ENTRETENIMENTO

George Clooney sobre Weinstein: 'Tem que ter um castigo por isso tudo'

"É preciso haver consequências para todas as pessoas que fizeram parte dessa corrente."

23/10/2017 19:51 -02 | Atualizado 23/10/2017 19:59 -02

Na esteira das numerosas acusações de agressão e assédio sexual feitas ao executivo cinematográfico Harvey Weinstein, Hollywood continua a confrontar seu passado. Mas o cinema não é o único setor que permite a persistência de uma cultura de abusos cometidos contra mulheres.

George Clooney concedeu entrevista ao programa "Entertainment Tonight" para promover seu novo filme, Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso, ao lado de Matt Damon, e falou de como sua esposa, Amal, enfrentou assédio sexual ao longo de sua carreira como advogada de direitos humanos.

"Ela já enfrentou exatamente esse tipo de situações na carreira", ele disse. "Isso está presente em toda parte, e precisa ser combatido, já que é um problema para todos nós. E precisamos enfrentar isso com força total, porque o tipo de agressão de que estamos falando... é exasperador que isso tenha sido feito escondido por tanto tempo."

Steve Granitz via Getty Images

Em entrevista separada à ABC News que deu juntamente com Matt Damon, que admitiu ter tido conhecimento do assédio de Weinstein a Gwyneth Paltrow, Clooney disse que é "enfurecedor" ouvir sobre os atos sexuais predatórios de Weinstein e como ele silenciou tantas vítimas.

"O fato de que a história está vindo à tona agora, e quanto mais vem à tona, quero saber tudo sobre isso", disse o ator. Ele continua:

"Eu teria tomado uma atitude. Fico muito furioso diante disso. Onde ele gastou seus dólares de anúncios com as pessoas que não publicaram essa história?... Tem que haver um castigo por isso tudo."

Ele conclui: "É preciso haver consequências para todas as pessoas que fizeram parte dessa corrente. Precisamos criar condições para que as pessoas se sintam em segurança para falar sobre isso. E acho que isso vai deixar as pessoas com medo de apresentarem esses tipos de comportamento."

Em declaração anterior ao "The Daily Beast", Clooney disse que, apesar de conhecer Harvey Weinstein há décadas, nunca testemunhou comportamentos como os que foram detalhados pelas numerosas alegadas vítimas do produtor.

É indefensável. Essa é a única palavra que se aplica, para começar. Harvey admitiu ter feito, e é indefensável. Conheço Harvey há 20 anos. Ele me deu minha primeira grande chance como ator de cinema, em Um Drink no Inferno, ele me deu minha primeira grande chance como diretor, com Confissões de Uma Mente Perigosa. Estivemos juntos em jantares, estivemos juntos em filmagens, tivemos discussões. Mas garanto a você que nunca testemunhei nada desse comportamento – jamais.

Na semana passada George Clooney negou alegações de que ele teria "ajudado a colocar numa lista negra" a ex-atriz da série ER (Plantão Médico, em tradução livre) Vanessa Marquez quando ela se queixou de ter sofrido assédio no set do drama da NBC, na qual Clooney atuou de 1994 a 1999 no papel do Dr. Doug Ross.

*Este texto foi originamente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

Celebridades reagem à Harvey Weinstein