NOTÍCIAS

Black Friday: O passo a passo para você aproveitar as melhores promoções desta 6ª

Se a ideia é garantir as compras de fim de ano, siga estas dicas para não cair na "Black Fraude".

24/11/2017 08:00 -02
Nacho Doce / Reuters
Os direitos mais violados nesta época costumam ser a falta de informação adequada, de proteção contra práticas abusivas e de transparência contratual.

A Black Friday deste ano começou a todo vapor já na madrugada de hoje (24). Assim como o evento tradicional nos Estados Unidos, a última sexta-feira de novembro aqui no Brasil promete descontos arrasadores de até 80% nos mais variados produtos, desde comida a eletrodomésticos.

De acordo com a Ebit, consultoria especializada em comércio eletrônico, a data deve movimentar mais de R$ 2 bilhões só no mercado online.

Se você for aproveitar o dia para garantir as compras de fim de ano, é preciso prestar atenção em algumas dicas para não cair na "Black Fraude".

Segundo o professor de Direito do Consumidor da LFG, Fabrício Bolzan, os direitos mais violados nesta época costumam ser a falta de informação adequada, de proteção contra práticas abusivas e de transparência contratual.

"O número de publicidades enganosas veiculadas ao longo do mês de novembro, assim como o registro de condutas comerciais abusivas, supera o limite do razoável", acrescentou Bolzan.

Em casos de compras online, por exemplo, é preciso verificar se a loja realmente existe e quais as condições de compra. Para evitar dor de cabeça, cheque se ela está entre as empresas conveniadas com os promotores oficiais da Black Friday, neste site.

Pagamento só por boleto? Evite

O professor sugere fugir de sites ou fornecedores que oferecem pagamento apenas por boleto. "É uma prática comum que esse tipo de empresa acabe encerrando suas atividades sem dar explicações sobre o seu paradeiro, gerando prejuízo enorme ao consumidor, que quase nunca consegue recuperar o valor pago", explica. Neste caso, pagamento pelo cartão de crédito facilita o estorno em caso de pagamento indevido.

É preciso lembrar também que se você fizer a compra online, é possível desistir dela nos próximos sete dias corridos, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor.

Print na oferta

Para evitar diferentes condições ou pagamentos indevidos, o especialista aconselha dar um print no anúncio antes de adquirir o produto ou serviço. "É o melhor meio de prova para exigir, ainda que perante o Judiciário, o pagamento pelo valor correto ou o estorno da diferença em caso de cobrança indevida", destaca.

O Código do Consumidor autoriza, aliás, o comprador a reaver em dobro a quantia paga a partir de uma cobrança imprópria. Desta forma, se a cobrança indevida foi de R$ 100, o consumidor terá o direito de recuperar R$ 200.

No caso das lojas físicas, lembre sempre de testar produtos de mostruário e guardar panfletos, além de certificar-se quanto a garantia oferecida e direito a troca.

O falso "imperdível"

Não acredite em todas as propagandas que anunciam descontos de 70%, 80% e até 90%. O ideal seria pesquisar produtos em que esteja interessado semanas e até meses antes da Black Friday, mas se você não fez isso, alguns sites de monitoramento de preços servirão de muita ajuda.

A própria Proteste - Associação dos Consumidores, por exemplo, vai disponibilizar um plug-in que mostrará a evolução dos preços. A associação oferece duas ferramentas: o "Mais Barato Proteste" e o link da Black Friday. "Em algumas ocasiões, o produto desejado custa mais barato fora desse período de apelo às compras", sinalizou a Proteste.

Antes das compras, lembre-se dos boletos

Não se deixe levar pelas ofertas tentadoras. Com a chegada do 13º salário, férias, festas de fim de ano e as despesas de início de ano, você deve pensar bem antes de contrair mais uma dívida. Se você já está apertado ou está inadimplente, tente fugir das tentações desta sexta.

Se comprinhas extras couberem no orçamento, a melhor opção é pagar à vista e negociar um desconto, segundo a Proteste. Mas lembre-se: se você optar por este tipo de pagamento, peça sempre um desconto de ao menos 10%.

Venda casada é contra o Código de Defesa do Consumidor

Independentemente da data ou da megapromoção, a venda de um produto mediante a leva de outro produto é contra o Código de Defesa do Consumidor. O valor do "brinde" provavelmente já está incluído no preço.

Caso presenciar alguma irregularidade na Black Friday ou se sentir enganado com alguma promoção, a orientação é denunciar aos órgãos de defesa do consumidor e do cidadão, como a Proteste, o Procon de sua região e até o Ministério Pública. "Assim, o consumidor não sai lesado e os maus fornecedores que forem denunciados e punidos não cometerem práticas abusivas nos próximos anos", orienta Fabrício Bolzan, professor de Direito do Consumidor.

7 dicas para aproveitar a Black Friday