POLÍTICA
10/01/2018 19:16 -02 | Atualizado 11/01/2018 00:09 -02

Governo Temer elimina 60,9 mil cargos; alguns ultrapassados como os de datilógrafo e enumerador

Também entra em vigor a proibição de novos concursos públicos e aumento de vagas nos editais que estão em andamento.

AFP/Getty Images
Decreto faz parte de medida do governo anunciada em agosto.

Textos, cartas, documentos... até o início dos anos 1990 ainda era comum os empregadores contratarem um datilógrafo para ficar responsável pela transcrição desses materiais.

Os anos passaram e, agora, o governo do presidente Michel Temer abre 2018 com a extinção de 60,9 mil cargos.

Do total, 7,2 mil das vagas que serão fechadas são as de datilógrafo.

Além do profissional da digitação, o governo anunciou outras funções que deixarão de existir. Entre elas estão:

Perfurador-digitador;

Radiotelegrafista;

Operador de computador;

Enumerador;

Desenhista copista;

Fitotecário (profissional que administra dados constantes em fitas, discos magnéticos e listagens);

Arquivista de tapes;

Editor de vídeo-tape;

Discotecário, e

Recreador.

Getty Images/iStockphoto
Há cortes nos cargos de datilógrafo, datilógrafo de textos gráficos e também de científicos.

O governo aproveitou para passar a tesoura em vagas de outras categorias, como:

Massagista;

Vestiarista (um profissional responsável pelo cuidado das roupas, geralmente alocado em hospitais para cuidar de aventais e jalecos);

Copeiro;

Ator;

Inspetor de café;

Classificador de cacau;

Condutor de lancha;

Costureiro;

Sertanista;

Afinador de instrumentos musicais, e

Hialotécnico (que molda vidros).

Decreto

Os cargos que ainda estão ocupados deixarão de existir quando o profissional desocupar a vaga. A justificativa do governo para os cortes é evitar gerar despesa futura. O decreto publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (10) faz parte de um pacote do Ministério do Planejamento de redução de gastos anunciado em agosto do ano passado.

Também entra em vigor nesta quarta-feira a proibição de novos concursos públicos e aumento de vagas em relação ao que foi previsto nos editais que estão em andamento.

A mais grave crise do Governo Temer