COMPORTAMENTO
05/01/2018 15:42 -02 | Atualizado 05/01/2018 21:45 -02

8 tipos de pessoas tóxicas para deixar para trás em 2018

Vão com Deus.

laflor via Getty Images

O ano novo é uma oportunidade de se afastar das pessoas negativas que pesam na sua vida.

Seja colegas de trabalho, amigos ou parentes, estabelecer limites com essas pessoas tóxicas – ou tirá-las da sua vida completamente – pode ser difícil, mas necessário e libertador.

Pedimos que especialistas explicassem que tipo de pessoa é melhor deixar para trás ao começar o ano de 2018. E aqui está o que eles responderam.

1. O negativo

As pessoas que fazem parte da sua vida deveriam comemorar suas conquistas – não jogar um balde de água fria quando você compartilha cada uma delas. Mas as pessoas negativas sempre acham alguma coisa para reclamar sobre as suas vitórias.
Recebeu um aumento? "Só isso? Você merece muito mais pelo trabalho que vem fazendo", é uma resposta típica.
Acabou de planejar as férias dos seus sonhos? "Tem certeza que quer ir nessa época? É muito lotado."

"Pessoas tóxicas conseguem acabar com a alegria e distorcer suas boas notícias", argumenta Sheri Meyers, terapeuta família, ao HuffPost. "Elas sempre encontram algum problema naquilo que você compartilha."

E, embora pareça ser uma preocupação genuína, muitas vezes não é.

"Não deixe que as pessoas negativas e suas supostas preocupações diminuam sua felicidade ou acabem com seu ânimo", diz Meyers. "Essas pessoas não estão preocupadas com o que é importante ou melhor para você."

2. O gaslighter

Essas pessoas vão tentar atacar, minar ou questionar sua percepção da realidade, para que você comece a duvidar de si mesma. Elas sempre querem manter uma posição superior no relacionamento.

"Como todas as pessoas tóxicas, os gaslighters são inseguros. Esses meios são efetivos para que eles consigam o que querem, mas são extremamente prejudiciais para relacionamentos", diz a terapeuta Amanda Stemen ao HuffPost. "Elas podem mentir e negar, apesar das provas que mostram o contrário, e até tentar te confundir, te fazer achar que você é o problema ou colocar os outros contra você."

Em alguns casos, os gaslighters podem não perceber que estão fazendo isso. E aqueles que tem a consciência do comportamento podem não estar preocupados com os problemas que estão causando. Stemen recomenda evitar o contato com essas pessoas, até que elas sejam capazes de assumir a responsabilidade por seu comportamento.

3. O 'usuário'

O 'usuário' é aquele que te usa, exige seu tempo, sua energia e seus recursos, sem levar em conta as suas necessidades.

"A menos que suas necessidades tenham impacto direto na agenda narcisista deles, o usuário só vai te dar o suficiente para que você continue sendo um recurso útil para ele", diz o psicólogo Ryan Kelly ao HuffPost.

Kelly também observa que os esses tipos de pessoas tendem a ser pessoas agradáveis, que sempre se aproveitam do seu charme natural.

"Pode ser incrível estar por perto dessas pessoas. Quando é conveniente, eles te fazem se sentir importante e amado. Mas, quando não é o caso, eles te fazem se sentir rejeitado, inseguro e sem valor", reforça o psicólogo.

4. O parente disfuncional

Se uma pessoa querida continua a se comportar de forma imprudente ou luta contra um vício sem procurar ajuda, pode ser hora de repensar seu relacionamento.

"Ele ou ela está fora de controle e arrastando você para baixo junto", comenta ao HuffPost Tina B. Tessina, psicoterapeuta e autora de It Ends With You: Grow Up and Out of Dysfunction (Isso acaba com você: Cresça e Livre-se da disfunção, em tradução livre). "Você não está ajudando essa pessoa ao deixá-la aproveitar-se de você, desrespeitá-lo ou usá-lo. Você tem que dar um passo para trás."

E continua: "Pare de resolver os problemas alheios, não empreste dinheiro se não for receber de volta. Pare de funcionar à base de culpa e do medo de que eles se machuquem. Provavelmente vai acontecer, e não há nada que você possa fazer a respeito".

Tessina recomenda manter distância até que essa pessoa disfuncional esteja comprometida com sua recuperação. Claro, você pode ajudá-la a encontrar um terapeuta ou grupo de apoio, mas lembre-se: você não pode consertar o comportamento de ninguém.

5. O amigo que ficou pra trás

Esperamos que nossas amizades durem para sempre, mas a realidade é que não será assim com todas elas. E tudo bem.

"Muitos amigos só estarão em nossas vidas por um tempo, depois temos de seguir em frente", argumenta Kurt Smith, terapeuta especializado em aconselhamento para homens. "Infelizmente, culpa, o senso de obrigação e crenças equivocadas nos mantêm ligados por muito mais tempo do que deveríamos."

Amizades devem ser recíprocas e equilibradas. Se não forem assim, pode ser hora de seguir em frente.

"Se você tem um amigo que é mais um fardo do que uma ajuda -- e não apenas por curtos períodos de tempo, pois isso pode acontecer com qualquer um --, que só te procura quando precisa de algo, que só está interessado em falar de si mesmo ou é excessivamente crítico ou negativo, então você realmente precisa repensar seu relacionamento com essa pessoa", acrescentou Smith.

6. O marcador de placar

Essa pessoa vive procurando problemas e acompanhando todos os seus erros, para que possam usá-los contra você no futuro.

"Eles se aproveitam das vezes em que você deixou de fazer algo, os decepcionou ou fez algo errado e usa esses episódios como prova dos seus defeitos", diz Meyers ao HuffPost. "Quando você tenta se defender, discutir ou resolver o problema, as pessoas tóxicas geralmente lembram de decepções do passado, apontando seus erros e como você nunca esteve realmente presente quando elas precisavam."

E acrescenta: "Elas sempre têm um placar. E você nunca marca pontos suficientes. Elas defendem veementemente a sua perspectiva e não assumem qualquer responsabilidade por qualquer coisa que façam ou já tenham feito".

7. O crítico

Ninguém é perfeito. Então, confiamos em nossos amigos reais para serem sinceros quando precisamos de um alerta ou de uma opinião honesta. Mas alguém que está constantemente te criticando não é um amigo de verdade.

"O crítico encontra problemas no que você faz e aproveita todas as oportunidades para apontá-los. Eles também não estão realmente preocupados com você, mas sim interessados em achar culpados e fazer acusações", diz Stemen ao HuffPost. "Eles fazem parecer que você é o problema, não o comportamento tóxico."

As pessoas excessivamente críticas muitas vezes têm baixa autoestima e podem projetar suas próprias inseguranças nas pessoas ao seu redor.

"Suas críticas na realidade são sobre elas mesmas, mas isso não quer dizer que seja divertido – ou necessário – ouvi-las. E não é saudável estar por perto dessa negatividade", acrescentou ela.

8. O parceiro nocivo

Pode ser difícil terminar relacionamentos românticos tóxicos -- especialmente quando a outra pessoa se recusa a aceitar "não" para uma resposta. Mas cortar essa pessoa da sua vida é muitas vezes a melhor e a mais saudável decisão que você pode tomar.

"Se existem problemas reais, como mentira, problemas financeiros sérios, história de abuso de álcool, violência, muitos problemas de relacionamento passado, antecedentes criminais, relatos de atividades ilegais ou uso de drogas, não dê desculpas e não aceite promessas de mudança", diz Tessina a HuffPost.

Ela continua: "Mudar é difícil e demora muito tempo. Meras promessas, por mais bem intencionadas que sejam, não bastam. Saia desse relacionamento antes de estar mais apegado, ou mais degradado, do que está agora. Se o seu parceiro decidir procurar, deixe que ele o faça – mas porque precisa, não porque quer voltar com você."

Ao se livrar de uma pessoa assim, Tessina diz a HuffPost que é importante ter cautela.

"Muitas vezes, aconselho aos clientes que terminem por e-mail os relacionamentos com um parceiro abusivo, violento ou um perseguidor. É mais seguro", disse ela.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

Homens famosos derrubam estigma da saúde mental