MULHERES

Uma pesquisa pediu a homens que identificassem a vagina. Metade não conseguiu

Isso não é nada bom para sua saúde ginecológica.

09/09/2017 20:12 -03 | Atualizado 09/09/2017 20:12 -03

Homens e mulheres fazem sexo juntos há muito, muito tempo. Mas, apesar de estarmos em 2017, parece que muitos homens ainda não sabem onde fica a vagina.

Segundo pesquisa recente de uma ONG beneficente que combate o câncer ginecológico, metade dos homens entrevistados não conseguiu identificar a vagina. A informação é do jornal The Independent.

A ONG em questão, The Eve Appeal, pediu a 2.000 britânicos, metade dos quais homens, para apontar onde ficava a vagina em um diagrama. Apenas 50% dos homens conseguiu localizá-la.

Kinwun via Getty Images
Um diagrama útil.

Os resultados da pesquisa foram divulgados para coincidir com o início do Mês de Consciência do Câncer Ginecológico no Reino Unido, em setembro. Os autores do estudo disseram que os resultados indicam que, para muitos homens, o corpo da mulher ainda é "um tema tabu, envolto em mistério", e consideraram isso preocupante.

A entidade diz que os homens precisam ter consciência maior das questões ginecológicas: 17% dos homens entrevistados "não sabem nada sobre questões de saúde ginecológica e não considera que precisam saber, já que é uma questão feminina". Metade dos homens entrevistados também admitiram que não ficariam à vontade em falar dessas questões com uma companheira.

Paul Viant via Getty Images

No ano passado, porém, a Eve Appeal constatou que 44% das mulheres não conseguiu localizar a vagina em um diagrama, mostrando que a consciência ginecológica também precisa melhorar entre as mulheres. A organização constatou também que 19% das mulheres não procuraria um médico se sofresse sangramento vaginal anormal, apesar de esse ser um sintoma de todos os cinco tipos de câncer ginecológico, segundo o Independent.

"Os resultados da pesquisa revelam níveis baixíssimos de consciência dos sintomas de câncer ginecológico, tanto entre homens quanto entre mulheres", comentou Athena Lamnisos, a executiva-chefe da Eve Appeal.

Os resultados da pesquisa revelam níveis baixíssimos de consciência dos sintomas do câncer ginecológico, tanto entre homens quanto entre mulheres.

"Sabemos, pelas muitas ligações que nós na Eve Appeal recebemos de homens, que eles podem exercer um papel vital na identificação dos sintomas de câncer ginecológico, incentivando suas parceiras a procurarem um médico. O diagnóstico precoce é crucial e pode salvar vidas."

"Não é uma questão de sexo melhor. É uma questão de homens ajudarem as mulheres a cuidar de sua saúde. A consciência ginecológica e a quebra de tabus são responsabilidades que cabem a todos nós, homens e mulheres igualmente."

Não é uma questão de sexo melhor. É uma questão de homens ajudarem as mulheres a cuidar de sua saúde.

De acordo com a Statistics Canada, em 2010 surgiram 82.885 casos novos de câncer em mulheres canadenses, 12% dos quais eram cânceres do sistema reprodutivo. Os tipos mais comuns de câncer do sistema reprodutivo feminino foram os cânceres do útero, ovário e colo do útero.

Desses cânceres do sistema reprodutivo, o câncer de ovário foi o mais mortal, tendo provocado 9,5 mortes em cada 100 mil mulheres em 2010, enquanto as mulheres mais jovens têm mais chance de sofrer um câncer do colo do útero que um câncer uterino ou ovariano.

ericsphotography

Os indícios e sintomas de câncer ovariano incluem, mas não se limitam a, sangramento vaginal anormal, um nódulo que pode ser sentido na área pélvica ou abdominal, necessidade de urinar com frequência, prisão de ventre, fadiga, inchaço e dor nas relações sexuais. A informação é da Sociedade Canadense de Câncer.

Os sintomas de câncer ginecológico podem incluir sangramento irregular, corrimento vaginal com odor, dor nas relações sexuais, mudanças na aparência da pele da vulva, mudanças de hábitos intestinais ou urinários que continuam por mais de um mês, e urinação aumentada.

Desses cânceres do sistema reprodutivo, o câncer de ovário foi o mais mortal, tendo provocado 9,5 mortes em cada 100 mil mulheres em 2010.

"As mulheres nunca devem sentir vergonha de procurar ajuda médica se tiverem preocupações quanto à sua saúde ginecológica", disse a professa Janice Rymer, vice-presidente de educação na Faculdade Real de Obstetrícia e Ginecologia.

"É vital a mulher procurar assistência médica se observar qualquer sangramento vaginal inabitual, mudança de hábitos intestinais ou urinários, dor ou desconforto nas relações sexuais ou corrimentos vaginais com odor desagradável. Pode não ser nada de grava, mas é melhor procurar o médico."

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost CA e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- #MeuCorpoNãoÉPúblico: Um manifesto contra o assédio e a favor de uma cidade para as mulheres

- #HomãodaPorra: Elogio ajuda ou atrapalha o feminismo?

Sexualidade e Ignorância: Até quando?