POLÍTICA

O que fez Janot se distanciar de uma pecha de 'engavetador-geral' da RepĂșblica

Medo ou coragem? đŸ€

05/09/2017 17:38 -03 | Atualizado 05/09/2017 17:40 -03
Ueslei Marcelino / Reuters
Janot: o medo nos faz alerta.

Ao encerrar a última sessão no comando do Conselho Superior do Ministério Público Federal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, explicou que o que o levou a ter uma postura firme no comando do Ministério Público Federal não foi coragem, como muitos pensam.

O segredo de Janot foi o medo.

Todas as questões que enfrentei, eu enfrentei muito mais por medo, medo de errar, de omitir, de decepcionar minha instituição do que por coragem de enfrentar esses enormes desafios.

Com essa tônica, o procurador se distanciou da pecha que "engavetador-geral da República" que ronda o MPF desde o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Na época, a instituição era comandada por Geraldo Brindeiro, que ficou conhecido por mandar arquivar as investigações desfavoráveis ao governo.

Com Janot, ocorreu o contrário. Apesar de criticado diversas vezes por integrantes do Executivo, Legislativo e até Judiciário, o trabalho de Janot tem sido considerado corajoso.

No comando da procuradoria, ele pediu para investigar pelo menos quatro ex-presidentes, além de Michel Temer, e dos atuais presidentes da Câmara e do Senado e seus antecessores.

Na segunda-feira (4), ao anunciar investigação que pode rever um dos casos mais emblemáticos de acordo de delação premiada firmados por ele, Janot ouviu novamente que a ação foi corajosa.

Foi depois de ouvir esse comentário mais uma vez que ele pensou sobre sua atuação:

"Me falaram que agi com muita coragem. E ontem foi um dos dias mais tensos e dos maiores desafios desse período. Alguém disse para mim: você realmente é um homem de muita coragem. E pensei: será que eu sou um homem de coragem mesmo? Não tenho coragem alguma, o que eu tenho é medo. E o medo nos faz alerta. Medo de que? Medo de errar muito e medo de decepcionar minha instituição."

A cautela do procurador em alguns casos, entretanto, será amplamente questionada pelos advogados de alvos de pedidos de abertura de investigação assinados pelo procurador.

A defesa do presidente Michel Temer, denunciado por Janot por crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, já anunciou que vai questionar o processo.

O advogado Antonio Mariz acusa do procurador de ter cometido ilegalidades e irregularidades na condução de investigações da Operação Lava Jato.

LEIA MAIS:

- Com nova investigação da PGR, perdão a Joesley pode ser anulado

- Joesley x Temer: Às vésperas de segunda denúncia, presidente e empresário trocam farpas

Entenda a Operação Lava Jato