POLÍTICA
29/12/2017 10:13 -02 | Atualizado 30/12/2017 10:52 -02

O que o Twitter dos políticos nos ensinou em 2017

O ministro Gilmar Mendes, por exemplo, nos ensinou um jeito de se comportar e evitar tretas no grupo da família.

2017 não foi um ano fácil.

Mas foi um ano em que políticos e autoridades usaram o Twitter para deixar grandes ensinamentos ao povo brasileiro.

Por exemplo, aprendemos com o ministro Gilmar Mendes como se comportar e evitar tretas no grupo da família.

Basta adotar a mesma postura do ministro, que não respondeu os tuítes da época do julgamento da chapa Dilma-Temer:

Já a senadora Kátia Abreu nos deu um lição que pode ser replicada em vários momentos das nossas vidas que parecem negativos, mas não são... É tudo biografia!

Tipo, foi expulso do bar; biografia!

Aprendemos que se as coisas não forem bem explicadinhas, tem gente que não entende.

E no domingão... Esqueça aquela tristeza. Afinal, aprendemos com o presidente Michel Temer que a jornada é difícil, mas domingo é dia carinho <3. Xô, tristeza!

Aprendemos que inimigo é uma palavra muito forte e "que aliança política continua necessária". Não é porque vocês não concordam que são inimigos. Na política, então...

E ainda, não gostou dos números? Olhou o saldo e não gostou do que viu? Chegou o boleto, e você não gostou do valor? Não adianta espernear.

Enquanto falava sobre a reforma da Previdência, o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto de Almeida, deixou uma grande lição:

Já que entramos no tema reforma da Previdência, tem esse puxão de orelha do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nos dando a má notícia de que não dá para gastar mais do que se ganha.

Mas não se desespere. O juiz Marcelo Bretas nos ensinou que sempre dá para apelar para entidade divina.

É isso, que 2018 seja melhor. Como nos lembra o presidente do PTB e delator do mensalão, Roberto Jefferson, o ano está acabando.

Quem são os presidenciáveis de 2018