MUNDO
06/10/2017 09:59 -03 | Atualizado 06/10/2017 10:09 -03

Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares ganha Nobel da Paz

O comitê do Nobel informou que premiou a Ican "pelo seu papel em destacar as catastróficas consequências de qualquer utilização de armas nucleares".

FABRICE COFFRINI via Getty Images
Esta união de associações que estende por 100 países foi uma "força motriz" e um "ator líder da sociedade civil" do movimento contra as armas nucleares.

A Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (Ican, sigla em inglês) foi premiada, nesta sexta-feira (6), com o prêmio Nobel da Paz, anunciou o Comitê Nobel Norueguês, alertando sobre as "consequências humanitárias catastróficas" desses arsenais e pelos seus esforços para fazer um tratado que os proíbe. A informação é da agência EFE.

Esta união de associações que estende por 100 países foi uma "força motriz" e um "ator líder da sociedade civil" do movimento contra as armas nucleares e juntou esforços para "estigmatizar, proibir e eliminar" este tipo de armamento, diz a argumentação do prêmio.

O comitê do Nobel informou que premiou a Ican "pelo seu papel em destacar as catastróficas consequências de qualquer utilização de armas nucleares e por seus esforços inovadores para se alcançar um tratado de proibição destas armas".

O Comitê enfatizou o "sofrimento humano inaceitável" como um "argumento importante" para a proibição de armas e enfatizou que outras armas menos destrutivas, como as minas antipessoais, bombas de fragmentação e armas químicas e biológicas já foram proibidas por diferentes tratados.

O Nobel destacou que no dia 7 de julho deste ano, 122 países assinaram um tratado internacional contra a proliferação nuclear, mas lamentou que nenhum dos "países que têm armas nucleares, nem seus aliados" ratificaram, ainda que Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China tenham dado um primeiro passo neste sentido.

Este prêmio, acrescentou a decisão, é "também um apelo" a estes países para que iniciem "negociações sérias" para a eliminação das 15 mil "armas nucleares existentes em todo mundo".

A Ican sucede, no prêmio, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que foi homenageado pelos seus "decididos esforços" para levar a paz ao seu país, após 52 anos de conflito armado. A decisão foi anunciada dias após o "não" vencer no referendo colombiano sobre os acordos com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O anúncio deste ano foi a estreia da presidente do Comitê Nobel Norueguês, Berit Reiss-Andersen, que assumiu o cargo após a morte de Kaci Kullmann Five, ex-líder conservadora norueguesa, em fevereiro deste ano.

O prêmio da Paz fecha os anúncios do Nobel esta semana, que foi aberto na última segunda-feira (2) com o de Medicina aos cientistas americanos Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young, por descobrir os mecanismos do chamado relógio biológico.

Ontem (5) foi a vez da Literatura, que foi para o escritor britânico de origem japonesa Kazuo Ishiguro, reconhecendo a força "emocional" de seus romances. Na próxima segunda (9) será conhecido o vencedor do prêmio Nobel de Economia.

A entrega da premiação acontecerá no dia 10 de dezembro, aniversário da morte do fundador dos prêmios, Alfred Nobel, em uma dupla cerimônia na Câmara Municipal de Oslo, onde será entregue o da Paz, e no Konserthus, de Estocolmo, para o resto dos prêmios.

(Com informações da Agência Brasil e ANSA).

Protesto pela paz em Copacabana