ENTRETENIMENTO

Pabllo Vittar quer 2018 'indestrutível' e passa ano a limpo em entrevista exclusiva

A cantora premiada que levou a cultura drag para o grande público minimiza os haters: 'São as críticas construtivas que valem nossa atenção'

23/12/2017 16:46 -02 | Atualizado 23/12/2017 16:46 -02
Mauricio Santana via Getty Images
Pabllo Vittar foi uma das artistas mais populares do Brasil em 2017.

Pabllo Vittar tem muito a celebrar na passagem deste ano. Se em 2016 ela já havia ganhado notoriedade ao emprestar sua voz à banda do programa Amor e Sexo, da TV Globo, foi em 2017 que sua música ganhou as rádios, playlists e festas do Brasil.

Por isso, não surpreende a canção que ela escolhe para resumir ao HuffPost Brasil o que quer para 2018: Indestrutível. É a décima faixa de seu álbum de estreia, Vai Passar Mal, lançado ainda em janeiro.

De lá para cá, emplacou o hit do Carnaval passado, Todo Dia, com o rapper Rico Dalasam, o forró K.O., pelo qual venceu o prêmio de melhor música no Domingão do Faustão, Sua Cara, parceria com Major Lazer e Anitta, e Corpo Sensual, com Matheus Carrilho.

Foi atração-surpresa no Rock in Rio e subiu ao palco principal com Fergie. Venceu revelação do ano no voto popular no Prêmio Multishow 2017.

Claro que tamanho sucesso de um ícone LGBT acabou incomodando muita gente. Seu canal do YouTube chegou a ser invadido neste ano, e Pabllo virou alvo de haters. "A gente logo sabe quando é um 'hater' ou quando é uma crítica construtiva", explicou, em entrevista exclusiva ao HuffPost. "Eu quero estar sempre evoluindo, e as críticas são essenciais para o desenvolvimento de nós, artistas. As pessoas podem te criticar sendo educadas; são essas que valem a nossa atenção."

Se por um lado a intolerância avança, por outro a diversidade de vozes continua crescendo. Por isso, Pabllo celebra a representatividade da cultura drag no País não só com seu êxito, mas com o de suas colegas. "Fico muito feliz vendo as minhas manas Lia Clark, Gloria Groove, Aretuza [Lovi], Lorelay Fox ahazando e conquistando o espaço delas."

A seguir, leia a íntegra da entrevista com Pabllo Vittar:

HuffPost Brasil: Quando caiu a ficha de que você não era mais uma drag queen iniciante em Uberlândia e sim uma estrela nacional?

Pabllo Vittar: Ai cara, o momento que eu realmente percebi que a coisa tinha ficado séria foi quando o Diplo [DJ americano co-criador do Major Lazer, responsável por Sua Cara] me chamou pra trabalhar com ele. Sempre admirei o trabalho dele, e isso pra mim com certeza foi um divisor de águas.

Você costuma dizer que frequentava a igreja quando criança só para cantar? Existe alguma lembrança desse período que você guarda com carinho?

Lógico, foi um período maravilhoso! Foi lá que eu comecei a cantar. Com 13 anos, entrei para o coral da igreja pertinho de casa. Comecei a me apresentar, e de lá fui pras festinhas de família, da escola e agora pro mundo (risos).

Em 2017, você teve hit no Carnaval, lançou um álbum com canções autorais, bateu recorde em plataformas de streaming, fez shows em todo o Brasil, gravou clipe no exterior... Qual trabalho feito este ano te deu mais prazer? Por quê?

Nossa, foi um ano tão maravilhoso que é realmente impossível escolher um só... Mas ganhar o prêmio do Melhores do Ano do Faustão, cantar no trio elétrico da Daniela Mercury em Salvador, cantar com a Fergie no palco principal do Rock in Rio e gravar um clipe com a Anitta e com o Diplo estariam nessa disputa. Porque todos envolvem conquistar sonhos e trabalhar com pessoas que eu sempre admirei.

Divulgação

Como foi participar da novela das 21h da TV Globo A Força do Querer?

Sempre fui fã das produções da Glória Perez e me senti muita honrada quando recebi o convite para participar da novela. Fico emocionada por poder falar sobre isso e de ver como os VittarLovers me ajudaram a chegar até aqui. Sobre a novela, eu sempre tentava tirar um tempinho para ver os capítulos, e o personagem com que eu mais me identifiquei é o Nonato, do Silvero Pereira. Já era fã do Silvero, mas isso aumentou ainda mais depois que atuei com ele. Acho incrível a gente falar sobre essa transição entre o feminino e o masculino, seja com o Ivan ou com o Nonato, em um lugar de tanto destaque.

Em outubro, você comprou uma casa para a sua mãe, dona Verônica. Esse era um sonho dela. Como você descreve esse momento?

Nossa, muito realizada! Minha mãe é tudo pra mim, e ter condições de retribuir tudo que ela já fez por mim não tem preço. Me sinto a pessoa mais feliz do mundo.

Neste ano você fez mais de 170 shows. O que o palco tem ensinado para a Pabllo Vittar?

Muita coisa... Não só o palco; todo dia eu me pergunto onde eu posso melhorar, aprendo muito com os meus fãs, meus ídolos, dando entrevistas, gravando, viajando... Todo dia eu aprendo uma coisa nova que eu trago pra mim e absorvo pro meu trabalho. Eu sempre procuro uma melhora.

Divulgação/Facebook

No prêmio Melhores do Ano, do Domingão do Faustão, você afirmou que 2017 foi o ano dos LGBTQs. Quais figuras, conquistas ou avanços da comunidade te deixaram feliz este ano?

Esse ano foi muito maravilhoso para a comunidade LGBT no Brasil pelo espaço que nós conquistamos, principalmente para a cultura drag. Fico muito feliz vendo as minhas manas Lia Clark, Gloria Groove, Aretuza, Lorelay Fox ahazando e conquistando o espaço delas!

Drag queen e cantora em em plena ascensão em um dos países que mais matam LGBTs no mundo. Como é lidar com esses dois cenários ao mesmo tempo?

Eu lido com o meu trabalho com amor, com tolerância, levantando essa bandeira e trazendo visibilidade para a comunidade LGBT.

O que você acha que falta para que as pessoas sejam menos intolerantes no Brasil?

Falta um pouquinho de se colocar no lugar do outro e perceber que somos todos iguais e que todos merecemos respeito.

Como você lida com as críticas sobre seu trabalho? O que você absorve e o que você descarta?

Ai, a gente logo sabe quando é um "hater" ou quando é uma crítica construtiva. Como eu já falei, eu quero estar sempre evoluindo, e as críticas são essenciais para o desenvolvimento de nós, artistas. As pessoas podem te criticar sendo educadas, são essas que valem a nossa atenção.

Você costuma dizer que é uma pessoa positiva. De onde você acha que vem essa forma de ver a vida?

Eu sempre fui assim, desde que me conheço por gente. Eu jogo meus pensamentos pro universo, e como sempre penso coisas boas, ele está me devolvendo bons frutos, graças a Deus.

A dona do hit do Carnaval 2017 está preparando alguma novidade para a folia do ano que vem? Poderia antecipar alguma coisa pra gente?

Ai, vem muita coisa boa, sim! Vem álbum novo com parcerias incríveis! Algumas internacionais inclusive! Aguardem.

Sem pensar muito, indique: um música, sua ou de outro artista, que define seu 2017 e outra música que define o que você quer para 2018.

Ahhhh, 2017: Veio à tona, fui à lona, foi K.O.! E, para 2018: Indestrutível!

Drag Queens do Século 19