ENTRETENIMENTO

A história de Isabel, refugiada do Congo que emocionou o público do 'The Voice Brasil'

Jovem de 16 anos foi a primeira aprovada nas audições às cegas da nova temporada do talent show.

22/09/2017 10:44 -03 | Atualizado 22/09/2017 11:06 -03
TV Globo
Isabel Antonio, de 16 anos, foi a primeira aprovada nas audições às cegas.

A estreia da nova temporada The Voice Brasil, que ocorreu na noite desta quinta-feira (22), mexeu com a emoção do público.

A primeira participante das audições às cegas foi Isabel Antonio, uma garota de 16 anos, refugiada do Congo. No palco, ela cantou Trem Bala, sucesso de Ana Vilela.

Logo nos primeiros versos, o jurado Carlinhos Brown virou a cadeira (veja a performance completa clicando aqui).

Assim que terminou seu número, Isabel contou a origem de seu sotaque, o que deixou Ivete Sangalo arrependida de não ter escolhido a garota para o seu time.

"Estou deitada no chão. Pode deitar em mim que eu estou arrasada", disse Veveta.

Respondendo às perguntas de Lulu Santos, Ivete Sangalo, Michel Teló e Brown, a jovem congolesa contou que fugiu há dois anos da guerra no país africano. Com ajuda de missionárias, ela chegou em São Paulo ainda sem os pais, que foram localizados tempos depois.

Na capital paulista, ela começou a participar de um coral orientado pelo maestro João Carlos Martins. Foi lá onde descobriu seu talento para o canto e a paixão pela música.

Brown aproveitou a ocasião para fazer um discurso sobre questão de raça e História do Brasil:

"Foi uma princesa chamada Isabel que trouxe para nós uma liberdade exclusiva. Uma mulher sensível, de pele clara, que libertou os negros da escravidão. Eles que vinham do Congo, de Angola, foram pra Bahia, foram pra Recife e também para o Rio", declarou.

Tocados com a história de vida de Isabel, o quarteto de jurados decidiu dar uma abraço coletivo nela. "Seja bem-vinda ao nosso País, que é seu por direito", disse Ivete.

A acolhida foi completada por Brown: "Seja bem-vinda. Não só ao The Voice, como a tudo o que você fizer nesse País. Porque esse é um País das misturas, onde tudo funciona em coletivo e no amor".

Assim como os jurados, os espectadores nas redes também ficaram impressionados tanto com o número quanto com a história de Isabel.