha sido seu último grande filme -- "Lincoln"? "Munique"? "O Terminal"? (brincadeira.) Ele tem uma indicação ao Globo de Ouro para mostrar do que estamos falando.
  • 3 Jordan Peele, Corra!
    Universal Pictures
    Jordan Peele fez o filme mais importante do ano: um suspense cheio de ressonância social, que agradou ao público e cujo orçamento reduzido (US$5 milhões) comprovou que os estúdios não precisam de grandes franquias para criar filmes rentáveis. "Corra!" é uma masterclass sobre a arte da direção cinematográfica, partindo de seu roteiro enxuto e cheio de reviravoltas, mas cristalizado na linguagem visual criada pelo Lugar Afundado. Peele não saiu do circuito da mídia desde que seu filme estreou, em fevereiro de 2017, razão pela qual a inclusão de seu nome entre os finalistas é praticamente certeza.
  • 2 Guillermo del Toro, A Forma da Água
    Fox Searchlight
    Artesão técnico que nunca recebeu uma indicação nessa categoria, Guillermo del Toro não precisará procurar muito para encontrar pares que o adoram. Sua fama é de ser um sujeito bacana, que todos gostam; os atores imploram pela chance de trabalhar com ele. E o romance de ficção científica "A Forma da Água" é seu filme mais apreciado pela crítica desde "O Labirinto do Fauno", indicado para melhor roteiro. A impressão que se tem é que agora chegou sua vez, e ele tem uma indicação ao Globo de Ouro que o reforça.
  • 1 Christopher Nolan, Dunkirk
    Warner Bros

    A Warner Bros quer muito, muito que Christopher Nolan seja indicado a melhor diretor. Aproveitando os retornos impressionantes de bilheteria de "Dunkirk" em julho, o estúdio manteve Nolan na estrada desde então. Ele já participou de inúmeros debates em espaços ligados ao cinema, e este mês "Dunkirk" foi relançado nos cinemas, seguindo uma tática empregada mais de uma vez já por campanhas ao Oscar. O fato de nunca ter sido indicado a melhor diretor é exatamente o que Nolan precisa para a Academia achar que já passou da hora de lhe dar esse reconhecimento..

    A cerimônia do Oscar irá ao ar em 4 de março.

Vídeos de gatos de menos de 30 segundos