POLÍTICA

Congresso dá um olé e transforma feriado de quarta em 5 dias de folga

Feriadão paralisa pautas de segurança e de interesse do presidente Michel Temer.

10/11/2017 14:42 -02 | Atualizado 10/11/2017 14:42 -02
Beto Barata/PR
Pautas de interesse do presidente Michel Temer terão de ser adiadas por causa do feriado prolongado.

No início deste ano, muita gente comemorou que 2017 começou com a possibilidade de nove feriados prolongados. Nesta sexta-feira (10), o Congresso inventou mais um, capaz de atualizar qualquer conceito de feriadão.

O feriado de quarta-feira (15), Dia da Proclamação da República, se tranformará em uma folga de CINCO dias. Na verdade, são cinco dias úteis que, se juntar com os fins de semana, dão nove dias de folga.

No momento em que a Câmara dos Deputados se mobiliza para votar medidas que podem ajudar a combater a criminalidade, em cidades como o Rio de Janeiro, os dias de folga representam também dias de paralisação na busca por soluções para os problemas do País.

A votação só será retomada na semana do dia 20. Sob o holofote das críticas, a Casa ainda tentou mostrar trabalho na quinta-feira (9) e nesta sexta, com a convocação de sessões deliberativas.

No Senado, embora o feriadão não seja oficial, não consta na pauta nenhuma votação de projetos de grande apelo nacional ou polêmicos.

As folgas também empurram as discussões sobre a reforma da previdência, pauta considerada prioritária pelo presidente Michel Temer. O governo tem trabalhado para conseguir aprovar mudanças na aposentadoria, ainda que de uma forma mais "light".

Dia de finados

Novembro tem sido um mês de baixas para os três poderes. O Executivo acabou tendo atividades paralisadas nas demandas que dependem do Legislativo, e o Judiciário também deu truque nas regras para emendar feriados.

No dia 2, por exemplo, o Supremo Tribunal Federal e o Superior Tribunal de Justiça mudaram o feriado do Dia do Servidor, comemorado em 28 de outubro, para o dia 3 de novembro. Assim conseguiram enforcar a sexta e iniciaram o mês com um feriadão prolongado de quatro dias.

Votação denúncia Temer