MULHERES

Joseph Fiennes: 'O Conto da Aia me fez acordar para pautas feministas'

O ator da série afirmou que participar do programa influenciou em seu 'estado de consciência' sobre a desigualdade de gênero.

04/09/2017 18:00 -03 | Atualizado 04/09/2017 21:49 -03
Take Five/Hulu
"Foi maravilhoso ver as marchas das mulheres e ver números maiores do que a inauguração do presidente", disse Fiennes.

É difícil trabalhar em um programa de TV como O Conto da Aia e não ser "sacudido" em seu "estado de consciência", de acordo com Joseph Fiennes.

Fiennes interpreta o comandante Fred Waterford, o líder da república distópica opressiva chamada Gilead na série de sucesso da Hulu. O Conto da Aia é baseada no livro do mesmo nome de Margaret Atwood. O livro foi anunciado como um clássico feminista e (depois de algum momento de incerteza nessa classificação) a série parece estar seguindo o exemplo.

Portanto, não é nenhuma surpresa que Fiennes afirme que ele se tornou uma feminista ainda maior depois de interpretar o Comandante em um elenco cheio de mulheres icônicas como Elisabeth Moss (a protagonista da série Offred) e Yvonne Strahovski (Serena Joy, a esposa brilhantemente sádica do Comandante).

Em uma entrevista à Marie Claire, Fiennes disse que a série realmente o despertou para as questões das mulheres - especialmente porque as "pessoas mais importantes" em sua vida são sua esposa e duas filhas.

"Certamente, a série me empurrou para um estado muito mais de alerta da desigualdade entre os sexos", disse ele. "Em virtude disso, eu me sinto muito mais ligado ao feminismo, o que isso significa e quais são os seus objetivos. Eu quero que minhas filhas vivam em um mundo onde há igualdade e paridade de salários. Nós temos um longo caminho a percorrer. Eu leio as estatísticas de que, se você é uma mulher hispânica, está há mais de 200 anos até alcançar a paridade de pagamento. Então, sim, a série me sacudiu para um estado muito mais consciente dessas questões."

A série me deixou em um estado muito mais alerta da desigualdade entre os sexos. Em virtude disso, sinto-me muito mais ligado ao feminismo, o que isso significa e quais são seus objetivos.

Fiennes também falou sobre a forma como o futuro distópico retratado em O Conto da Aia começou a se sentir mais perto da vida real no último ano. Desde os Estados Unidos saindo do acordo climático de Paris até a a constante guerra sobre os corpos das mulheres e a autonomia reprodutiva, Fiennes apontou os paralelos entre a Gilead ficcional e os Estados Unidos em 2017.

"Quando você acorda e vê que a América saiu do acordo climático em Paris, isso é uma enorme mensagem sobre como priorizar o carvão antes do planeta. Gilead sofreu com uma ecologia frágil que agora é tóxica e afeta as taxas de fertilidade", disse Fiennes à Marie Claire."É verdade, há uma conexão, temas e paralelos, infelizmente. Está ficando mais nítida e mais nítida, especialmente para as mulheres - a autonomia de seus corpos, e pró-escolha versus pró-vida. Olhe para a administração, o desequilíbrio da presença feminina - há muito para se envolver".

Outra conexão? Os protestos e a resistência que os EUA viram desde o início do mandato do presidente Donald Trump.

"Foi maravilhoso ver as marchas das mulheres e ver números maiores do que a inauguração do presidente", disse Fiennes. "Dá um grande calor no coração saber que há pessoas presentes, alertas e acordadas, e expressando suas frustrações. Precisamos de mais disso".

LEIA MAIS:

- Por que todo mundo está falando sobre 'O Conto da Aia'?

- Como é filmar as cenas de estupro em 'O Conto da Aia', segundo a atriz Elizabeth Moss

39 celebridades que se abriram sobre seus abortos espontâneos para dar apoio a outras mulheres