LGBT

Jeffrey Tambor ainda não se sente ‘no direito’ de interpretar uma mulher trans

‘A pressão é diária’, disse o ator às vésperas da estreia da quarta temporada de ‘Transparent’.

22/09/2017 11:40 -03 | Atualizado 22/09/2017 11:40 -03
Desiree Navarro via Getty Images

Quando "Transparent" estreou, em 2014, a série foi criticada por escalar o ator cis Jeffrey Tambor no papel de Maura Pfefferman, uma mulher trans.

Três anos se passaram, e "Transparent" se solidificou como uma das séries mais desafiadoras, ambiciosas, complexas e saborosas da TV. A criadora da série, Jill Soloway, que se identifica como não-binária, fala abertamente sobre a contratação de atores, equipe e figurantes trans, garantindo que "em nenhum momento os trans se sentem como 'os outros' pela equipe".

Mas os sentimentos de Tambor em relação ao papel seguem complicados.

"Não me sinto no direito, e isso é uma pressão diária", disse ele ao apresentador de rádio Larry Flick durante uma discussão no The Paley Center for The Media. Soloway e outros integrantes do elenco também participaram do debate, refletindo sobre a evolução da série às vésperas do lançamento da quarta temporada.

Quando Flick perguntou a Tambor qual é a parte mais assustadora de interpretar Maura, o ator respondeu: "Me deram uma tarefa, e tenho de cumpri-la direito. Pode parecer coisa de ator, mas há vidas em jogo".

Tambor ganhou dois Emmys pelo papel, uma acadêmica de Los Angeles que sai do armário para a família e começa o processo confuso, empolgante e contínuo de fazer a transição de gênero.

No discurso da premiação do ano passado, Tambor disse que Hollywood deveria deixar atores trans contarem suas próprias histórias. "Gostaria muito de ser o último ator cisgênero a fazer o papel de uma mulher transgênero", disse ele.

Tambor trabalhou com os consultores Zackary Drucker e Rhys Ernst, ambos trans, no processo de tornar-se Maura. Eles o ajudaram a entender alguns dos medos, fobias e preconceitos que os trans enfrentam em suas vidas diárias.

Mas é claro que conversas não se comparam com a realidade de viver a verdade de ser trans diariamente. Como diz Tambor: "No fim do dia, eu deixo de ser Maura – mas ironia, claro, é que isso não é realmente possível. Maura me acompanha. Mas vou para casa em minha fantasia de Jeffrey. Sempre discuto com isso, mas, de certa maneira, essa discussão me ajuda a interpretar o papel".

O elenco é unânime em concordar que um ator do calibre de Tambor foi uma imensa contribuição para o sucesso da série. A conversa sobre representação e visibilidade evoluiu no cenário do entretenimento em boa parte graças a séries como "Transparent".

Tambor imagina que, se o elenco fosse escolhido hoje, outra pessoa seria indicada para o papel principal. Soloway, entretanto, pareceu perplexa. "Só estou pensando quem eu escolheria!", brincou a criadora da série.

É difícil imaginar outro ator no papel de Maura, especialmente agora, com Tambor tão estabelecido e demonstrando tanto vigor e vulnerabilidade. A cada nova temporada é incrível observar o ator Jeffrey Tambor desaparecer e tornar-se outra pessoa: uma mulher gentil, maleável, espirituosa e exposta.

Apesar de Maura, como Tambor, ter 70 anos, o ator a descreve como uma "adolescente robusta" de espírito, ainda se encontrando como mulher. Quando Flick perguntou quando Maura vai finalmente sentir-se adulta, tambor respondeu: "Espero que nunca. Acho que o espírito do seu coração e do seu amor é atemporal".

Soloway continua a explorar os limites na quarta temporada, cuja trama se centra em parte na viagem de Maura e Ali a Israel. A série não comenta especificamente sobre a ameaça que o atual governo americano representa para grupos marginalizados, incluindo a comunidade trans, mas as sensações de ansiedade e terror compartilhadas por muitos estão presentes. Como diz Soloway, "a sensação de que o mundo está em chamas" está sempre ali.

Apesar de "Transparent" sempre ter sido radical, Flick afirma que a quarta temporada parece ir mais longe, mudando o ângulo da história para uma perspectiva trans. Embora Soloway diga que esse não seja a intenção, ela acolheu a interpretação.

"Estamos tentando focar na sensação 'do outro' – mulheres, pessoas de cor, gays e especialmente trans", explicou Soloway. "Queremos que eles se sintam os protagonistas – os sujeitos, não os objetos. Se o olhar trans caminha para o centro, esse é o sonho da série."

A quarta temporada de "Transparent" estará disponível na Amazon a partir de 22 de setembro.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

6 famosos que têm filhos transgênero