POLÍTICA

PGR apresenta nova denúncia contra Lula e Dilma, agora por obstrução de Justiça

Para a defesa de Lula, Janot tem atuação “afoita e atabalhoada” nos seus últimos dias.

06/09/2017 19:40 -03 | Atualizado 06/09/2017 19:40 -03
Ueslei Marcelino / Reuters
Lula e Dilma denunciados foram por suposto crime de obstrução de Justiça.

Por André Richter

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou nesta terça-feira (6) nova denúncia contra a ex-presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por suposto crime de obstrução de Justiça. No entendimento de Janot, a nomeação de Lula para ministro da Casa Civil em 2016 teve objetivo de combater as investigações porque ele já figurava como réu em um dos processos da Lava Jato. O ex-ministro Aloizio Mercadante também foi denunciado.

Em março de 2016, por uma decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, a nomeação de Lula foi suspensa, por entender que a nomeação para o cargo teve o objetivo de retirar a competência do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato, para julgá-lo e passar a tarefa ao Supremo, instância que julga ministros de Estado.

Terça-feira (5), Janot apresentou outra denúncia contra Lula e Dilma, além dos ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci, pelo crime de organização criminosa. Na denúncia, Janot sustenta que os acusados formaram uma organização criminosa no Partido dos Trabalhadores (PT) para receber propina desviada da Petrobras durante as investigações da Operação Lava Jato.

Outro lado

Em nota, a defesa do ex-presidente Lula declarou que Janot tem atuação "afoita e atabalhoada" nos últimos dias do seu mandato. "Essa é a denúncia apresentada pelo Procurador-Geral da República para o próprio Supremo Tribunal Federal, talvez na busca de gerar algum ruído midiático que encubra questionamentos sobre sua atuação no crepúsculo do seu mandato", diz o texto.

LEIA TAMBÉM:

- Lava Jato: O que Palocci disse sobre Lula, Dilma e Odebrecht

- 'O que nós falamos não é verdade', dizem delatores da JBS

A mais grave crise do Governo Temer