POLÍTICA

Bolsonaro se firma em 2º lugar na disputa eleitoral, diz Datafolha

Lula tem 34% das intenções de voto, Bolsonaro 17% e Marina 9% no cenário com maior número de candidatos.

02/12/2017 17:31 -02 | Atualizado 02/12/2017 17:49 -02
Stringer . / Reuters
Deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) se consolida em segundo lugar na disputa eleitoral, afirma Datafolha.

O deputado federal e pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSC-RJ) se consolidou como segundo colocado na corrida presidencial, de acordo com pesquisa Datafolha publicada neste sábado (2).

Segundo a sondagem, no cenário com maior número de candidatos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) conta com 34% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro, com 17%, a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 9%. Em seguida, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) estão empatados, com 6%.

O instituto fez 2.765 entrevistas entre 29 e 30 de novembro, em 192 cidades. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos.

Na pesquisa publicada em 30 de setembro, Bolsonaro oscilava entre 16% e 17% das intenções de voto e Marina tinha 13% e 14% nos cenários com o ex-presidente no páreo.

O PSDB decide na convenção do partido, no próximo sábado (9) se haverá prévias para definir o candidato ao Palácio do Planalto. Já Marina anunciou neste sábado que será candidata pela Rede.

Em um cenário com o ex-ministro do STF (Supremo Tribual Federal) Joaquim Barbosa na disputa, Lula tem 37% das intenções de voto, seguido por 18% de Bolsonaro, 8% de Geraldo Alckmin, 7% de Ciro Gomes e 6% de Barbosa.

Com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD) no páreo, Lula continua na lideranç com 37%, seguido por Bolsonaro (19%), Alckmin (9%) e Ciro (7%). Meirelles aparece com apenas 1% das intenções de voto.

Quando a intenção de voto é questionada sem apresentação de nomes, Lula surge com 17% das citações e Bolsonaro, com 11%. Todos os outros pontuam de 1% para baixo. O "ninguém" tem 19% e não sabem afirmar em que candidato votariam, 46%.

Bolsonaro não leu a Declaração Universal de Direitos Humanos