VIRAL

Por que usar 'black is beautiful' em um slogan publicitário está sendo considerado racista

"Pessoas continuam morrendo e essa expressão é mais importante e vital que nunca".

24/10/2017 15:56 -02 | Atualizado 24/10/2017 17:15 -02

Uma expressão histórica de luta contra o racismo foi usada em uma campanha de papel higiênico.

Com a atriz Marina Ruy Barbosa de garota propaganda e com as expressões "Seja Ousado. Seja diferente. Seja #PersonalVipBlack", a Santher, fabricante de produtos descartáveis e de uso doméstico e detentora da marca Personal, apresentou ao mercado o lançamento e usou a hashtag #blackisbeautiful para isso.

Segundo a fabricante, este é o primeiro papel higiênico preto produzido no País e a ideia é usar a tonalidade como referência de sofisticação e "um novo olhar para a decoração com diferenciação" para quem usá-lo. Por isso a escolha de Marina Ruy Barbosa também:

"Ela [Marina Ruy Barbosa] representa a essência deste lançamento, um papel higiênico criado para mostrar que bom gosto e requinte podem estar presentes em todos os momentos do dia a dia das famílias", explica em nota a líder de marketing da marca, Lucia Rezende, ao G1.

Mas assim que foi postada nas redes sociais, nesta segunda-feira (23), a divulgação do produto gerou repercussão -- e muitas críticas.

Alguns não entenderam o propósito da campanha.

Outros criticaram fortemente o slogam usado pela marca, considerado racista.

Criado na década de 1960 por artistas e intelectuais, o "Black Is Beautiful" surgiu para enaltecer características físicas da população negra nos EUA. O movimento chegou até o Brasil, em tradução literal "negro é lindo".

Bettmann Archive

Um dos posts mais compartilhados até esta terça-feira (24) sobre o tema, é do escritor Anderson França, em que ele explica porque ter um papel higiênico na cor preta não é racista mas o uso do slogan é.

"Pessoas morreram para que essa expressão fosse reverenciada até hoje. Pessoas continuam morrendo e essa expressão é mais importante e vital que nunca", escreveu.

Para ele esta propaganda é "senão um dos mais graves ataques racistas praticados por uma empresa brasileira":

"Numa atitude racista e irresponsável, consciente e deliberada, (a Santher) decidiu que essa expressão deve remeter a papel higiênico, cuja função qualquer pessoa conhece".

Leia o post completo abaixo:

Coletivos ligados ao movimento negro também se posicionaram sobre o assunto:

A repercussão negativa da campanha feita pela agência Neogama chegou até o jornal britânico The Guardian.

Mais tarde, ainda na segunda-feira (23), a marca fez uma edição em um vídeo que tinha sido divulgado com a campanha excluindo a hashtag #blackisbeautiful, segundo o professor da FAAP, Eric Messa:

Marina Ruy Barbosa também apagou a postagem em que anunciava sua participação na campanha. "Um lançamento que eu adorei fazer parte! O primeiro papel higiênico preto do país!", havia escrito a artista em sua conta pessoal do Instagram, sem mencionar o slogan.

Procuradas pelo HuffPost Brasil, a Personal e a Neogama ainda não se posicionaram sobre o assunto.

ATUALIZAÇÃO:

Em nota enviada ao HuffPost Brasil, a marca informa que a assinatura contendo "black is beautiful" foi retirada de toda a comunicação da campanha. Leia na íntegra:

"A mensagem criativa da campanha para o produto Personal Vip Black foi selecionada com o objetivo de destacar um produto que segue tendência de design já existente no exterior e trazida pela Santher para o Brasil. Nenhum outro significado, que não seja esse, foi pretendido.

Refutamos toda e qualquer insinuação ou acusação de preconceito neste caso e lamentamos outro entendimento que não seja o explicitado na peça.

Desta forma, Santher e Neogama vem a público informar que tal assinatura foi retirada de toda comunicação da campanha e apresentar suas desculpas por eventual associação da frase adotada ao movimento negro, tão respeitado e admirado por nós".