VIRAL

'Jamais foi feito com a intenção de ofender', diz Marina Ruy Barbosa sobre polêmica em comercial de papel higiênico

Marca  foi criticada por usar em sua campanha o nome do movimento negro criado na década de 60 nos Estados Unidos.

25/10/2017 10:44 -02 | Atualizado 25/10/2017 10:45 -02
Reprodução/Santher
Nesta semana, a marca de produtos de higiene pessoal lançou um papel higiênico preto com uma campanha que levava a hashtag #blackisbeautiful.

Garota-propaganda da polêmica campanha de papel higiênico, a atriz Marina Ruy Barbosa usou seu perfil no Twitter para explicar que a Santher, dona da Personal, não teve a intenção de ofender e lamentar que pessoas tenham interpretado o trabalho publicitário "de forma diferente do que foi idealizado."

Nesta semana, a Personal lançou um papel higiênico preto com uma campanha que levava a hashtag #blackisbeautiful. Contudo, a marca foi criticada por usar o nome do movimento criado na década de 60 por intelectuais e artistas para enaltecer características físicas da população negra nos EUA. O movimento "Black Is Beautiful" chegou no Brasil com a tradução literal "negro é lindo."

"Pessoas morreram para que essa expressão fosse reverenciada até hoje. Pessoas continuam morrendo e essa expressão é mais importante e vital que nunca antes. Mas no Brasil, se você digitar #blackisbeautiful você vai encontrar papel de bunda", criticou um usuário.

A marca voltou atrás e disse ao HuffPost Brasil na última terça-feira (24) que a assinatura contendo "Black is beautiful" foi retirada de toda a comunicação da campanha. No mesmo dia, a estrela do comercial falou sobre a polêmica.

"Quando me convidaram e apresentaram a mensagem criativa da campanha para o produto personal Vip Black, produto já existente no exterior e trazido pela Santher para o Brasil, fiquei animada em fazer uma campanha diferente e que seria uma novidade", escreveu Marina Ruy Barbosa no Twitter. "Lamento profundamente que algumas pessoas tenham interpretado o trabalho publicitário da Santher de forma diferente do que foi idealizado."

Ela continua a nota dizendo que tem certeza de que não foi intenção da marca de "seguir por este caminho polêmico ou desrespeitar qualquer tipo de pessoa". Ela também pediu desculpas a aqueles que se ofenderem e afirmou estar triste com a repercussão negativa. "Espero que entendam que jamais foi feito com a intenção de ofender", finalizou.

O pedido de desculpas foi elogiado por usuários, mas também criticado por quem não viu racismo no lançamento e no slogan.

Veja abaixo a íntegra da nota da Santher enviada ontem (24) ao HuffPost Brasil:

"A mensagem criativa da campanha para o produto Personal Vip Black foi selecionada com o objetivo de destacar um produto que segue tendência de design já existente no exterior e trazida pela Santher para o Brasil. Nenhum outro significado, que não seja esse, foi pretendido.

Refutamos toda e qualquer insinuação ou acusação de preconceito neste caso e lamentamos outro entendimento que não seja o explicitado na peça.

Desta forma, Santher e Neogama vem a público informar que tal assinatura foi retirada de toda comunicação da campanha e apresentar suas desculpas por eventual associação da frase adotada ao movimento negro, tão respeitado e admirado por nós".

Humor x racismo em Os Trapalhões