ENTRETENIMENTO
08/12/2017 12:57 -02 | Atualizado 24/12/2017 13:24 -02

Marcos perde 'A Fazenda' e dispara: 'Eu sou um cavaleiro do bem e minha espada se chama sinceridade'

“Essa história de abuso psicológico beira o ridículo. Violência psicológica existe sim e eu sofri ela dentro do Big Brother."

Reprodução
O médico Marcos Harter perdeu a disputa do reality A Fazenda e a vencedora foi Flávia Viana.

Não foi dessa vez, de novo. O médico Marcos Harter perdeu a disputa do reality A Fazenda e a vencedora foi Flávia Viana, participante com quem Marcos protagonizou uma das discussões mais violentas do programa.

No episódio, os fãs de Flávia criticaram o tom usado por Marcos e pediram a expulsão do participante. Ele não foi afastado. Questionado se ele achava que o seu comportamento teria influenciado na votação, já que Flavia recebeu 56,37% dos votos, Harter argumentou que "essa história de abuso psicológico beira o ridículo."

Ao UOL, Harter afirmou que o incômodo do público existe porque ele é "muito sincero" e afirma que seu comportamento não é errado.

"A verdade dói. Eu sou um cavaleiro do bem e minha espada se chama sinceridade. Eu não acho que eu esteja errado, eu tenho essa forma de questionar as pessoas", justificou o cirurgião.

Não é a primeira vez que a personalidade abusiva de Marcos Harter incomoda a audiência.

O ex-BBB foi expulso do reality da Globo e indiciado por agressão à Emily Araújo. Ainda na Fazenda, Marcos Harter protagonizou uma discussão com Ana Paula Minerato, que fez com que muitos fãs se lembrassem do relacionamento abusivo de Harter com Araújo.

Para o médico, a expulsão do BBB foi injustificada:

"Essa história de abuso psicológico beira o ridículo. Violência psicológica existe sim e eu sofri ela dentro do Big Brother porque lá eu não tinha 15 oponentes, eu vivia uma luta direta com a direção do programa. O Boninho não tem tato para lidar com as pessoas". Marcos Harter

Para a vencedora Flavia Viana, que levou o prêmio de R$1,5 milhões para casa, a discussão com o médico ficou no passado.

"Eu acho que foi a melhor resposta para a gente não se sentir diminuída. Eu acho que é uma resposta para a gente respeitar o ser humano, diferente ou não, a gente se completa", argumentou.