POLÍTICA
12/12/2017 10:24 -02 | Atualizado 12/12/2017 10:26 -02

Eleições 2018: TSE cria grupo para monitorar 'fake news' nas redes sociais

O Tribunal Superior Eleitoral irá estudar e desenvolver pesquisas sobre a influência das redes digitais nas eleições.

RoosterHD via Getty Images

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) criou um grupo especial para estudar e desenvolver pesquisas sobre a influência das redes digitais nas eleições do ano que vem, em especial, sobre a disseminação das chamadas "fake news" - as notícias propositalmente falsas divulgadas nas redes sociais.

Além disso, o TSE definiu nesta segunda-feira (11) que estudará a criação de um canal de denúncias on-line para que os eleitores informem conteúdos falsos durante o pleito. A reunião de ontem ainda firmou que irá monitorar ações internacionais para aperfeiçoar o combate a esse tipo de situação.

O grupo reúne, além de membros do TSE, representantes dos Ministérios da Justiça e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e da associação civil SaferNet.

Há meses o TSE, sob a então liderança do ministro Gilmar Mendes, vem debatendo sobre o combate às "fake news" nas próximas eleições. A entidade também anunciou que estuda uma parceria com o Exército para monitoramento da internet.

Quem são os presidenciáveis de 2018