MUNDO

É tarde demais para investir em bitcoins?

Para aqueles que se perguntam se perderam o bonde.

23/11/2017 10:30 -02 | Atualizado 23/11/2017 10:56 -02
Getty Images
Conheça o bitcoin: a moeda digital que está na boca do povo.

Para tipos não-financeiros, o conceito de bitcoin pode parecer intimidador. Justamente quando estávamos começando a entender taxas de juro variáveis e notas do Tesouro, alguém vai lá e cria uma nova moeda digital. O que aconteceu com a ideia de botar o dinheiro embaixo do colchão?

Mas, com ou sem nossa aprovação, o bitcoin está aí, e aqueles que entraram na onda desde cedo estão ganhando muito dinheiro.

Na data de publicação deste artigo, uma unidade de bitcoin valia cerca de 3.900 dólares, segundo o conversor de moedas XE, ou 4.170, segundo o site Coinspot.

Para ter uma ideia da valorização, em 2010 um bitcoin valia 1,5 centavo de dólar. Vamos fazer um minuto de silêncio para o sujeito que comprou 25 dólares em bitcoins, jogou fora o HD e hoje teria 7,6 milhões de dólares. Ai.

Mas e quem chegou (relativamente) tarde à festa do bitcoin? Perdemos o bonde?

Getty

O que é o bitcoin?

Vamos começar com o básico.

Segundo a definição do CoinDesk, "bitcoin é um tipo de moeda digital, criada e guardada eletronicamente. Ninguém a controla. Bitcoins não são impressos, como dólares ou euros – eles são produzidos por pessoas, e cada vez mais também por empresas, usando computadores para resolver problemas matemáticos".

Os bitcoins são transacionados digitalmente, mas essa não é a parte mais nova. O que diferencia essa nova moeda é que ela é descentralizada, ou seja, ela não é controlada por uma única instituição. Em vez disso, os bitcoins dependem de uma estrutura peer-to-peer (entre pares), uma comunidade aberta a qualquer um.

Os integrantes dessa comunidade são chamados de "mineradores". Eles usam o poder de processamento de seus computadores para checar as transações de bitcoins. Em troca, toda vez que o fazem, são remunerados em bitcoins.

Quem inventou o bitcoin?

O bitcoin foi criado por Satoshi Nakamoto em 2008, mas o sistema só entrou no ar no ano seguinte. E, como estamos falando de internet e tudo pode acontecer, ainda não foi possível estabelecer com certeza a identidade de Nakamoto. (O australiano Craig Wright afirma ser o verdadeiro criador do bitcoin, mas ele não ofereceu provas suficientes).

Posso ganhar dinheiro com bitcoins?

Ah. A pergunta de um milhão de dólares (literalmente). Como já dissemos, se você comprou bitcoins lá atrás, quando eles valiam centavos de dólar, você provavelmente estaria num iate agora, sendo abanado com uma folha de palmeira – não lendo essa matéria. (Ou então estaria lendo para rir dos outros. Enfim, o tempo é seu, use-o como melhor lhe aprouver.)

Mas ficar milionário não é exclusividade de quem investiu bem no começo. Um adolescente americano do estado de Idaho investiu 1 000 dólares há três anos e agora tem mais de 1 milhão de dólares.

Mas e quem investe agora?

Algumas coisas importantes devem ser levadas em consideração.

Oferta controlada

É importante observar que existe um limite para o número de bitcoins criados. O máximo é 21 milhões. Apesar desse limite, o total nunca estará em circulação, porque alguns azarados perderam suas chaves – e, portanto, seu acesso à moeda.

Segundo o site Quora, "em 21 de junho, havia 16.366 275 BTC, de um total teórico de 21.000.000, ainda a ser minados".

Portanto, bitcoins são finitos, assim como o é o ouro do planeta. E o importante a saber é que ainda há moedas a serem minadas.

Pode-se argumentar então que não é tarde demais para pegar o bonde do bitcoin.

"Não é tarde demais para comprar bitcoin", diz ao The Huffington Post Austrália Emma Poposka, CEO da empresa de administração de moedas digitais Bron.Tech. "Se virmos adoção plena no futuro, ou se a moeda chegar ao mainstream, o preço ainda tem de subir de valor, porque a oferta é limitada."

Getty Images
Essa provavelmente seria a vida agora se tivéssemos comprado bitcoins em 2009.

Se você está se perguntando: "Mas não podem criar mais bitcoins?", essa é a beleza de uma moeda que não é controlada por uma única instituição.

Para mudar os protocolos do bitcoin, todo minerador tem de votar na decisão. Não se esqueça de que eles são remunerados em bitcoins por seu serviço – por que eles votariam para reduzir o valor de seu próprio patrimônio?

"Ninguém pode mudar o protocolo. Não há uma única parte que possa fazê-lo", diz Poposka. "Se alguém quiser mudar algo no protocolo do bitcoin, tem de haver uma votação. É um processo muito democrático."

"Todo minerador tem de votar para que aconteça uma mudança, e a maioria deles já tem bitcoins. Votar para aumentar a oferta seria votar pela diminuição do seu patrimônio em bitcoins, o que não faz sentido."

Mas isso não quer dizer que os mineradores concordem sempre. Recentemente (em 1º de agosto), o bitcoin se dividiu em duas moedas, o bitcoin classic (BTC) e o bitcoin cash (BCH). Duas facções adversárias não conseguiram chegar a um acordo sobre o futuro da moeda digital. Você pode saber mais sobre essa cisão e suas implicações aqui.

Outras moedas digitais

Com tanto hype em torno do bitcoin, é fácil esquecer que existem outras alternativas. O bitcoin é mais famoso por ser a primeira, mas não é a única.

"O bitcoin não é a única moeda que vale a pena – não diria investir, não gosto do termo – comprar ou guardar", diz Poposka.

"De acordo com nossa visão idealista do mundo, ou com o que você acha certo, você pode comprar ou guardar ou negociar [qualquer moeda] que considere [promissora]."

"Então agora temos o bitcoin e seu maior rival, o ethereum."

Lightboxx via Getty Images
O ethereum é o maior rival do bitcoin.

"Minha empresa tem uma moeda própria, chamada Bron, que é uma moeda que pode ser comprada, guardada ou negociada. Ela é garantida por um bem que consideramos valioso no mundo digital, os dados."

"O bitcoin é mais popular porque é o mais antigo."

Na opinião de Poposka (que ela compartilha fazendo a ressalva de que não está oferecendo assessoria financeira), vale a pena olhar para as várias moedas existentes.

"Cada uma delas vem acompanhada de um white paper ou uma descrição explicando por que a moeda deveria ser bem sucedida. Se fizer sentido para você, então compre 20 dólares, por exemplo. É uma decisão individual", afirma ela.

Riscos

O bitcoin, como qualquer outro investimento, traz riscos. Segundo Eric Lim, da Escola de Sistemas de Informação e Administração Tecnológica da universidade UNSW, um dos maiores riscos é um governo decidir intervir e criar regulamentações sobre os mineradores. Ou, pior, lançar sua própria criptomoeda.

"O fato de que muito dos mineradores estarem na China é meio preocupante, especialmente se o governo chinês decidir criar regulamentações sobre a operação dos mineradores. Isso poderia ter um impacto enorme sobre o valor do bitcoin", afirma Lim ao The Huffington Post Austrália.

"Portanto, quem considera investir em bitcoins agora deve ter cuidado. Há muito apetite para especulação, então o preço ainda deve subir, mas eu não colocaria todas as minhas economias."

"Se o governo chinês decidir regular [o bitcoin] ou lançar sua própria moeda, isso derrubaria o preço [da moeda]."

Se o governo chinês lançar sua própria criptomoeda, é claro que eles vão abandonar o bitcoin. Nenhum país soberano pode ter duas moedas circulando paralelamente, é muito instável. Eric Lim

Segundo Lim, essas mudanças não são apenas possíveis, elas são prováveis – embora não devam acontecer tão cedo.

"É uma preocupação real, porque nenhum governo soberano vai dizer: 'Vamos aceitar o bitcoin como ele é'. Porque eles não têm nenhum controle. É uma moeda descentralizada, nenhum país exerce controle sobre ela."

Mas, como a criptomoeda e os blockchains (mais sobre eles aqui) têm várias vantagens, Lim afirma que a ideia é tentadora demais para ser simplesmente descartada.

"Existe valor em como funcionam a criptomoeda e os blockchains. Por exemplo, é uma ótima maneira de controlar lavagem de dinheiro ou corrupção. Se tudo virar digital, será mais fácil para o governo central acompanhar tudo."

"Mas, se o governo chinês lançar sua própria criptomoeda, é claro que eles vão abandonar o bitcoin. Nenhum país soberano pode ter duas moedas circulando paralelamente, é muito instável."

Getty Images
Olha esse Lego todo convencido com seu bitcoin. Quem recomendou o investimento para ele?

O que tirar disso tudo?

"Para as pessoas considerando investir, recomendo ficar de olho nas grandes economias, como os Estados Unidos e a China", diz Lim. "Você precisa estar atento quando eles começarem a falar sobre sua própria criptomoeda. Assim você vai saber que os lugares vão parar de aceitar bitcoins."

Conclusão

As moedas digitais podem não ter chegado ao mainstream, mas há muitos argumentos para dizer que elas não vão desaparecer. Será que você deveria investir em bitcoins antes que se atinja o limite de 21 milhões? Talvez. Lim e Poposka acham que ainda dá para ganhar dinheiro.

Mas será que vale a pena hipotecar a casa para investir? Provavelmente não.

"O que digo para colegas e amigos é: experimente, comprando pequenas quantidades. Você não precisa nem sequer comprar uma unidade inteira – você pode comprar uma parte por 10 dólares", diz Poposka.

"É uma tecnologia interessante, e acho que vale a pena comprar uma pequena quantidade, para brincar e aprender. Mas jamais recomendaria investir a sério em algo que você não entenda – e isso vale para tudo: bitcoins, ações ou imóveis."

"Melhor pagar 50 dólares por um pequeno portfólio de criptomoedas e brincar com ele. Se der tudo errado, você só perdeu 50 dólares."

"Aí, se você tiver aprendido o suficiente e ficar empolgado com a tecnologia, pode decidir comprar mais."

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost Australia e traduzido do inglês.

Formas de ganhar dinheiro sem sair de casa