MULHERES

Como ser um cara legal no trabalho sem ter de evitar completamente as mulheres

Não se preocupe, é muito simples.

07/12/2017 09:51 -02 | Atualizado 07/12/2017 09:51 -02

Getty Images

A enorme quantidade de casos de assédio sexual entre famosos em Hollywood, na mídia, na política, no mundo da tecnologia e em outros lugares tem levado muitos homens a fazer perguntas importantes a si mesmos: fiz alguma coisa no local de trabalho que seria considerada assédio? Agora preciso pisar em ovos quando estiver trabalhando com colegas mulheres?

As respostas para estas perguntas não são tão complicadas como você possa pensar. Como explicado por um usuário do Twitter recentemente, simplesmente seja um ser humano digno e respeitoso com todos seus colegas:

(Não, não é um momento assustador para os homens no local de trabalho. Você não precisa pisar em ovos. Não tem de se isolar.

É realmente muito simples.

Simplesmente, não ataque, assedie ou violente pessoas.)

Alternativamente, você poderia usar o "The Rock Test": a blogueira Anne Victoria Clark sugeriu recentemente que os homens finjam que estão lidando com o lutador-ator The Rock quando estiverem em uma reunião ou tomando um café com uma colega.

É uma sugestão divertida, mas quais são algumas maneiras concretas e reais de ser um aliado das mulheres em seu trabalho? A seguir, especialistas em assédio sexual e ambiente corporativo compartilham algumas dicas para ajudar a manter as coisas em um nível profissional.

1. Com receio de dizer algo errado? Faça este teste certeiro:

Relaxe: Você não precisa ficar nervoso simplesmente por estar conversando com uma colega de trabalho. Não deixe de fazer brincadeiras, desde que suas piadas não sejam de mau gosto ou relacionadas a sexo. Apenas seja inteligente e não faça nenhuma de suas colegas se sentir incômoda com comentários sexuais ou indesejados.

Você também pode fazer um teste certeiro sugerido por Lynn Taylor, especialista em ambiente corporativo e autora de Tame Your Terrible Office Tyrant; How to Manage Childish Boss Behavior & Thrive in Your Job (Controle Seu Tirano no Trabalho; Como Lidar com Comportamento de Chefes Infantis e Crescer na Carreira, em tradução livre).

"Quando estiver em dúvida, pergunte a si mesmo: 'O que estou prestes a dizer aumenta a produtividade no ambiente de trabalho?'", disse. "Seja sempre amigável, mas não passe dos limites."

Taylor sugere usar a Inteligência emocional para avaliar quais tópicos são confortáveis para suas colegas -- e, quando em dúvida, erre pelo lado da cautela.

"Um elogio aparentemente inócuo pode ser mal interpretado, então, por que arriscar?", disse Taylor ao HuffPost. "Se for combinado com muitas outras declarações ou ações lisonjeiras, você corre o risco de ir para o olho da rua."

2. Não deixe que o medo de queixas de assédio o impeçam de ser mentor de mulheres no ambiente de trabalho.

Alguns homens estão evitando ser mentores de mulheres, por medo de que a interação cara a cara com subordinadas possa ser mal interpretada por outros e provocar fofocas.

Como explicado por um cirurgião ortopédico entrevistado pelo The New York Times em um artigo recente: "Sou muito cauteloso em relação a isso, porque meu sustento está em jogo. Se alguém em seu hospital disse que você teve um contato inapropriado com uma mulher, você é suspenso por uma investigação e sua vida acabou. Você se livra algum dia disso?".

Esses receios ― citados no NYT por homens nas áreas de tecnologia, finanças e outros setores dominados por profissionais masculinos ― significam que as mulheres perdem o tipo de orientação e "coaching" que levam ao progresso da carreira, disse Susan Strauss, consultora que presta assessoria a empresas para evitar assédio sexual e "bullying".

"As mulheres estão subindo a escada para passar pelo teto de vidro -- mas é uma escada difícil de subir", disse. "Elas precisam de homens aliados porque, muitas vezes, são os homens que estão nos níveis mais altos da organização. Se você sabe as regras que podem ajudar as mulheres a progredir na carreira, com promoções e [outros tipos de] avanços, deve compartilhá-las."

3. Seu local de trabalho não é o Tinder. Não se empenhe em buscar sua futura parceira na empresa.

Relações consensuais entre dois colegas de trabalho que se envolvem verdadeiramente acontecem. Dito isso, não vá à caça no local de trabalho, disse Michael Gold, psicólogo corporativo e consultor que trabalhou como terapeuta de agressores sexuais no Departamento de Correções de Illinois (EUA).

"Existem, literalmente, milhões de potenciais parceiras disponíveis; você não tem de namorar as poucas pessoas com as quais trabalha", disse. "Namorar no trabalho pode ser um campo minado de decisões éticas focadas em diferenças de poder, consentimento, cultura, comunicação. Permita que seu trabalho esteja livre de subtexto e situações incômodas, e namore pessoas com as quais você não trabalhe."

4. Mantenha o profissionalismo também em festas da empresa e eventos depois do trabalho.

O assédio sexual não se restringe aos confins do escritório; se você estiver em uma festa de fim de ano, happy hour, almoço de despedida ou viajando a negócios, as mesmas regras viajam com você, disse Taylor.

"Seja sempre 'o profissional'", disse. "Isso é especialmente importante para ser lembrado durante as festas de fim de ano, quando todo mundo está mais tentado a baixar a guarda em meio ao espírito 'amistoso'."

5. Se você vir um colega se comportando de modo inapropriado, faça algo.

Se você vir um colega passando dos limites, pode não ter a obrigação legal de denunciar, mas, com certeza, tem a obrigação ética de dizer algo, afirma Strauss. Converse com o assediador sobre o que viu ― e, se o comportamento é particularmente chocante, considere relatar o caso ao departamento de recursos humano ou à gerência.

Você deve perguntar à vítima primeiro se deve denunciar a pessoa? Strauss não acha que isso seja sempre necessário.

"Alguns dizem que depende da mulher dar permissão para a denúncia e, embora entenda essa linha de raciocínio ― permite que a vítima assuma o controle sobre sua vitimização ―, eu discordo", afirma. "Se os incidentes não são denunciados, o assediador recebe aprovação tácita para continuar com a ofensa."

6. Mantenha a empatia, especialmente se for o supervisor.

Pesquisas sugerem que, à medida que as pessoas se tornam mais poderosas no trabalho, perdem a empatia pelas outras, especialmente pelos subordinados. Manter a empatia viva é uma ótima maneira de evitar o assédio sexual, disse Sheela Raja, psicóloga e autora de The Sexual Trauma Workbook for Teen Girls: A Guide to Recovery from Sexual Assault and Abuse (Manual do Trauma Sexual para Adolescentes: Guia de Recuperação de Agressões Sexuais e Abuso).

Pergunte a si mesmo: você quer que alguém o pressione para um encontro romântico quando está apenas tentando cumprir prazos? Como se sentiria se fosse o subordinado e a pessoa que tentasse alguma relação ou fizesse um comentário sexual fosse sua chefe?

"Ou, em vez de pensar em termos de sexo, pense em termos de dinheiro", sugere Raja. "Você continuamente pressionaria um amigo ou colega de trabalho para lhe emprestar dinheiro?". Fazer esse tipo de perguntas são uma ótima maneira de manter suas habilidades de empatia afiadas, que são tão importantes em setores onde há uma grande diferença de poder entre supervisores e pessoas que são supervisadas."

*Este texto foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

O caso de assédio de Zé Mayer