ENTRETENIMENTO
12/01/2018 20:00 -02 | Atualizado 12/01/2018 20:00 -02

Estes 16 filmes estão na briga pelo Oscar de Melhor Filme em 2018

'Corra' está na dianteira.

Fox/A24/Universal/Warner Bros

Depois de um ano político complicado e das repercussões enormes de casos de erro de conduta sexual em Hollywood, esta temporada do Oscar está parecendo arrastada e trivial. Mas o show precisa continuar, então anotamos nossas previsões para as seis categorias mais importantes do Oscar.

A entrega dos prêmios deste ano será uma oportunidade de avaliar em que pé está a indústria do cinema e, correndo o risco de soarmos grandiloquentes, o estado do mundo em que vivemos. Os astros e estrelas presentes não estão deixando a oportunidade passar em branco. Na cerimônia do Globo de Ouro, no domingo passado, vestiram preto para assinalar seu protesto contra o assédio sexual.

O envio dos votos para o Oscar começa nesta sexta-feira, e as campanhas milionárias dos estúdios estão chegando à reta final. Falta pouco para o anúncio dos filmes indicados, em 23 de janeiro. Mas a competição entre os possíveis indicados ao Oscar de melhor filme deste ano ainda está indecisa. Um sem-número de filmes pode ter a sorte grande, mas desconfio que "Corra!", "Ladybird", "The Post – A Guerra Secreta", "Dunkirk" e "Três Anúncios para Um Crime" são os favoritos reais.

Veja a seguir os 16 trabalhos mais bem cotados para melhor filme, classificados segundo sua probabilidade de ganhar.

16. Star Wars: Os Últimos Jedi

  • Disney

    Desde o original de 1977, nenhum filme da franquia "Star Wars" foi indicado ao Oscar de melhor filme, mas, e se estivermos passando por cima das chances de "Os Últimos Jedi" fazerem parte desta disputa? O filme não foi lançado a tempo de concorrer à maioria dos prêmios precursores, então é impossível avaliar o hype com base dos prognósticos de praxe. "O Despertar da Força" entrou em algumas das listas de última hora de filmes favoritos, e "Os Últimos Jedi" foi muito mais elogiado (pelo menos pela crítica especializada). A transmissão do Oscar na TV geralmente tem audiência maior quando há um blockbuster entre os indicados, e essa seria uma maneira conveniente de a Academia homenagear um gênero que geralmente só é reconhecido em categorias técnicas. Além disso, a Disney lançou uma campanha para levar o filme à atenção dos eleitores do Oscar, e talvez o esforço possa funcionar. Se isso acontecesse, seria no mínimo uma banana para os trolls que reclamam do excesso de mulheres em "Os Últimos Jedi" ou dizem que o filme não é suficientemente nostálgico.

  • 15. Mulher Maravilha

    Warner Bros

    Graças ao sucesso estrondoso de "Mulher Maravilha", a Warner Bros identificou o filme como possibilidade de Oscar, merecedor de uma campanha de divulgação. E, em um ano marcado por uma onda feminista, parece possível que o blockbuster de Parry Jenkins consiga uma indicação. Afinal, a categoria de Melhor Filme foi ampliada para incluir um máximo de dez títulos em parte pelo fato de "O Cavaleiro das Trevas" ter ficado de fora em 2009. Mas blockbusters deste tamanho simplesmente não são o que os eleitores do Oscar costumam procurar, não importa qual seja sua mensagem política. "Mulher Maravilha" tem mais chances que "Os Últimos Jedi", mas é provável que ambos fiquem de fora.

  • 14. Todo o Dinheiro do Mundo

    Sony Pictures

    "Todo o Dinheiro do Mundo" tem uma das melhores histórias já vistas em qualquer candidato a Oscar: um mês antes de seu lançamento o diretor Ridley Scott refez partes do filme, substituindo Kevin Spacey, caído em desonra, por Christopher Plummer, que ganhou uma indicação ao Globo de Ouro por seus esforços. Surpreendentemente, "Todo o Dinheiro do Mundo" estreou no prazo previsto, recebendo resenhas educadamente positivas mas demonstrando pouca força na bilheteria. Se ficar entre os finalistas, será como reconhecimento à reação prontíssima de Hollywood ao movimento atual de crítica aos responsáveis por assédio sexual.

  • 13. Eu, Tonya

    NEON

    "Eu, Tonya" gerou muita repercussão pelo olhar cômico que lança sobre a violência doméstica e a consciência de classe nos Estados Unidos. Quem gosta do filme gosta mesmo, e isso tem grande importância para o Oscar, que usa um sistema de votos preferenciais. Com seu olhar sombrio sobre a história muito conhecido da derrocada pública da patinadora artística Tonya Harding, "Eu, Tonya" recebeu uma indicação a Melhor Filme no Globo de Ouro e de Melhor Roteiro do Sindicato dos Roteiristas da América, conservando suas chances vivas.

  • 12. Trama Fantasma

    Focus Features

    Os filmes de Paul Thomas Anderson nunca são grandes sucessos comerciais, mas isso nunca prejudicou o diretor na disputa por Oscar. Mesmo seu trabalho mais enigmático, "Vício Inerente", ganhou uma menção na categoria de melhor roteiro. "Trama Fantasma" provavelmente não será o filme que finalmente modifique essa situação do diretor, e o fato de que só foi visto pela imprensa especializada e nomes da indústria do cinema no final de novembro também dificulta seu avanço. Os figurinos são lindos, as atuações são magistrais e a trilha sonora é divina. Mas "Trama Fantasma" é uma história bizarra sobre sadomasoquismo light. Pode não ser exatamente do gosto da Academia.

  • 11. Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi

    Netflix

    Exibido em Sundance, "Mudbound" deu a impressão que seria um dos maiores candidatos a prêmios mostrado no festival. Mas então o filme foi vendido ao Netflix, uma plataforma que alguns da velha guarda ainda detestam porque está atrapalhando a distribuição tradicional em cinemas. Será que um número suficiente de eleitores da Academia vai se convencer a não penalizar o grande drama racial de Dee Rees pelo fato de ter ido parar numa plataforma de streaming? Um fato promissor foi que o filme recebeu a indicação cobiçada a Melhor Elenco do Sindicato de Atores do Cinema e da Televisão, embora esse sindicato represente apenas uma pequena parcela do total da Academia. Diretores e afeitos das categorias técnicas serão mais seletivos que atores quando se trata do melhor formato para se assistir a um filme.

  • 10. O Destino de Uma Nação

    Focus Features

    "O Destino de uma Nação" – sabe qual é, o outro filme sobre a evacuação de Dunkirk – parece feito especialmente para atrair interesse no Oscar. O filme de época de Joe Wright é elogiável; é melhor que os projetos comuns que pescam indicações a prêmios, mas não chega a ser o trabalho mais interessante a figurar em qualquer prognóstico. Uma atuação transformadora de Gary Oldman, uma trilha musical vigorosa de Dario Marianelli e uma história dinâmica sobre liderança com humildade, tudo isso cria um coquetel que vai atrair especialmente os eleitores mais velhos, que prefeririam que os Oscar reconhecessem o mesmo tipo de coisa todos os anos.

  • 9. Doentes de Amor

    Roadside Attractions

    Um dos sucessos menos imediatos do verão, "Doentes de Amor" tem exatamente a cara de uma comédia romântica moderna. Usando a experiência imigrante americana para contar uma história de amor intercultural, Kumail Nanjiani e Emily V. Gordon redigiram um dos roteiros mais charmosos do ano, e, desde que o filme foi lançado, fizeram um trabalho fantástico de divulgação. E "Doentes de Amor" vem sendo bem recebido, tendo levado as indicações principais do Sindicato de Atores. Comédias como estas já estiveram entre os finalistas para melhor filme – pense em "Pequena Miss Sunshine" e "Juno"--, e "Doentes de Amor" parece ter tudo para ser bem acolhido pelos membros mais jovens e diversificados da Academia.

  • 8. Projeto Flórida

    A24

    "Projeto Flórida" é testemunha da criatividade e garra do cinema independente. Com um orçamento modesto de US$2 milhões, Sean Baker chamou desconhecidas para representar uma mãe sem dinheiro e sua filha de 6 anos que vivem em um hotel barato do lado de fora da Disney World. Algo que começa com uma história excêntrica e charmosa sobre as desventuras de algumas crianças soltas acaba virando um retrato comovente das dificuldades e provações da classe mais baixa. Visto inicialmente como sendo de escala pequena demais para o gosto dos Oscar, o filme acabou arrecadando um valor respeitável nas bilheterias, apesar de ter sido exibido em apenas 229 cinemas. Vale a pena torcer por "Projeto Flórida".

  • 7. Me Chame Pelo Seu Nome

    Sony Pictures Classics

    "Me Chame pelo Seu Nome" é universalmente aclamado, mas falta a ele a espécie de narrativa que poderia ajudar a empurrá-lo até o pódio do Oscar. Romance gay que é mais sensual do que abertamente político, a obra-prima de Luca Guadagnino não transmite a mesma consciência social de "Moonlight – Sob a Luz do Luar", quando este recebeu a estatueta de melhor filme. Infelizmente, alguns eleitores vão achar que acabaram de entregar o Oscar a um filme gay no ano passado. E, embora "Me Chame" tenha evitado, em grande medida, a reação contrária que atinge muitos dos candidatos mais bem cotados na era do Twitter, o filme vem tendo que lidar com seus fãs ardorosos desde que estreou em Sundance em janeiro. É uma longa estrada para percorrer sem um gancho mais pontual para fisgar os eleitores da Academia que queiram homenagear o filme mais representativo do caos de 2017.

  • 6. A Forma da Água

    Fox Searchlight

    São raros os filmes que fundem maestria técnica e narrativa paciente com tanta fluidez. Nenhum dos trabalhos anteriores de Guillermo del Toro foi indicado a Melhor Filme, fato que converte "A Forma da Água" em uma espécie de reconhecimento pelo conjunto da obra do cineasta. Tendo à sua base um lindo romance entre seres de espécies diferentes e uma ambientação de época que rende homenagem à Velha Hollywood, o filme possibilita aos eleitores pensarem com a cabeça e também o coração. No entanto, as críticas altamente positivas não se traduziram em muitos reconhecimentos precursores. "A Forma da Água" vai receber várias indicações em categorias técnicas, mas a impressão é que está destinado a ser amado, mas não premiado.

  • 5. Três Anúncios Para um Crime

    Fox Searchlight

    O misto de comédia e drama de Martin McDonagh ganhou o prêmio do público no Festival de Cinema de Toronto num momento em que ainda não havia nenhum candidato preferencial evidente. Esse reconhecimento, visto como previsor confiável dos candidatos ao Oscar de melhor filme, destacou "Três Anúncios" como favorito de fato. Mas, quando o filme estreou nos cinemas, em novembro, a crítica especializada contestou sua política racial turva. Por outro lado, "Três Anúncios" retrata uma mulher corajosa que protesta contra o estupro de sua filha – uma ideia que tem tudo a ver na era do "Me Too". Qual polo político vai prevalecer? Com base nos prêmios precursores, "Três Anúncios" ainda está muito bem situado na disputa por melhor filme: recebeu a indicação principal nos prêmios do Sindicato de Atores, vistos como o previsor mais importante do Oscar porque muitos de seus eleitores são os mesmos da Academia.

  • 4. Dunkirk

    Warner Bros

    A Warner Bros se esforçou muito para conservar "Dunkirk" na disputa, levando o diretor Christopher Nolan, nunca antes indicado ao Oscar, em todo lugar para exibir o filme e dar entrevistas sobre sua saga cinemática sobre a Segunda Guerra Mundial. "Dunkirk" já perdeu um pouco de sua reputação de aposta principal para o Oscar de melhor filme, mas encerrou 2017 como o filme de maior bilheteria que não está ligado a uma franquia ou remake. Isso só pode valer alguma coisa, especialmente considerando que o filme também deve ser muito apreciado nas categorias técnicas.

  • 3. The Post

    Fox

    Em fevereiro passado Steven Spielberg abandonou tudo o que estava fazendo para priorizar "The Post". Isso pode ou não ser a razão por que o roteiro ressalta fortemente temas tão relevantes para o momento atual: a liberdade de imprensa e o papel de mulheres na liderança. Esse enfoque muito forte não prejudica o filme em nada. Avançando em um ritmo dinâmico e próprio de um tempo passado, "The Post" coloca Meryl Streep e Tom Hanks juntos na tela pela primeira vez. E quem pode deixar de ser seduzido pela santíssima trindade de Hollywood, especialmente quando seus integrantes já falaram com tanta elegância sobre os temas do filme? "The Post" não recebeu indicações dos sindicatos de atores ou de roteiristas, mas isso não foi obstáculo para outros filmes indicados ao prêmio máximo nos últimos anos, como "Até o Último Homem" ou "O Regresso", por exemplo..

  • 2. Lady Bird - Hora de Voltar

    A24

    "Lady Bird" abriu caminho para o Oscar com base em seu mérito próprio: depois de ter sido muito bem recebido no circuito dos festivais de cinema do outono americano, a A24 tomou a sábia decisão de estampar sua avaliação então perfeita no site Rotten Tomatoes nos cartazes do filme. Desde então, "Lady Bird" se tornou o lançamento de maior sucesso comercial até hoje do estúdio independente, superando "Moonlight" e provando que filmes sobre meninas teens podem ser tão sofisticados e nuançados quanto os dramas mais grandiosos que saturam a temporada do Oscar. "Lady Bird" é o tipo de filme pelo qual as pessoas querem torcer – simpático, caloroso e nostálgico de todas as maneiras certas. Com a atenção merecida que recebeu dos prêmios do Sindicato de Atores e do Globo de Ouro (o mesmo que amor, não acha?), "Lady Bird" tem boas chances de levar o prêmio para casa.

  • 1. Corra!

    "Corra!" teve a campanha de divulgação mais furtiva do ano. Depois de o filme virar fenômeno inesperado e crescente, em fevereiro e março, a Universal Pictures promoveu uma festa para marcar seu lançamento digital – o tipo de evento normalmente associado a candidaturas ao Oscar. O roteirista e diretor Jordan Peele não saiu mais do circuito da mídia, onde continuou a promover discussões sobre a sátira racial da história. Algumas semanas atrás, entre tuites sobre como "Corra!" poderia ser considerado um filme de Natal, Peele foi objeto de um perfil no "New York Times". Sua presença contínua na mídia acrescentou seriedade a um filme que os eleitores do passado talvez tivessem descartado como nada mais que um thriller feito para fisgar o público. Agora o Academia poderá apostar em um filme que é ao mesmo tempo politicamente consciente e atraente para o grande público. É exatamente o que precisa o Oscar 2018.