ENTRETENIMENTO

A carta aberta de Serena Williams para a mãe e a celebração do 'poder da mulher negra'

"Temos curva, somos fortes, musculosas, altas, baixas, só para citar algumas, e todas iguais: somos mulheres e orgulhosas."

20/09/2017 13:01 -03 | Atualizado 20/09/2017 14:26 -03

"Querida mãe, você é uma das mulheres mais fortes que eu conheço."

Assim começa a carta aberta que Serena Williams publicou no Reddit nesta terça-feira (19). Em um texto cheio de emoção, a tenista premiada agradece a mãe, Oracene Price, pelo apoio e companheirismo durante toda a sua carreira como atleta.

Uma das maiores tenistas do mundo, vencedora de 23 Grand Slams, Serena enfrentou com inúmeros desafios até alcançar o topo do esporte. E faz questão de apontar que só conseguiu vencê-los com a ajuda mãe.

Na carta, ela relembra que foi chamada de "homem" por conta de sua aparência forte, foi acusada de "usar drogas" por apresentar sempre alta performance, além da questão do racismo, batalha que enfrenta desde o início da carreira na adolescência.

"Tenho orgulho que nós pudemos mostrar a eles como algumas mulheres se parecem. Não temos todas a mesma aparência. Temos curva, somos fortes, musculosas, altas, baixas, só para citar algumas, e todas iguais: somos mulheres e orgulhosas", comemora a atleta.

Aos 36 anos, Serena Williams deu à luz no último dia 1º de setembro a sua primeira filha, Alexis Olympia Ohanian Jr., com Alexis Ohanian - cofundador da rede social Reddit. No texto, ela também reflete como a força de Oracene, uma mulher negra, tem influenciado sua visão como mãe de primeira viagem.

Leia a carta de Serena na íntegra:

"Querida mãe, você é uma das mulheres mais fortes que eu conheço. Estava olhando para minha filha (meu deus, eu tenho uma filha) e ela tem meus braços e minhas pernas. Exatamente a mesma força, musculatura, potência em seus braços e corpo sensacionais. Não sei como reagirei se ela passar pelo que passei desde meus 15 anos até os dias de hoje. Tenho sido chamada de homem por causa de minha aparência forte. Disseram que eu uso drogas (não, eu sempre tive muita integridade para agir de maneira desonesta para levar vantagem).

Disseram que não pertenço ao esporte feminino – que pertenço ao masculino – porque pareço mais forte que várias outras mulheres. (Não, eu apenas trabalho duro e nasci com este corpo "f..." e me orgulho disso). Mas, mãe, não sei como você não foi para cima de cada repórter, pessoa, locutor e, francamente, haters que eram muito ignorantes para entender o poder de uma mulher negra. Tenho orgulho que nós pudemos mostrar a eles como algumas mulheres se parecem. Não temos todas a mesma aparência. Temos curva, somos fortes, musculosas, altas, baixas, só para citar algumas, e todas iguais: somos mulheres e orgulhosas!

Você tem tanta classe, eu só desejo ter a sua liderança. Estou tentando, porém, e Deus ainda não terminou comigo. Eu tenho um longo caminho a percorrer, mas obrigado. Obrigado por ser o exemplo que eu precisava para suportar todas as dificuldades que agora considero como desafios – e eu gosto. Espero ensinar minha bebê Alexis Olympia o mesmo, e ter a mesma força que você teve. Prometa-me, mãe, que você vai continuar me ajudando. Ainda não tenho certeza se sou tão calma e forte quanto você. Espero chegar lá um dia. Eu te amo muito.

Da (filha) mais nova das cinco,

Serena"

De acordo com a ESPN, a pequena, filha da tenista com o noivo Alexis Ohanian, nasceu no último dia 1º de setembro, pesando 2, 700 kg, na cidade de Palm Springs, na Flórida.

Serena Williams havia anunciado sua gravidez em abril, em um vídeo gravado no seu perfil do Snapchat. No momento, ela estava grávida de cinco meses, isso quer dizer que Serena já esperava o bebê quando arrasou no Australian Open em janeiro. Assim como o noivo, co-fundador da rede social Reddit, a americana de 35 anos só soube do sexo do bebê no nascimento.

Ainda segundo a ESPN, Serena Williams, que é uma das maiores tenistas do mundo, não pretende abandonar as quadras em função da maternidade. Williams, que já venceu 23 Grand Slams, afirmou em agosto que pretende voltar às quadras em janeiro de 2018.

Quem são as heroínas negras do Brasil