NOTÍCIAS
21/11/2017 15:24 -02 | Atualizado 21/11/2017 15:27 -02

Secretário de Educação do Rio diz que 'racialização do Brasil' é criação dos EUA

"Se os brasileiros mudassem de calçada quando vissem uma pessoa morena ou negra, viveriam em eterno ziguezague. Nunca chegariam a lugar nenhum."

Divulgação
Cesar Benjamin, secetário municipal de Educação do Rio, questionou o racismo no País em post no Facebook.

"Sei que fui derrotado, sei que sou minoria, mas continuo detestando a racialização do Brasil [...]". Para Cersar Benjamin, secretário municipal de Educação do Rio de Janeiro, no País, "qualquer idiotice racial prospera".

O secretário compartilhou uma publicação polêmica em seu perfil oficial do Facebook na última segunda-feira (20), quando foi celebrado o Dia da Consciência Negra no Brasil, em que questiona os moldes em que o racismo tem sido tratado no País.

Na mensagem, Benjamin credita a "racialização do Brasil" à "criação do Departamento de Estado dos Estados Unidos" em menção à criação de políticas de ação afirmativas no País, que, segundo ele, foram inspiradas em modelos de políticas públicas adotadas nos Estados Unidos.

Ainda, o secretário fez uma crítica à fala da atriz Taís Araújo de maneira indireta. Em apresentação no TEDX São Paulo, a artista falou sobre a preocupação de criar filhos negros diante do racismo estrutural da sociedade.

"No Brasil, a cor do meu filho é a cor que faz com que as pessoas mudem de calçada, escondam suas bolsas e blindem seus carros. A vida dele só não vai ser mais difícil que a da minha filha", argumentou Taís Araújo.

Porém, para Benjamin, a situação descrita por Araújo não reflete a verdade.

"A última delas é uma linda e cheirosa atriz global dizer que as pessoas mudam de calçada quando enxergam o filho dela, que também deve ser lindo e cheiroso", rebateu o secretário em seu post.

E continuou:

"Vocês replicam essa idiotice. Se os brasileiros mudassem de calçada quando vissem uma pessoa morena ou negra, viveriam em eterno ziguezague. Nunca chegariam a lugar nenhum."

A mensagem do secretário repercutiu nas redes sociais. No próprio post, usuários questionaram o posicionamento de Benjamin.

No final do post, Benjamin defende o conceito de "povo brasileiro" e afirma que "luta para preservá-lo".

Ainda, Benjamin, que foi militante e co-fundador do PT e um dos mais jovens presos políticos durante a ditadura militar, afirmou que durante o período em que esteve na prisão notou que "os brancos eram minorias, assim como os negros".

Cesar Benjamin é cientista político e foi "guru político" da campanha de Marcelo Crivella para o governo do Rio de Janeiro. Ele está à frente da secretária de Educação desde 2016.