MUNDO

Trump chama terrorista de 'animal' e diz que considera mandá-lo para Guantánamo

Suspeito do ataque de terça à Nova York, Sayfullo Saipov teria planejado o ato por semanas, segundo autoridades locais.

01/11/2017 17:30 -02 | Atualizado 01/11/2017 17:33 -02
Montagem/GettyImagens/Reuters
Trump (à direita) sobre Saipov: "Eu certamente considero (...) mandá-lo para Guantánamo".

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou nesta quarta-feira (1º) que considera mandar Sayfullo Saipov, o suspeito do atentado de terça-feira (31) à Nova York, para Guantánamo, a prisão militar americana em Cuba.

A declaração foi uma resposta a pergunta feita por Major Garret, âncora da CBS, se o presidente considerava a ideia."Eu certamente considero (...) mandá-lo para Guantánamo", disse Trump.

O presidente também falou em justiça rápida e forte para Saipov, a quem chamou de "este animal".

Em outro momento, o senador republicano John McCain também endossou a ideia de prender Saipov em Guantánamo.

Ele é um terrorista, deve ser preso lá. Não existe Lei de Miranda (prerrogativa de ficar em silêncio quando interrogado pela polícia até um advogado ser acionado) para quem mata americanos.John McCain

Nascido no Uzbequistão e morador dos Estados Unidos desde 2010, Saipov, 29 anos, tem green card, o que lhe dá direito de viver legalmente como um norte-americano nos Estados Unidos. E norte-americanos não podem ser presos em Guantánamo, segundo a legislação do país.

Trump tem defendido a ideia de dar tratamento severo aos terroristas. Entre as ideias as quais ele apoia está a prática de tortura por afogamento simulado (waterboarding).

Também nesta quarta-feira, Trump prometeu restringir a entrada de estrangeiros no país.

Andrew Kelly / Reuters
Polícia investiga a cena do crime em Manhattan, Nova York.

Atentado

De acordo com as autoridades de Nova York, o imigrante suspeito de matar oito pessoas e deixar 12 feridas em um atropelamento planejou o atentado por semanas. Segundo as investigações, ele seguiu orientações do manual de ataques do Estado Islâmico.

Anotações encontradas pela inteligência norte-americana indicam que Saipov acredita que o grupo terrorista deveria durar para sempre. O rapaz, entretanto, nunca foi alvo do FBI ou da polícia de Nova York.

(Com informações do HuffPost US)

Os protestos contra decreto de Trump sobre imigrantes