POLÍTICA

Doria rebate Lula: ‘Irei levar chocolates para você em Curitiba’

De olho em 2018, prefeito de São Paulo chama ex-presidente de “mentiroso” e “sem vergonha”.

28/10/2017 10:10 -02 | Atualizado 28/10/2017 10:20 -02
Pier Marco Tacca via Getty Images
Prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) em viagem a Milão, na Itália.

Prefeito de São Paulo e possível candidato ao Palácio do Planalto em 2018, João Doria (PSDB) não deixou mais uma crítica de outro possível presidenciável, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), passar batido.

"Lembrou de mim outra vez, né, Lula? Eu também não esqueço de você. Não esqueço as mazelas que você fez no Brasil. Você, Dilma [Rousseff] e sua quadrilha", diz o tucano em vídeo publicado no Facebook nesta sexta-feira (27).

Na peça com pouco mais de um minuto, Doria chama o petista de "Luiz Inácio Mentiroso da Silva" e diz que vai "levar chocolates" para o ex-presidente em Curitiba e agradecer o juiz Sérgio Moro por "libertar o Brasil de um mentiroso e sem vergonha".

O tucano chama o ex-presidente de "covarde" ao dizer que tentou "se safar da cadeia" ao ser nomeado como ministro da Casa Civil pela então presidente Dilma Rousseff em 2016. A nomeação foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) devido à possibilidade de ser uma tentativa de obstruir investigações contra Lula na primeira instância da Justiça.

Doria também lembra que ganhou a disputa pela prefeitura de São Paulo em 2016 dos "petistas que diziam que iam reeleger" o então prefeito de São Paulo, Fenando Haddad (PT).

Em julho, o juiz da 13ª Vara Federal do Paraná condenou Lula por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. A pena é de nove anos e seis meses de prisão e o ex-presidente aguarda agora o julgamento do recurso no TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, em Porto Alegre. O STF decidiu que condenados em segunda instância podem ser presos.

O petista é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões de propina da OAS. O repasse foi feito por meio de upgrade em imóveis, reforma e decoração de um tríplex, além do armazenamento de bens do ex-presidente pela empreiteira.

Em entrevista à Rádio Itatiaia, de Montes Claros (MG), nesta sexta, Lula disse não estar preocupado com o prefeito na corrida eleitoral. "Ele é uma ameaça ao Alckmin, não a mim", afirmou, em referência ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), padrinho político de Doria e outro possível presidenciável. Ele também afirmou que Doria foge do compromisso de governar São Paulo.

Lula está em caravana de comícios, encontros e conversas em Minas Gerais. No início de setembro ele encerrou a viagem pelo Nordeste.

A um ano da eleição, o ex-presidente se mantém na liderança da corrida presidencial, de acordo com pesquisa do Datafolha publicada em 30 de setembro. Ele conta com pelo menos 35% das intenções de voto nos cenários testados.

Alckmin e Doria presentam desempenho equivalente na disputa com Lula, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e a ex-ministra Marina Silva (Rede). Ele oscila entre 16% e 17% e ela varia entre 13% e 14% nos cenários com o ex-presidente no páreo. Nesse quadro, o governador e o prefeito alcançam 8% das intenções de voto.

Os livros prediletos de João Doria (PSDB)