MULHERES

A polêmica por trás do homem que se diz coach em empoderamento feminino

Profissional foi criticado nas redes sociais por dar palestras sobre "empoderamento feminino".

21/10/2017 11:39 -02 | Atualizado 21/10/2017 15:58 -02

Um evento exclusivo para mulheres foi alvo de críticas nesta semana por ter entre os palestrantes um homem. O workshop "Permita-se ser fodástica", no qual ajuda mulheres a recuperarem autoestima, conquistarem uma carreira bem-sucedida e terem vida financeira equilibrada, contará com o palestrante William Nascimento, que é coach em "empoderamento feminino".

Logo após a divulgação do evento, que está marcado para próximo sábado (28) em Santo André, região metropolitana de São Paulo, mulheres e simpatizantes de grupos feministas criticaram o profissional, alegando que um homem não poderia ensinar ou inspirar mulheres a serem mais empoderadas, uma vez que ele não é e não sabe como é ser uma mulher.

A polêmica também gerou debate sobre o termo mansplaining, quando um homem quer explicar algo óbvio para uma mulher, como se ela não fosse capaz de entender. Ou seja, acontece o mansplaining quando um homem acha que sabe mais sobre um assunto do que uma mulher.

"Como ganhar dinheiro com machismo? Vire coach e lucre com sua babaquice", rebateu uma usuária ao comentar a palestra de Nascimento. "[Quando] o mansplaining é levado às últimas consequências. Isto é, ao ponto de um homem querer ensinar para uma mulher como ser mulher."

Também nas redes, usuários acusaram o coach de ser misógino. Em 2015, Nascimento postou uma foto no Facebook antes de ir a um protesto que pedia o impeachment da ex-presidente com um cartaz em que se lia: ", arruma logo um namorado para parar de fud*r com a gente!!."

Em seus perfis nas redes sociais, William Nascimento se diz coach de empoderamento feminino, consultor de relacionamentos, hipnoterapeuta e analista comportamental. Seu público alvo são mulheres.

Ele tem grupos online chamados de "Mulheres Fodásticas", nos quais ele dá suporte e dicas de como ser uma mulher que "faz realmente a diferença na sua vida e na vida das pessoas com quem se relaciona".

O grupo é recomendado, segundo o coach, para mulheres que cansaram de serem "feitas de trouxa" nos relacionamentos, que se sentem "frustradas por não darem certo com nenhum homem", que têm "dificuldade em dizer não para as pessoas", que se sentem "perdidas com o rumo da sua vida" e que "não gostam da imagem que se vê no espelho". Ele também é criador do site Empoderando Vidas, mas o mesmo saiu do ar nesta semana.

No Instagram, Nascimento posta diversas mensagens de apoio e "empoderamento" às mulheres. Apesar disso, suas postagens falam muito pouco sobre as conquistas femininas, autoestima e autoaceitação, e focam muito mais na valorização das mulheres em relacionamentos com homens.

Palmas pra você!!!

Uma publicação compartilhada por William Nascimento (@william.thecoach) em

Fica a #DicadoWill

Uma publicação compartilhada por William Nascimento (@william.thecoach) em

Sempre importante lembrar!

Uma publicação compartilhada por William Nascimento (@william.thecoach) em

O HuffPost Brasil tentou entrar em contato com o coach, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria. Ontem, William Nascimento falou à Veja.com sobre as críticas.

"Não foram críticas à palestra, e sim ao fato de ser um homem ajudando mulheres a turbinar sua autoestima. Foi isso que gerou polêmica", disse Nascimento, acrescentando que em suas palestras ele dá dicas para ajudar mulheres a "se sentirem mais poderosas."

18 livros para entender mais sobre feminismo e direitos das mulheres