MULHERES

Comercial da Ikea é considerado sexista por fazer piada com mulheres solteiras

A menina aparece ao lado de um homem que afirma que é seu parceiro e, de repente, todo o cenário da casa muda.

27/10/2017 11:55 -02 | Atualizado 27/10/2017 11:55 -02
Reprodução
A Ikea foi duramente criticada por um comercial sexista veiculado na China.

A Ikea, empresa sueca especializada em venda de domésticos, foi duramente criticada por um comercial veiculado na última semana em que fazia piada com mulheres solteiras.

Em menos de 40 segundos, o vídeo deixou bem claro a mensagem de que mulheres precisam de homens como companheiros para serem reconhecidas.

Veiculado na China, o comercial foi alvo de críticas nas redes sociais e a empresa pediu desculpas por ter sido "má interpretada". Após a repercussão, o vídeo foi retirado do ar.

O anúncio da empresa de móveis suecos mostra uma mãe repreendendo sua filha de 20 anos por não trazer um namorado para casa no jantar. Ela disse à jovem que não a aceitaria como filha se ela não conseguisse ter um acompanhante na próxima refeição da família.

Na cena seguinta, a menina aparece ao lado de um homem que afirma que é seu parceiro e, de repente, todo o cenário da casa muda. Seus pais reagem com otimismo e prazer. Na sala, todos os móveis são trocados por produtos modernos da Ikea.

Para o público, a implicação de que a jovem não significa nada para sua mãe, a menos que ela tenha um namorado, é completamente problemática. Nas redes sociais, o comercial foi considerado sexista e preconceituso com mulheres que decidiram não manter nenhum tipo de relacionamento.

De acordo com a BBC, os críticos também acusaram Ikea de reforçar o estigma em torno de mulheres solteiras na China, que muitas vezes são desprezadas como "as que sobraram" se não tiverem se casado até os 27 anos.

Em um comunicado oficial, a empresa sueca pediu desculpas pelo anúncio.

"Nós entendemos a preocupação causada por esta propaganda de TV e sinceramente pedimos desculpas por dar a percepção errada", escreveu a empresa. "A Ikea incentiva as pessoas a viverem muitos estilos de vida diferentes e vê a igualdade de gênero como uma parte fundamental de sua cultura e valores."

De acordo com a empresa, o objetivo do vídeo era "comemorar as conquistas cotidianas".

Linda Xu, porta-voz da Ikea na China, disse em entrevista a Reuters que o anúncio havia sido "retirado de todos os canais".

Em entrevista ao South China Morning Post, o consultor de varejo chinês Tang Xiaotang afirmou que as empresas estrangeiras deveriam ser "muito cuidadosas" quando se tratava de tópicos "relacionados ao nacionalismo e direitos das mulheres" na China, porque "ambas são áreas de alta sensibilidade."

18 livros para entender mais sobre feminismo e direitos das mulheres