MUNDO
18/12/2017 09:20 -02 | Atualizado 18/12/2017 09:27 -02

Eleições no Chile: Piñera anuncia que proporá grandes acordos para ser 'presidente de todos'

O candidato de direita conquistou 54,5% dos votos neste domingo (17).

AFP/Getty Images
"Viva a diferença e viva o pluralismo de ideias", disse Piñera em seu discurso de vitória.

O candidato de direita, Sebastián Piñera, conquistou 54,5% dos votos - contra 45,4% de Alejandro Guillier - e voltou à Presidência do Chile na noite deste domingo (17).

Após a vitória, em uma votação que acabou sendo mais "fácil" do que o esperado, Piñera disse que será o "presidente de todos" e que recebeu a "magnífica vitória com humildade e com esperança".

"Viva a diferença e viva o pluralismo de ideias. Mas, essas diferenças nunca nos devem tornar inimigo porque cada vez que nos enfrentamos e nos transformamos uns inimigos dos outros, nós temos nossas maiores derrotas", afirmou no discurso da vitória.

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, telefonou, na frente das câmeras de televisão, para Sebastián Piñera, a fim de cumprimentá-lo pela vitória no segundo turno da eleição presidencial, na qual derrotou o candidato governista, Alejandro Guillier.

"Queria desejar-lhe muito boa gestão em seu mandato, porque você e eu queremos para o nosso país o melhor para todos", disse a presidente, que em março próximo entregará novamente o poder a Piñera, como fez em março de 2010.

Bachelet cumpre nesta segunda-feira uma tradição republicana, e vai tomar o café da manhã na residência do vencedor das eleições.

"Nunca tive a menor dúvida de que tanto você quanto eu queremos o melhor para o Chile", respondeu Piñer a Bachelet, num gesto que contrasta com as reprovações e críticas que ambos trocaram nos últimos meses, especialmente na reta final da campanha eleitoral.

O senador Alejandro Guillier admitiu a derrota no segundo turno. "Chile nos deu um sinal que temos que respeitar e do qual teremos que aprender. Por essa razão, nesse dia doloroso, quero dizer que minha família e eu nos comprometemos a seguir lutando pelo Chile", destacou.

A vitória do candidato da coalizão de direita veio após uma surpresa no primeiro turno, onde muitas pesquisas apontavam uma vitória já no início da disputa. Com um bom resultado dos candidatos fora das grandes coalizões, Piñera teve cerca de 36% dos votos.

Por conta disso, as pesquisas eleitorais mostravam um empate técnico para o segundo turno, algo que ficou bem longe de acontecer de fato nas urnas.

Economista, político e um dos homens mais ricos do país, Piñera volta ao cargo de chefe de Estado depois de um primeiro governo entre os anos de 2010 e 2014. Tanto nessa, como na primeira vez, ele substitui Bachelet no cargo.

A posse está marcada para março do ano que vem.

(Com informações da Agência ANSA e Agência Brasil).

Quem são os presidenciáveis de 2018