MULHERES

Naldo Benny é investigado por violência doméstica e Justiça concede medida protetiva à Ellen Cardoso

Ellen Pereira Cardoso denunciou Naldo Benny por violências sofridas durante os 7 anos de relacionamento.

07/12/2017 14:40 -02 | Atualizado 07/12/2017 14:44 -02
Reprodução/Instagram
Naldo Benny é acusado de violência doméstica.

"Cansei das agressões". Este foi o pedido de ajuda que demorou mais de sete anos para ser realizado. Ellen Pereira Cardoso, a Mulher Moranguinho, denunciou o ex-marido Naldo Benny por violências sofridas antes e durante o casamento do casal.

A Justiça do Rio aprovou na última quarta-feira (6) as medidas protetivas após Ellen procurar a delegacia no sábado (2) por causa de uma briga. Segundo ela, na discussão, o funkeiro a agrediu com socos, chutes, puxões de cabelo e empurrões. O motivo para a violência? Ciúmes.

Naldo chegou a ser preso no mesmo dia, mas pagou fiança e foi liberado. Durante as investigações sobre as agressões, a polícia encontrou armas ilegais sob a posse do cantor.

"Arrependido", o funkeiro Naldo Benny afirmou estar buscando ajuda profissional. Em entrevista ao G1, ele disse que vai "lutar pela família".

"Quero pedir perdão à minha mulher, dizer que vou lutar pela minha família. Estou extremamente destruído, arrependido, quebrado e completamente machucado e arrasado por tudo que aconteceu", declarou o artista.

Medidas protetivas

De acordo com a proteção da lei, Naldo Benny deve permanecer afastado do domícilio do casal e manter uma distância mínima de 100 metros de Ellen. Ele também está proibido de fazer qualquer tipo de contato.

Em nota, a assessoria do cantor informou que Naldo lamenta toda a situação.

"O artista Naldo Benny lamenta profundamente que o desentendimento familiar tenha tomado as proporções atuais. Após dois shows, Naldo e Ellen tiveram um desentendimento que pode acontecer com qualquer casal. Infelizmente, o resultado foi Ellen abandonar a casa da família com a filha Maria Vitória. O artista está à disposição da justiça para os esclarecimentos necessários".

O caso de Naldo Benny e Moranguinho não é exceção no País. Dos 4.762 assassinatos de mulheres registrados pelo Mapa da Violência, 50,3% foram cometidos por familiares, sendo que em 33,2% destes casos, o crime foi praticado pelo parceiro ou ex.

Não silencie!

"Foi só um empurrãozinho", "Ele só estava irritado com alguma coisa do trabalho e descontou em mim", "Já levei um tapa, mas faz parte do relacionamento". Você já disse alguma dessas frases ou já ouviu alguma mulher dizer? Por medo ou vergonha, muitas mulheres que sofrem algum tipo de violência, seja física, sexual ou psicológica, continuam caladas.

Desde 2005, a Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, funciona em todo o Brasil e auxilia mulheres em situação de violência 24 horas por dia, sete dias por semana. O próximo passo é procurar uma Delegacia da Mulher ou Delegacia de Defesa da Mulher. O Instituto Patrícia Galvão, referência na defesa da mulher, tem uma página completa com endereços no Brasil. Clique aqui.